Acidentes domésticos infantis: percepção e ações dos profissionais de saúde da urgência e emergência

Autores

  • Ana Cristina da Silva Amaral Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Daniela Miori Pascon Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • José Augusto Costa Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v16i2.8651461

Palavras-chave:

Serviço social. Acidentes domésticos. Criança. Urgência e emergência.

Resumo

O acidente se configura como evento não proposital e prevenível, resultante de lesões físicas e/ou emocionais que ocorrem no ambiente doméstico e em outros ambientes sociais. A assistência à saúde nas unidades pré-hospitalares e hospitalar tem assumido um papel importante na minimização dos agravos gerados por tais eventos traumáticos. O objetivo do presente estudo é compreender a percepção do profissional de saúde quanto a assistência às crianças vítimas de acidentes domésticos e identificar quais ações preventivas são realizadas pela equipe de saúde. Os dados aqui apresentados têm como base a pesquisa exploratória, de natureza quantitativa, com amostra composta por 52 funcionários de uma unidade pré-hospitalar.  Os resultados obtidos apontam que a 69,2% dos profissionais acreditam identificar os fatores de riscos que levam a ocorrência de acidentes domésticos e 55,7% prestam assistência para minimizar os agravos. Dentre os profissionais, 46% afirmam que os acidentes domésticos são eventos preveníveis e somente 44% asseguram a prática de orientação referente à prevenção aos responsáveis legais. Os profissionais de saúde apresentaram alto índice de concordância nas questões que compuseram esta pesquisa, contudo ainda há necessidade de qualificar e ampliar as ações desenvolvidas, visando sistematizar a assistência à saúde. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina da Silva Amaral, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Assistente Social na empresa ESPRO - Ensino Social e Profissionalizante, Especialista pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde, na área de Urgência e Emergência da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – Campus Sorocaba/SP.

Daniela Miori Pascon, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Docente do Departamento de Enfermagem da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde – Departamento de Enfermagem

José Augusto Costa, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil. Docente de Medicina do Departamento de Cirurgia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde, Departamento de Medicina.

Referências

ALMEIDA, F. J. R. de. Ética e desempenho social das organizações: um modelo teórico de análise dos fatores culturais e contextuais. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 105-125, 2007.

BERBERIAN, T. P. Serviço Social e avaliações de negligência: debates no campo da ética profissional. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 121, p. 48-65, 2015.

BLANK, D. Prevenção e controle de injúrias físicas: saímos ou não do século 20? Jornal de Pediatria, Porto Alegre, v. 78, n. 2, p. 84-86, mar.-abr. 2002.

BLANK, Danilo et al. Tratado de Pediatria: promoção da segurança no ambiente doméstico. 3. ed. São Paulo: Manole, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde: um passo a mais na cidadania em saúde. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN: normas e rotinas. 2. ed. Brasília,DF, 2007. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sistema_informacao_agravos_notificacao_sinan.pdf. Acesso em: 28 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. ed. Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf. Acesso em: 28 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília, DF, 2003. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_urgencias.pdf. Acesso em: 11 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. 2. ed. Brasília, DF, 2004a. Disponível em: http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/812/1/HumanizaSUS.%20Política%20Nacional%20de%20Humanização.pdf. Acessado em: 11 dez. 2016.

BRASIL. Ministério das Cidades. Política Nacional de Habitação. Brasília, DF, 2004b. Disponível em: http://www.cidades.gov.br/images/stories/ArquivosSNH/ArquivosPDF/4PoliticaNacionalHabitacao.pdf. Acesso em: 10 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva): 2009, 2010 e 2011. Brasília, DF, 2013.

CHUPEL, C. P.; MIOTO, R. C. T. Acolhimento e Serviço Social: contribuição para a discussão das ações profissionais no campo da saúde. Serviço Social & Saúde, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 37-59, maio 2015. ISSN 1676-6806. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634882/2782. Acesso em: 27 dez. 2017.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Parâmetros para atuação de assistentes sociais na política de saúde. Brasília, DF, 2010.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Pesquisa inédita traça perfil da enfermagem no Brasil, Agência Fiocruz de Notícias. 2015. Disponível em: http://portal.fiocruz.br/pt-br/content/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem-no-brasil. Acesso em: 11 dez. 2016.

ITO, E.E et al. O ensino de enfermagem e as diretrizes curriculares nacionais: utopia x realidade. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 40, n. 6, p. 570-575, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v40n4/v40n4a16.pdf. Acesso em: 12 dez. 2016.

MACIEL, W. Acidentes domésticos. São Paulo: Sociedade Brasileira de Pediatria, 2014. Disponível em: http://www.sbp.com.br/departamentos-cientificos/acidentes-domesticos/. Acesso em: 16 maio 2016.

MINAYO, M. C. de S. Violência contra crianças e adolescentes: questão social, questão de saúde. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 1, n. 2, p. 91-102, maio-ago. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292001000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 11 dez. 2016.

MINAYO, M. C. de S.; DESLANDES, S. F. Análise da implantação da rede de atenção às vítimas de acidentes e violências segundo diretrizes da Política Nacional de Redução da Morbimortalidade sobre Violência e Saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 5, p. 1641-1649, dec. 2009.

ORGANIZAÇÃO CRIANÇA SEGURA BRASIL. ONG Criança Segura divulga análise das principais causas acidentais de mortalidade infantil na Semana Nacional de Prevenção de Acidentes. 2015. Disponível em: http://criancasegura.org.br/profiles/blogs/ong-crianca-segura-divulga-analise-das-principais-causas-acidenta. Acesso em: 21 jul. 2016.

PASTERNAK, S. Habitação e saúde. Estudos Avançados. São Paulo, v. 30, n. 86, p. 51-66, 2016.

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA. Plano Nacional da Primeira Infância. Projeto Observatório Nacional da Primeira Infância: Mapeamento da Ação Finalística Evitando Acidentes na Primeira Infância. Fortaleza: RNPI, 2014.

RODRIGUES, D. P. et al. Acidentes domésticos infantis: as ações do enfermeiro como ferramenta para prevenção. Revista Enfermagem UFPE On Line, Recife, v. 7, n. 12, p. 6747-54, dez. 2013. DOI: 10.5205/reuol.2950-23586-1-ED.0712201304

SOUZA, L. J. E. X de et al. A família vivenciando o acidente doméstico: relato de uma experiência. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n.1, p. 83-89, 2000.

WAKSMAN, R. D.; BLANK, D. Prevenção de acidentes: um componente essencial da consulta pediátrica. Residência Pediátrica, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, supl. 1, 2014.

Downloads

Publicado

2018-01-17

Como Citar

AMARAL, A. C. da S.; PASCON, D. M.; COSTA, J. A. Acidentes domésticos infantis: percepção e ações dos profissionais de saúde da urgência e emergência. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 16, n. 2, p. 171–188, 2018. DOI: 10.20396/sss.v16i2.8651461. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8651461. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)