As redes de atenção à saúde em urgência e emergência e sua efetividade nas redes intersetoriais no distrito de Ermelino Matarazzo

Palavras-chave: Medicina de emergência, Pessoal de saúde, Avaliação em saúde.

Resumo

A saúde, tida como direito universal brasileiro, traz diversos desafios para ser garantida no Sistema Único de Saúde SUS. Sendo assim as Redes de Atenção à Saúde são na atualidade formas de articulação com os diversos equipamentos de saúde para que se consiga atender a população forma humanizada e integrada de acordo com os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS). O presente trabalho busca compreender como estão tecidas as Redes de Atenção à Saúde em Urgência e Emergência no território de Ermelino Matarazzo e sua relação com as Redes intersetoriais. Para isso foram realizados levantamentos da Rede de Atenção à Saúde e intersetoriais no território de Ermelino Matarazzo, com o intuito de compreender como esta dada as relações entre os equipamentos. Foram entrevistados cinco profissionais do Hospital Municipal do território e cinco profissionais de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) da região, evidenciando a percepção da efetividade da rede no distrito. A pesquisa realizada foi qualitativa, amparada pelo materialismo histórico dialético, e teve como suporte investigativo a metodologia da história oral. As entrevistas foram analisadas a partir dos depoimentos fornecidos durante a abordagem investigativa junto aos sujeitos da pesquisa. Os resultados do levantamento dos equipamentos estão apresentados em forma de cartilha e das entrevistas que foram analisadas. O presente estudo, respondeu como se dá a integração entre o Hospital de Urgência e Emergência na Zona Leste de São Paulo com a Rede de Saúde e Intersetorial do território seguindo as diretrizes da rede de atenção em Urgência e Emergência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cassia dos Santos Bittencourt, Universidade de Santo Amaro

Graduada em Serviço Social, Especialista em Equipe Multiprofissional em Urgência e Emergência e pós-graduada em Gerontologia - Universidade de Santo Amaro.

Marlene Almeida de Ataíde, Universidade Santo Amaro

Graduada, Mestre e Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Docente da Universidade Santo Amaro.

Referências

ALBERTI, V. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1990.

BIDARRA, Z. S. Pactuar a intersetorialidade e tramar as redes para consolidar o sistema de garantia dos direitos. Serviço Social & Sociedade. São Paulo nº 99, p. 483-497. 2009.

BONFIM, M. L. N. da C. A estratégia do trabalho em Rede no SUAS\ CRAS - Teresina-PI: uma experiência em movimento, 2009. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17993. Acesso em: 21 out. 16.

BOMBARDA, F. P. Secretária do Estado de São Paulo. Redes Regionais de Atenção à Saúde. 2012. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ces/homepage/rras/fatima_apresentacaoredesatualizado_junho_12.pdf. Acesso em: 21 out. 16.

BOURGUIGNON, J. A. Concepção de Rede Intersetorial. 2001. Disponível em: http://www.uepg.br/nupes/intersetor.htm. Acesso em: 15 out. 17.

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Parâmetros para Atuação do Assistente Social na Política de Saúde, 2010. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Parametros_para_a_Atuacao_de_Assistentes_Sociais_na_Saude.pdf. Acesso em: 15 out. 17.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: ago. 2017.

BRASIL. Decreto 7.508/2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.htm. Acesso em: 21 out. 16.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS) / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_instrutivo_rede_atencao_urgendcias.pdf.
Acesso em: 13 set. 16

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.395 de outubro de 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2395_11_10_2011.html. Acesso em: ago. 2017.

COFEM. Resolução nº 2.077/14. https://portal.cfm.org.br/images/PDF/resolucao2077.pdf. Acesso em: ago. 2017. Descentralização. Disponível em: http://pensesus.fiocruz.br/descentralizacao. Acesso em: 20 out. 16.

COSTA, M. D. H. Serviço Social e intersetorialidade: a contribuição do assistente social para construção da intersetorialidade no cotidiano do Sistema Único de Saúde. Recife, 2010.

NEGRI FILHO, A. de; BARBOSA, Z. O papel dos hospitais nas Redes de Atenção a Saúde: elementos para pensar uma rede estratégica para os SUS. Brasília. CONSESUS, 2014. 11 (11): 1-8, 2014.

FRANÇA, E.; CALVALCANTI, P. B. A intersetorialidade e o Serviço Social na Saúde. PUC. 2012.

GOMIDE, D. C. O materialismo histórico-dialético como enfoque metodológico para a pesquisa sobre políticas educacionais. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/jornada/jornada11/artigos/2/artigo_simposio_2_45_dcgomide@gmail.com.pdf. Acesso em: 20 out. 16

GUERRA, E. L de A. Manual de pesquisas qualitativas- MG, 2014. Disponível em: http://disciplinas.nucleoead.com.br/pdf/anima_tcc/gerais/manuais/manual_quali.pdf. Acesso em: 20 out. 16.

INOJOSA, R. M. Redes de compromisso social. Revista de Administração Pública, v. 33, n. 5, p. 115-141, 1999. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/12904/redes-de-compromisso-social/i/pt-br. Acesso em: 20 out. 16.

KOGA, D. Medidas de cidades: entre Territórios de vida e territórios vividos. São Paulo: Cortez, 2011.

LAKATOS, E, M. MARCONI, M, A. Metodologia do trabalho cientifico. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2012. 50-232p.

BRASIL. Lei 8.080 de 1990 – Sistema único de saúde. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm. Acesso em: 13 set. 2016.

MATOS, J. S.; SENNA, A. K. História oral como fonte: problemas e métodos. Disponível em: https://www.seer.furg.br/hist/article/viewFile/2395/1286. Acesso em: 20 out. 16.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011.

MENDES, E. V. Terceiro Encontro de Atenção a Saúde em Belo Horizonte, 26 de fevereiro de 2013. Disponível em: https://pt.slideshare.net/SESMG/os-modelos-de-ateno-sadeeugenio-vilaa. Acesso em: 11 maio 2017. Portaria 4279. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2011/img/07_jan_portaria4279_301210.pdf. Acesso em: 13 set. 16.

PEREIRA, SANTOS E INOCENTE. As redes, seus desafios de implementação e o desenvolvimento sustentado. 2011. Disponível em: http://www.lajbm.net/index.php/journal/article/viewFile/30/31. Acesso em: 01 maio 2017.

PEREIRA, J. R.; SANTOS, M. J. dos; INOCENTE, N. J. As redes, seus desafios de implementação e o desenvolvimento sustentado. Taubaté 2011. Latin American Journal of Business Management. AJBM. v. 2, n. 2, p. 54-68, jul/dez/2011.

PIRES, J. da C. Configuração da rede social de apoio das famílias de crianças e adolescentes em tratamento oncológico. 2013. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/533/1/445304.pdf. Acesso em: 01 maio 2017.

SANFELICE, J. L. Dialética e pesquisa em educação. In: LOMBARDI, J.C.; SAVIANI, D. (Orgs.). Marxismo e Educação: debates contemporâneos. 2ª ed. Campinas, SP: Autores Associados: Histedbr, 2008.

SÃO PAULO, Deliberação comissão Intergestora bipartite. Nº 51, Diário Oficial do Estado de São Paulo. São Paulo, Dez.2015, Disponível em http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/anexo%20I%20Diretrizes.pdf. E diário oficial em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/homepage/regulacao-da-urgencia-e-emergencia-rras-6-sao-paulo/delib_51_16.pdf. Acesso em: ago. 2017.

SÃO PAULO, Secretaria do Estado de São Paulo, Redes Regionais de Atenção à Saúde, 2012. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ces/homepage/rras/fatima_-_apresentacaoredesatualizado_junho_12.pdf. Acesso em: 31 out.17.

SÃO PAULO, SP, RRAS. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/organizacao/quem_e_quem/index.php?p=222338. Acesso em: ago. 2017.
Publicado
2019-09-25
Como Citar
Bittencourt, C. dos S., & Ataíde, M. A. de. (2019). As redes de atenção à saúde em urgência e emergência e sua efetividade nas redes intersetoriais no distrito de Ermelino Matarazzo. Serviço Social E Saúde, 18, e019004. https://doi.org/10.20396/sss.v18i0.8656815