Representações de profissionais da saúde e assistência social sobre a intersetorialidade na área de álcool e outras drogas

  • Ingrid de Assis Camilo Cabral Prefeitura Municipal de Resende
  • Carla Dalbosco Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Intersetorialidade. Drogas. Políticas públicas. Seguridade social.

Resumo

As ações intersetoriais visam romper com a fragmentação das políticas públicas, mas identifica-se que alguns equipamentos do SUS e SUAS situados no mesmo espaço geográfico podem ser ofertados isoladamente, dificultando a integralidade do atendimento. No caso do uso abusivo de substâncias psicoativas, a complexidade inerente ao tema prejudica o indivíduo em diversas áreas da vida, requerendo respostas integradas e abrangentes do poder público. Visando contribuir para minimizar entraves na execução da prática intersetorial entre a saúde e a assistência social, o objetivo deste estudo foi identificar representações sociais de gestores e profissionais sobre a intersetorialidade na área de drogas no município de Resende - RJ.  Por meio de uma metodologia qualitativa, foram realizadas oito entrevistas com gestores e dois grupos focais com quatorze representantes das equipes técnicas do município. Como metodologia de análise, foram construídas categorias com auxílio do software NVIVO para posterior análise temática. Os resultados indicaram dificuldades no estabelecimento de protocolos e que muitos profissionais da rede desconhecem a função de cada política setorial. A intersetorialidade é vista como viabilizadora de direitos, mas os profissionais da Secretaria de Assistência Social sentem-se pouco valorizados pelo setor saúde, que desconhece a atuação da política assistencial. Destaca-se a importância de romper a fragmentação para ações conjuntas de cuidado aos usuários, já que os mesmos sujeitos transitam entre as áreas e qualquer entrave de acesso pode refletir negativamente no tratamento. Espera-se contribuir para melhorar os fluxos da rede de acolhimento em nível local, fortalecendo a reinserção social de usuários de álcool e outras drogas.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ingrid de Assis Camilo Cabral, Prefeitura Municipal de Resende
Assistente Social, Mestre em Prevenção e Assistência a Usuários de Álcool e Outras Drogas. Prefeitura Municipal de Resende, RJ.
Carla Dalbosco, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutora em Psicologia Clínica e Cultura, Vice-coordenadora do Programa de Mestrado Profissional em Álcool e Outras Drogas do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, HCPA/UFRGS.

Referências

ANDRADE, A. G. (Orgs.) Práticas integrativas na aplicação da Lei nº 11.343/06 - Lei de Drogas. 1ª. ed. Brasília: Ministério da Justiça - Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2014. v. 1. 160p .

BANCHS, M. A. Representaciones sociales y subjetividad. IN: O. FURTADO; F. L. GONZÁLES REY (Orgs). Por uma Epistemologia da Subjetividade: um debate entre a teoria sócio-histórica e a teoria das representações sociais. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002, pp. 43-64.

BOSCHETTI, I. Assistência social no Brasil: um direito entre a originalidade e conservadorismo. 2 ed. Brasília, 2003.

BRASIL. Lei nº11343/2006, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - SISNAD; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências, 2006.

BRASIL. Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas. Brasília, Presidência da República, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 106p, 2010.

BRAUN, V.; CLARK, V. Using thematic analysis in psychology.Qualitative Research in Psychology, 2006 3(2) (P. 77-101). Disponível em: http://eprints.uwe.ac.uk/11735/2/thematic_ analysis_revised_-_final.pdf. Acesso em: 29 jun 2017.

COSTA, P. H. A.; MOTA, D. C. B.; CRUVINEL, E; PAIVA, F. S.; RONZANI, T. M. Metodologia de implementação de práticas preventivas ao uso de drogas na atenção primária latino-americana. Rev Panam Salud Publica. 2013;33(5):325–31. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v33n5/a03v33n5.pdf. Acesso em 26 jun 2017.

GANEV, E.; LIMA, W. L. Reinserção social: processo que implica continuidade e cooperação. Serviço Social & Saúde, Campinas, v. 10, n. 11, p. 113-129, 2011.

GATTI, B.A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas – Brasília: líber livro editora, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo de 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010.

JUNQUEIRA, L. A. P. A gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 25-36, Apr. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902004000100004. Acesso em 4 jul 2017.

JUNQUEIRA, L. A. P. Intersetorialidade, transetorialidade e redes sociais na saúde. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro. nov/dez.2000; v. 34, n. 6,p.35-45.

LAPORT, T. J.; JUNQUEIRA, L.A.P. A Intersetorialidade nas Políticas Públicas sobre Drogas. In: RONZANI, T. M.; COSTA, P. H. A.; MOTA, D.C.B.; LAPORT, T. J. (Orgs.) Redes de Atenção aos Usuários de Drogas: políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2015. p. 67-84.

MONNERAT, G. L.; SOUZA, R. G. Da seguridade social à intersetorialidade: reflexões sobre a integração de políticas sociais no Brasil. R. Katálysis, v.14, nº 1, jan /jun 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802011000100005. Acesso em 4 jul 2017.

MORAES, M. O modelo de atenção integral à saúde para tratamento de problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas: percepções de usuários, acompanhantes e profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, 13(1):121-133, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000100017. Acesso em 26 jun 2017.

MOTA, D. C. B.; MOREIRA, R .B. S.; LAPORT, T. J. O desafio da intersetorialidade na área de drogas. In: RONZANI, T.M. (Org). Ações integradas sobre drogas prevenção, abordagem, e políticas púbicas. Juiz de Fora: editora UFJF, 2013, p. 387 – 427

MOTA, D. C. B.; RONZANI,T.M. Implementação de políticas públicas brasileiras para usuários de álcool e outras drogas. In: RONZANI, T.M. (Org). Ações integradas sobre drogas prevenção, abordagem, e políticas púbicas. Juiz de Fora: editora UFJF, 2013. p. 293-324

MOURA, M. L. S.; FERREIRA, M. C. Projetos de Pesquisa elaboração redação e apresentação. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2005.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Rio de Janeiro: Vozes. 2003.

NASCIUTTI, J. C. R. A Instituição como Via de Acesso à Comunidade. In: FREITAS CAMPOS, R. H. (org.). Psicologia Social Comunitária: da solidariedade à autonomia. Petrópolis - RJ: Editora Vozes, 2006, 11ª edição, p. 100-126.

NICÁCIO, F.; CAMPOS, G. W. S. Instituições de “portas abertas”: novas relações usuários-equipes-contextos na atenção em Saúde Mental de base comunitária/territorial. Revista de Terapia Ocupacional. Univ. São Paulo, v. 16, n. 1, p. 40-46, jan./abr., 2005. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/13957. Acesso em 26 jun 2017.

OLIVEIRA, M. S. B. S. Representações sociais e sociedades: a contribuição de Serge Moscovici. Revista Brasileira de Ciências Sociais, jun. 2004; vol.19, n 55, p.180-186

PAULA, K.; PALHA, P.; PROTTI, S. Intersetorialidade: uma vivência prática ou um desafio a ser conquistado?O discurso do sujeito coletivo dos enfermeiros nos núcleos de saúde da família do Distrito Oeste – Ribeirão Preto. Interface – comunic, Saúde, Educação, v. 8 n.15, p. 331-348 mar./ago. 2004.

PEREIRA, K. Y. L.; TEIXEIRA, S. M. Redes e intersetorialidade nas políticas sociais: reflexões sobre sua concepção na política de assistência social. Textos & Contextos, Porto Alegre, jan./jun. 2013; v. 12, n. 1, p. 114 - 127

QSR INTERNATIONAL. Manual NVIVO10 For Windows. QSR International, 2010

RODRIGUES J. A intersetorialidade entre as políticas públicas de saúde e de assistência social pós Constituição Brasileira de 1988. V Jornada Internacional de Políticas Públicas, 23 a 26 de agosto, 2011.

ROMAGNOLI, R. C. Entre a Educação e a Saúde: o desafio das redes. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2010. 4(2) P. 182 – 192.

SARONI, H.; GOMES, K.V.; SILVA, S. M. L.; Severino, V. C.; Santos, F. R. A Construção das Políticas Públicas Intersetoriais em Álcool e Outras Drogas: a experiência do município de Guarulhos. Anais do IV Seminário Internacional de Integração Étnico-Racial e as Metas do Milênio, 2016, Vol. 3, Nº1, 150-158.

SCHUTZ, F; MIOTO, R. C. T. Intersetorialidade e política social: subsídios para o debate. Sociedade em Debate. 2010; 16(1), p. 59. Disponível em: http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rsd/article/view/337 Accesso em 17 Jul 2017.

SÊGA, R. A. O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Anos 90. Porto alegre, jul. 2000, n.13, p.128-133.

SOUZA, J.; KANTORSKI, L. P.; VILLAR LUIS, M. A.;OLIVEIRA,N. F. Mental health interventions to treatment of drugs' abusers patients: policies, practices and documentation. Texto contexto - enferm. Florianópolis , v. 21, n. 4, p. 729-738, Dec. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=

S0104-07072012000400002&lng=en&nrm=iso>. Accesso em 17 Jul 2017.

TEIXEIRA, M. B.; RAMOA, M. L.; ENGSTROM, E.; RIBEIRO, J. M. Tensões paradigmáticas nas políticas públicas sobre drogas: análise da legislação brasileira no período de 2000 a 2016. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 1455-1466, May 2017. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017000501455&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 25 Jun 2017.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME – UNODC. World Drug Report: executive summary. Vienna: United Nations publication, 2016.

Publicado
2018-01-17
Como Citar
Cabral, I. de A. C., & Dalbosco, C. (2018). Representações de profissionais da saúde e assistência social sobre a intersetorialidade na área de álcool e outras drogas. Serviço Social E Saúde, 16(2), 189-210. https://doi.org/10.20396/sss.v16i2.8651462
Seção
Artigos