Captação de doadores de sangue

da era científica mundial à era da informação digital

  • Thaynara Cristine Dupilar Universidade do Vale do Itajaí
  • Sara Locatelli Fonseca Universidade do Vale do Itajaí
  • Daiane Cobianchi da Costa Universidade do Vale do Itajaí
  • Ednéia Casagranda Bueno Universidade de São Paulo
  • Alexandre Geraldo Ministério da Saúde https://orcid.org/0000-0002-0143-4914
Palavras-chave: Doadores de sangue, Banco de sangue, Meios de comunicação, Aplicativos móveis.

Resumo

O Brasil é referência de captação de sangue, mas apenas 1,9% da população é doadora de sangue, enquanto o recomendável é de 3 a 5%. O objetivo desta pesquisa bibliográfica foi sistematizar as informações referentes ao desenvolvimento da captação de doadores de sangue ao longo dos últimos anos da hemoterapia. A revisão bibliográfica foi obtida através do levantamento bibliográfico realizado pela busca de artigos em bases de dados contendo periódicos nacionais e internacionais. Assim como, foi realizada a pesquisa do tema em ferramentas de busca, banco de dados regulatórios sanitários e hemoterápicos brasileiros. A busca de aplicativos de celulares foi realizada a partir de sites nas plataformas Google Play® e AppStore®. Foi observado que, atualmente, cartas, rádio, telefone e televisão ainda são meios eficazes de captação de doadores de sangue. Os dados da literatura também evidenciaram o aumento da segurança para o doador e receptor de sangue devido às alterações nas legislações brasileiras relacionadas à hemoterapia. A evolução tecnológica possibilitou o desenvolvimento de novas ferramentas que atualmente são utilizadas na captação de doadores de sangue, por meio do uso de aplicativos para celulares. Foram identificados 27 aplicativos nacionais e gratuitos para celulares, utilizados para fornecer informações gerais sobre os critérios de aptidão para a doação de sangue e promover a manutenção do estoque de hemocomponentes nas instituições hemoterápicas. No entanto, o uso destes aplicativos ainda é restrito, sendo necessário tanto uma maior divulgação dos mesmos bem como a atualização dos softwares viando a melhor aplicabilidade no cotidiano dos doadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaynara Cristine Dupilar, Universidade do Vale do Itajaí

Graduada em Biomedicina pela Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, Santa Catarina, Brasil.

Sara Locatelli Fonseca, Universidade do Vale do Itajaí
Graduada em Biomedicina pela Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, Santa Catarina, Brasil.
Daiane Cobianchi da Costa, Universidade do Vale do Itajaí

Mestre em Clínica Médica pela Universidade Estadual de Campinas, Doutora em Farmácia pela Universidade Federal de Santa Catarina e Coordenadora do Curso de Biomedicina da Universidade do Vale do Itajaí.

Ednéia Casagranda Bueno, Universidade de São Paulo

Mestre em Farmácia pela Universidade de São Paulo, Doutora em Farmácia Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo e Pós-doutorado pelo Centers for Diseases Control and Prevention.

Alexandre Geraldo, Ministério da Saúde

Mestre em Farmácia Análises Clínicas pela UFSC. Consultor e Avaliador do Programa Nacional de Qualificação da Hemorrede, Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados / Ministério da Saúde.

Referências

ADAMS, V.; ERWIN, K.; LE, P. V. Public health works: blood donation in urban China. Social Science & Medicine, v. 68, n. 3, p. 410-418, 2009.

AGRAWAL, A.; TIWARI, A. Tele-recruitment for donor retention. Indian Journal of Hematology and Blood Transfusion, v. 30, n. 1, p. 22-25, 2014.

ALLAIN, J. P. et al. A pool of repeat blood donors can be generated with little expense to the blood center in sub‐Saharan Africa. Transfusion, v. 48, n. 4, p. 735-741, 2008.

AMERICAN RED CROSS. Red Cross Blood Program Began During World War II. 2012. Disponível em: http://http://www.redcross.org/news/article/Red-Cross-Blood-ProgramBegan-During-World-War-II. Acesso em: 06 de agosto de 2016.

AMERICAN RED CROSS. A brief history of the American Red Cross. Disponível em: http://www.redcross.org/about-us/who-we-are/history. Acesso em: 09 de março de 2017.

BARBI, K. B.; JUNIOR, I. A. Aplicativo de smartphones para os doadores de sangue – a experiência da Fundação Hemocentro de Brasília. Em: Congresso Brasileiro de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular – HEMO 2014; novembro 06- 09; Anais. P. 258. Florianópolis, 2014.

BASAVARAJU, S. V. et al. Quantification of print, radio and television exposure among previous blood donors in Kenya: an opportunity for encouraging repeat donation in a resource‐limited setting. Voxsanguinis, v. 99, n. 3, p. 274-277, 2010.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Lei n. 1.075, de 27 de março de 1950. Dispõe sobre a doação voluntária de sangue.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto Nº 53.988 de 30 de junho de 1964. Institui o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988a.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Lei nº 7.649, de 25 de janeiro de 1988b. Estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doadores de sangue, bem como a realização de exames laboratoriais no sangue coletado, visando a prevenir a propagação de doenças, e dá outras providências.

BRASIL. Constituição Federal. Lei n° 10.205, de março de 2001. Lei do Betinho.

BRASIL. Resolução Agência Nacional de Vigilância Sanitária - RDC N° 153, de 14 de junho de 2004. Diário Oficial da União. Determina o Regulamento Técnico para os Procedimentos Hemoterápicos, incluindo a coleta, o processamento, a testagem, o armazenamento, o transporte, o controle de qualidade e o uso humano de sangue, e seus componentes, obtidos do sangue venoso, do cordão umbilical, da placenta e da medula óssea.

BRASIL. Resolução Agência Nacional de Vigilância Sanitária - RDC N° 57, de 16 de dezembro de 2010. Diário Oficial da União. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas ao ciclo produtivo do sangue humano e componentes e procedimentos transfusionais.

BRASIL. Portaria Ministerial N° 1353, de 13 de junho de 2011. Diário Oficial da União. Aprova o Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos.

BRASIL. Portaria Ministerial N° 2712, de 12 de novembro de 2013. Diário Oficial da União. Redefine o Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 2.265 de 16 de outubro de 2014. Inclui na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS o procedimento testes de ácidos nucleicos em amostras de sangue na triagem de doador e habilita os estabelecimentos de hemoterapia para realização do referido procedimento.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Caderno de informação: sangue e hemoderivados: dados de 2014 / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. – 9. Ed, Pág: 26. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Gestão de Hemocentros: relatos de práticas desenvolvidas no Brasil: IV Curso de Especialização em Gestão de Hemocentros: resumos das monografias finais [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Resolução Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Nota técnica conjunta ANVISA/SAS/MS n° 002 de 19 de agosto de 2016. Apresenta os critérios técnicos para triagem clínica de candidato a doação de sangue para os vírus Zika e Chikungunya.

BRASIL a. Resolução Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Nota técnica Conjunta ANVISA/SAS/MS nº 011 de 08 de fevereiro de 2017. Diário Oficial da União. Apresenta os critérios técnicos para triagem clínica de candidato a doação de sangue para febre amarela.

BRASIL b. Portaria de Consolidação No 5, de 28 de setembro de 2017. Diário Oficial da União. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde.

DAIGNEAULT, S. Le marketing dansl’univers du don de sang. Transfusion Clinique etbiologique, v. 14, n. 1, p. 147-151, 2007.

FANTUS, B. Landmark article July 10, 1937. The therapy of the Cook County Hospital. JAMA: Journal of the American Medical Association, v. 251, n 5, p 647-649, 1984.

FERRARI, J. R. et al. The effects of a personal phone call prompt on blood donor commitment. Journal of Community Psychology, v. 13, n. 3, p. 295-298, 1985.

FERRARETO, L. A. Rádio: o veículo, a história e a técnica. 2. ed. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 2001.

FLAVIO; THIAGO; YURI (Ed.). Da carta ao e-mail. 2012. Disponível em: http://bibliotecaarquivistica.blogspot.com.br/2012/04/da-carta-ao-email.html. Acesso em: 24 set. 2016.

FROTA, M. Z.; SANTOS; W. R. D. Estratégias para a fidelização de doadores na Fundação Hemoam. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia Em: Congresso de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular, Anais pág: 375. HEMO 2011; Novembro 10- 13. SP, 2011.

GEYER, M. E. The impact of e‐mail in acquiring and retaining whole‐blood donors: a comparative analysis of the Puget Sound Blood Center donor e‐mail communication program. Transfusion, v. 45, n. 12, p. 1957-1964, 2005.

GIANGRANDE, P. L. F. The history of blood transfusion. British Journal of Haematology, v. 110, n. 4, p. 758-767, 2000.

GLYNN, S. A. et al. Motivations to donate blood: demographic comparisons. Transfusion, v. 42, n. 2, p. 216-225, 2002.

GODIN, G. et al. The effects of a phone call prompt on subsequent blood donation among first‐time donors. Transfusion, v. 51, n. 12, p. 2720-2726. 2011.

GUERRA, C. C. C. Fim da doação remunerada de sangue no Brasil faz 25 anos. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, v. 27, n. 1, p. 1-3, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal. 2016. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000025750504122016052506724146.pdf. Acesso em: 09 mar. 2017.

ITUNES. App Store. 2017. Disponível em: https://itunes.apple.com/br/genre/ios/id36?mt. Acesso em: 31 de jan de 2017.

JORDÃO, F. Tec Mundo. História: a evolução do celular. 2009. Disponível em: https://www.tecmundo.com.br/celular/2140-historia-a-evolucao-do-celular.htm. Acesso em: 24 set. 2016.

JUNQUEIRA, P. C.; ROSENBLIT, Jacob; HAMERSCHLAK, Nelson. História da hemoterapia no Brasil. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. v. 27, n. 3, p. 201-207, 2005.

LANDSTEINER, K et al. ZurKenntnis der antifermentativen, lytischen und agglutinierenden Wirkungen des Blutserums und der Lymphe. Zblbakt, v. 27, n. 10, p. 357-362, 1900.

LANDSTEINER, K. Ueber agglutinationserscheinungen normalen menschlichen blutes. Wien Kli Wchnschr, v. 14, p. 1132-1134, 1901.

LEDERER, S. E. Flesh and blood: organ transplantation and blood transfusion in 20th century America. Oxford University Press, 2008.

MAFFEI, F. A. Educação: qualquer coisa me ligue! - O uso do celular. Disponível em: http://www.projetos.unijui.edu.br/matematica/capacitacao/capacitacao/ccpmem/fabiana/fabiana_comput.htm. Acesso: 24 de setembro de 2016.

MENEZES, A. G. Comportamento do doador de sangue: aspectos experienciais e motivacionais. [Dissertação]. Belo Horizonte; 2013.

OUHBI, S. et al. Free blood donation mobile applications. Journal of medical systems, v. 39, n. 5, p. 1-20, 2015a.

OUHBI, S. et al. Compliance of blood donation apps with mobile OS usability guidelines. Journal of medical systems, v. 39, n. 6, p. 1-21, 2015b.

PARK, Y. R et al. Smartphone applications with sensors used in a tertiary hospital — current status and future challenges. Sensors, v. 15, n. 5, 2015.

PLAY, Google. Aplicativos. 2017. Disponível em: https://play.google.com/store/apps?hl=pt_BR. Acesso em: 31 de jan. 2017.

PINTO, T. Brasil escola. Breve história da televisão. Disponível em: http://brasilescola.uol.com.br/historiag/breve-historia-televisao.htm. Acesso: 18 de set. 2016.

RAINER SOUZA. Uol. A invenção da televisão. Disponível em: http://historiadomundo.uol.com.br/idade-contemporanea/a-invencao-da-televisao.htm. Acesso em: 18 set. 2016.

RODRIGUES, R. S. M; REIBNITZ, K. S. Estratégia de captação de doadores de sangue: Uma revisão integrativa da literatura. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, SC, v. 20, n.2, p 384, 2011.

RODRIGUES, R. S. M. Projeto Escola: educando para a captação de doadores de sangue. 2012. 195 f. Curso de Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

SALEEM, S. et al. Assessing acceptability of short message service based interventions towards becoming future voluntary blood donors. Journal of blood transfusion, v. 2014, 2014.

SA, J. H. G. et al. GeoHealth: a georeferenced system for health data analysis in primary care. IEEE Latin America Transactions, v. 10, n. 1, p. 1352-1356, 2012.

SANTOS, L. G. Hemope e pró-sangue duas decisões um caminho EDUPE. Recife-PE 2002.

SILVA, A. E. F. A análise do discurso no telejornalismo: caminhos para apreensão dos sentidos da doação de sangue. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Em: Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular – HEMO 2011; Novembro 10-13. SP 2011. Anais. p. 374.

Sua pesquisa. Com. História da internet. 2004. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/internet. Acesso: 18 de setembro de 2016.

TOMAZINI, M. Kantar Ibope Media aponta que 89% das pessoas escutam rádio em 13 regiões metropolitanas. 2016. Disponível em: http://www.abert.org.br/web/index.php/clippingmenu/item/24983-kantar-ibope-mediaaponta-que-89-das-pessoas-escutam-radio-em-13-regioes-metropolitanas. Acesso em: 19 fev. 2017.

WILLITRICK. Como surgiu a carta escrita. 2014. Disponível em: https://os100assuntos.wordpress.com/2014/12/29/como-surgiu-a-carta-escrita/. Acesso em: 24 set. 2016.

WHITNEY, J. G; HALL, R. F. Using an integrated automated system to optimize retention and increase frequency of blood donations. Transfusion; 50: 1618-24. 2010.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Dupilar, T. C., Fonseca, S. L., Costa, D. C. da, Bueno, E. C., & Geraldo, A. (2018). Captação de doadores de sangue. Serviço Social E Saúde, 17(1), 95-126. https://doi.org/10.20396/sss.v17i1.8655204
Seção
Artigos