Política nacional de atenção hospitalar: impactos para o trabalho do assistente social

Autores

  • Laura Marcelino Leal Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Marina Monteiro de Castro e Castro Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v16i2.8651464

Palavras-chave:

Hospital. Humanização. Serviço social.

Resumo

Este artigo tem por objetivo problematizar o cotidiano de trabalho do assistente social no âmbito hospitalar, tendo por base as indicações da Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) a partir de elementos como apoio matricial, clínica ampliada, gerenciamento de leitos, horizontalização do cuidado, linha de cuidado, prontuário único e visita aberta; e aspectos presentes no cotidiano profissional, como as condições de trabalho, o sigilo profissional e o registro no prontuário único. A metodologia utilizada teve como base a abordagem qualitativa e o método crítico-dialético. A pesquisa de campo foi realizada com assistentes sociais que atuam no setor hospitalar em Juiz de Fora/MG. As estratégias de qualidade e humanização em saúde são gestadas num contexto tanto de reestruturação produtiva quanto de “reforma gerencial do Estado. Os eixos assistenciais apontam para a implementação incisiva de uma lógica empresarial na saúde, evidenciando a disputa de projetos para o setor. Além de ser marcado pela centralidade médica e pela ênfase no campo biológico. Apesar das dificuldades, há um esforço dos profissionais em atuarem em consonância com o Projeto Ético- Político e o Código de Ética profissional. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Marcelino Leal, Universidade Federal de Juiz de Fora

Assistente Social. Residente de Serviço Social do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Fundamentos do Serviço Social, GEPFSS/UFJF.

Marina Monteiro de Castro e Castro, Universidade Federal de Juiz de Fora

Assistente social. Doutora em Serviço Social (ESS/UFRJ). Professora da Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal de Juiz de Fora. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Fundamentos do Serviço Social – GEPFSS/UFJF. 

Referências

AYRES, J. R. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p.63-72, 2001.

BENEVIDES, R.; PASSOS, E. Humanização na saúde: um novo modismo? Revista Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 9, mar./ago.2005.

BRASIL. Cadernos HumanizaSUS. Atenção Hospitalar. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_humanizasus_atencao_hospitalar.pdf. Acesso em: 10 de junho de 2016.

BRASIL. Nota técnica- Conselho Nacional de Saúde – CONASS. 2012. Disponível em: http://www.conass.org.br/biblioteca/wp-content/uploads/2013/01/NT-24-2013-PNOHOSP-vf.pdf. Acesso em 14 de Junho de 2016.

BRASIL. Portaria nº 3.390, de 30 de Dezembro de 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt3390_30_12_2013.html. Acesso em 15 de junho de 2016.

BRASIL. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnhah01.pdf. Acesso em: 16 de Junho de 2016.

CASTRO, M. M. C. Humanização em Saúde: intencionalidade política e fundamentação teórica. Tese [Doutorado em Serviço Social]. UFRJ, ESS, 2015.

CASTRO, M. M. C. QualiSUS-redes e as proposições do Banco Mundial: problematizações críticas. REFACS (online). n. 4, v,2, p. 153-161.

CECÍLIO, L.C. Autonomia versus controle dos trabalhadores: a gestão do poder no hospital. Revista Ciência e Saúde Coletiva. v. 4, nº 2, p. 315-329, 1999.

CFESS. Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde. Série: trabalho e projeto profissional nas políticas sociais. Brasília, 2010.

CFESS. Resolução 493/2006. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Resolucao_493-06.pdf. Acesso em: 10 de Setembro de 2016.

CFM. Resolução CFM n.º 1.658/2002. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2002/1658_2002.htm. acesso em 19 de setembro de 2017.

CFM. Resolução CFM nº 1.851/2008. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2008/1851_2008.htm. acesso em 19 de setembro de 2017.

HOLZ, C. B et al. O hospital na rede de atenção a saúde: uma reflexão teórica. Revista Espaço Ciência & Saúde. v. 4, 2016, p. 101-115.

IAMAMOTO, M. Projeto Profissional, Espaços Ocupacionais e Trabalho do Assistente Social na atualidade. Atribuições privativas do assistente social em questão: CFESS, 2002.

IAMAMOTO, M. O Serviço Social na cena contemporânea. CFEES/ABEPSS (Orgs). Serviço Social: Direitos e Competências profissionais. Brasília, 2009.

LEAL. L. O cotidiano de trabalho do assistente social: Reflexões sobre o setor hospitalar em Juiz de Fora. Trabalho de Conclusão de Curso/ Faculdade de Serviço Social/ Universidade Federal de Juiz de Fora, 2017.

MATOS, M. Serviço Social, ética e saúde: reflexões para o exercício profissional. – São Paulo: Cortez, 2013.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Revista Saúde Pública, vol.35, n.1, 2001, vol.35, n.1, p.103-109.

PIRES, D. Reestruturação produtiva e trabalho em saúde no Brasil. São Paulo: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social, Annablume, 2008.

SANTOS, T. B; PINTOS, I. C. M. Política Nacional de Atenção Hospitalar: con(di)vergências entre normas, Conferências e estratégias do Executivo Federal. Revista Saúde Debate. v. 41, n. especial 3, 2017, p. 99-113.

SILVA, L.B.; MENDES, A.G. Serviço Social, Saúde e a Interdisciplinaridade: algumas questões para o debate. SILVA, L. B; RAMOS, A. Serviço Social, Saúde e Questões Contemporâneas. São Paulo: Papel Social, 2013.

SILVA, L.M; SANTOS M.A. Construindo pontes: relato de experiência de uma equipe multiprofissional em transtornos alimentares. Medicina, Ribeirão Preto. Simpósio: transtornos alimentares: anorexia e bulimia nervosas. 2006, p. 415- 424.

STEPHAN-SOUZA, A.I; MOURÃO, A.M.A. A construção do trabalho em equipe: uma tarefa do coletivo dos profissionais de saúde. Revista de Atenção Primária. Juiz de Fora, ano IV, n 9, p.35-37, dez.2001/maio 2002.

VASCONCELOS, M. M.; GRIBEL, E. B.; MORAES, I. H. S. Registros em saúde: avaliação da qualidade do prontuário na Atenção Básica. Cadernos Saúde Pública. Rio de Janeiro, Fiocruz, n. 24 suplemento, 2008, p.173-182.

Downloads

Publicado

2018-01-17

Como Citar

LEAL, L. M.; CASTRO, M. M. de C. e. Política nacional de atenção hospitalar: impactos para o trabalho do assistente social. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 16, n. 2, p. 211–228, 2018. DOI: 10.20396/sss.v16i2.8651464. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8651464. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos