Banner Portal
Envelhecimento populacional, qualidade de vida e atividade física: pensando e repensando o serviço social
PDF

Palavras-chave

Envelhecimento populacional. Atividade física. Saúde. Qualidade de vida.

Como Citar

SIMÃO, Andréa Branco; MACHADO, Carla Jorge. Envelhecimento populacional, qualidade de vida e atividade física: pensando e repensando o serviço social. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 11–23, 2018. DOI: 10.20396/sss.v16i1.8651471. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8651471. Acesso em: 20 jun. 2024.

Resumo

A preocupação com a vinculação entre qualidade de vida e prática de atividades físicas entre idosos tem marcado o processo de envelhecimento populacional brasileiro. Em função disso, o objetivo central desse trabalho é estabelecer algumas conexões entre o envelhecimento populacional, qualidade de vida, atividade física e Serviço Social. Para atingir este objetivo proposto realizou-se uma revisão narrativa e não sistemática de diferentes estudos científicos que abordam a questão. Esses estudos foram contrastados e comparados buscando a revisão crítica do que já foi publicado e selecionado para esta presente revisão. Em geral, os estudos mostram que o sedentarismo é comum, particularmente entre os mais velhos, favorecendo as incapacidades e a dependência. Por outro lado, sugerem que a realização de atividades físicas aumenta as chances de um envelhecimento saudável. Concluiu-se ainda que os profissionais do Serviço Social, por atuarem no âmbito das políticas públicas e dos direitos sociais estão, constantemente, em contato com questões atinentes ao processo de envelhecimento populacional e ao acesso dos indivíduos, particularmente aqueles de camadas menos favorecidas da sociedade, aos equipamentos que possibilitam a manutenção e promoção da saúde e possuem um papel fundamental, junto com outros profissionais, na promoção da atividade física e conquista de uma maior qualidade de vida.
https://doi.org/10.20396/sss.v16i1.8651471
PDF

Referências

ALMEIDA, M. A. B. de.; GUTIERREZ, G. L.; MARQUES. R. Qualidade de vida: definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades, EACH/USP, 2012. 142p. Disponível em: http:/www.each.usp.br/edicoes-each/qualidade_vida.pdf . Acesso em: 02 mai. 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016. IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro: IBGE, 2016 146 p. Estudos e pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, ISSN 1516-3296; n. 36. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98579.pdf. Acesso em: 02 mai. 2017.

KRÜGER, T. R. Serviço social e saúde: espaços de atuação a partir do SUS. Serviço Social & Saúde, Campinas, v.9, n.10, p.123-145, dez. 2010. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634891 Acesso em: 03 abr. 2017.

SILVA, L. M.; SILVA, A. O.; TURA, L. F. R.; MOREIRA, M. A. S. P.; RODRIGUES, R. A. P.; MARQUES, M. C. Representações sociais sobre qualidade de vida para idosos. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v.33, n.1, p.109-115, mar. 2012. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n1/a15v33n1.pdf Acesso em: 07 jul. 2017

MATOS, M. C. de. Considerações sobre atribuições e competências profissionais de assistentes sociais na atualidade. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 124, p. 678-698, out./dez. 2015 Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.046. Acesso em: 02 mai. 2017.

MATSUDO, S. M.; Atividade física na promoção da saúde e qualidade de vida no envelhecimento. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.20, p.135-137, set. 2006. Suplemento n.5. Disponível em: http://www.ceap.br/artigos/ART20092011233110.pdf. Acesso em: 02 mai. 2017.

MATSUDO, S. M. M. Envelhecimento, atividade física e saúde, Boletim do Instituto Saúde (Impr.), São Paulo, n. 47, abr. 2009. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-18122009000200020&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 08 mai. 2017.

MAZO, G. Z.; MOTA, J.; GONÇALVES, L. H. T.; MATOS, M. G.; Nível de atividade física, condições de saúde e características sócio-demográficas de mulheres idosas brasileiras. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v. 5, n. 2, p. 202-212, maio 2005. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-05232005000200009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 08 mai. 2017.

PEREIRA, P. A. Formação em serviço social, política social e o fenômeno do envelhecimento. Comunicação apresentada em Mesa Redonda, no Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil, realizado nos dias 11 e 12 de maio de 2005, sob os auspícios do Ministério da Educação (MEC) – SESu / CAPES. Brasília, 12 mai. 2005. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/envelhecimento/formacaosocialpotyara.pdf. Acesso em: 02 mai. 2017.

PUCCI, G. C. M. F; RECH, C. R.; FERMINO, R. C.; REIS, R. C. Associação entre atividade física e qualidade de vida em adultos. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 46, n. 1, p. 166-179, fev. 2012.

SIMÕES, C. C. da S. Relações entre as alterações históricas na dinâmica demográfica brasileira e os impactos decorrentes do processo de envelhecimento da população. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2016. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?id=298579&view=detalhes. Acesso em: 20 jun. 2017

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paulista de enfermagem, São Paulo, vol.20, n.2, pp.v-vi, abr/jun. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002007000200001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 dez. 2017.

VENDRUSCOLO, R. Programas de atividade física para idosos: apontamentos teórico-metodológicos. Pensar a Prática, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 1-13, jan./abr. 2011.

VERAS, R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, 2009; 43(3): 548-54 Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v43n3/224.pdf. Acesso em: 03 mai. 2017.

VILELA, F. A. De B.; JUNGERMAN, F. S.; LARANJEIRA, R; CALLAGHAN, R. The transtheoretical model and substance dependence: theoretical and practical aspects. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2009, vol.31, n.4, pp.362-368. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000400014&lng=en&nrm=iso Acesso em: 13 jun. 2017.

WIECHMANN, M. T.; RUZENE, J. R. S.; NAVEGA, M. T. O exercício resistido na mobilidade, flexibilidade, força muscular e equilíbrio de idosos. Conscientia e Saúde, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 219-226, abr./jun. 2013.

WILLIAMS, D. J.; STREAN, W. B. Physical Activity Promotion in Social Work. Social Work, v. 51, n. 2, p. 180-183, abr. 2006.

WHO. World Health Organization. Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. 60p. Disponível em: http://dms.ufpel.edu.br/ares/bitstream/handle/123456789/232/5%20%202005%20%20envelhecimento_ativo.pdf?sequence=1. Acesso em: 02 mai. 2017.

A Serviço Social e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.