Alta hospitalar responsável sob a ótica do cuidado em rede

Palavras-chave: Alta responsável, Hospitais, Redes de saúde, Serviço Social, Cuidados continuados.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir o processo de alta hospitalar a partir da fala dos usuários e familiares egressos de uma unidade de Cuidados Continuados Integrados (CCI) sob a ótica do cuidado em rede no Sistema Único de Saúde (SUS). A alta responsável se configura como um processo no qual os usuários saem de um ponto da rede de atenção à saúde, no caso o hospital e são recebidos na atenção básica. Foi utilizada a metodologia qualitativa por meio de entrevista com questões abertas, com a participação de dezesseis (16) usuários, que receberam alta entre abril de 2016 a abril de 2017. Após a organização dos dados foram encontrados três (3) blocos de ideias que permitiram a análise, sendo: a) Leitura e compreensão do Relatório de Alta; b) Relacionamento com a rede de atenção à saúde; c) Melhorias possíveis. Assim, verifica-se a necessidade de aprofundar a discussão a respeito da alta responsável e sobre o papel do hospital como integrante de uma rede que se propõe ser horizontal e compartilhada em responsabilidades com os usuários do SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscilla Fernandes Fagundes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Assistente Social, pós-graduada em Cuidados Continuados Integrados/UFMS/ESP. Instituição Origem: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)/ Hospital São Julião (HSJ).

Estela Márcia Rondina Scandol, Escola de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul

Assistente Social, Mestre em Saúde Coletiva, Doutora em Serviço Social. Escola de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul (ESP). Campo Grande/MS.

Referências

ALVARENGA, A. F. O projeto piloto para implantação dos cuidados continuados integrados. In: DOBASHI, B. F. (org.). Tecendo redes na saúde para ampliar o cuidado. Campo Grande – MS. 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília DF. 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 13 dez 2017.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o fundamento dos serviços correspondentes, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 set. 1990. p. 18055. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm. Acesso em: 13 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde / Ministério da Saúde; Conselho Nacional de Saúde – 4. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Geral de Alimentos e Nutrição (CGAN). Organização Panamericana de Saúde (OPAS). Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição (OPSAN). Universidade de Brasília (UnB). Curso de autoaprendizado. Redes de Atenção à Saúde no Sistema Único de Saúde. Brasilia. 2012. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/ras_curso_completo_1.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.809, de 7 de Dezembro de 2012. Estabelece a organização dos Cuidados Prolongados para retaguarda à Rede de Atenção às Urgências e Emergências (RUE) e às demais Redes Temáticas de Atenção à Saúde no âmbito do SistemaÚnico de Saúde (SUS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt2809_07_12_2012.html. Acesso em: 13 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 3. 390, de 30 de Dezembro de 2013. Institui a Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), estabelecendo- se as diretrizes para a organização do componente hospitalar da Rede de Atenção à Saúde (RAS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt3390_30_12_2013.html. Acesso em: 13 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de Dezembro de 2010. Estabelece Diretrizes para a Organização da Rede de Atenção à Saúde no Âmbito do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html. Acesso em: 13 dez 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção hospitalar / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 268 p., il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos HumanizaSUS ; v. 3) CARRARA. P; DOLZ. M. Tema 1. Linhas de Cuidados e Tipologias de Serviços. Projeto: Implantação de Experiências de Cuidados Continuados no Estado de Mato Grosso do Sul.

CEALAG. GESAWORLD. 2013. Não Publicado.

CECILIO, L.C. O. Modelos tecno-assistenciais em saúde: da pirâmide ao círculo, uma possibilidade a ser explorada. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 469- 478, Set. 1997. Disponível em: . Acesso em: 13 dez 2017.

CFESS. Parâmetros para atuação de assistentes sociais na política de saúde. [Brasília]: Conselho Federal de Serviço Social, [2010]. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/parametros_para_a_atuacao_de_assistentes_sociais_na_sa ude.pdf. Acesso em: 13 dez de 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

JUNQUEIRA, L.A.P.; DAPUZZO, F. Gestão de redes: a estratégia de regionalização da política de saúde. História Ciências Saúde-Manguinhos. v.17, p.545-547, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v17n2/19.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

MACHADO, R. 1942 – M133f. Foucault: a ciência e o saber/ Roberto Machado. – 3 ed. rev. E ampliada. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Ciência Saúde Coletiva, v. 15, n. 5, p. 2297- 305. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n5/v15n5a05.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

MENDES, E.V. As redes de atenção à saúde. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Organização PanAmericana da Saúde, 2011. 549 p.: il. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/redes_de_atencao_saude.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

MENDES, E. V. 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. Estudos Avançados, São Paulo. v. 27, n. 78, p. 27-34, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v27n78/03.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9ª ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

ROHDE, E.B. Tema 2. Modelo de cuidados continuados integrados no Estado de Mato Grosso do Sul. Estratégias de Apoio. Projeto: Implantação de Experiências de Cuidados Continuados no Estado de Mato Grosso do Sul. Secretaria Estadual de Mato Grosso do Sul (SES/MS). 2013. Não Publicado.

SCANDOLA, E. M. R. Bordar telas: integrantes do viver. 2012. Biblioteca Virtual do IBISS. Disponível em: http://www.ibissco.org.br/site/up/documento/2012-10-08/2012-10-08-15-14-47-0.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

TRAVASSOS, C; MARTINS, M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad. de Saúde Publica [online]. Rio de Janeiro. v. 20. n. 2, p. 190 – 198. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v20s2/14.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL - UFMS. Projeto Pedagógico Residência Multiprofissional em cuidados continuados integrados. Campo Grande – MS. 2014.

VASQUES, O. Tema 2. Características e organização das unidades de internação de cuidados continuados. Projeto: Implantação de Experiências de Cuidados Continuados no Estado de Mato Grosso do Sul. Parc de Salut Mar e Gesaworld do Brasil. 2013. Não Publicado.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Fagundes, P. F., & Scandol, E. M. R. (2018). Alta hospitalar responsável sob a ótica do cuidado em rede. Serviço Social E Saúde, 17(1), 181-204. https://doi.org/10.20396/sss.v17i1.8655207
Seção
Artigos