Contrarreforma psiquiátrica e o trabalho profissional dos/as assistentes sociais nos Centros de Atenção Psicossocial-CAPS´s em Belém-Pará

  • Rosiane Silva da Silva Universidade Federal do Pará
  • Vera Lúcia Batista Gomes Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Serviço social, Saúde mental, Reforma psiquiátrica, Neoliberalismo

Resumo

Este artigo objetiva analisar as repercussões da contrarreforma psiquiátrica em curso, no Brasil, para o trabalho profissional das/os assistentes sociais que atuam nos CAPS´S em Belém-Pará. Tem por base teve por base, os dados obtidos com a realização de uma pesquisa em nível regional, com recorte para os mencionados CAPS’s, cujos sujeitos forma 09 (nove) assistentes sociais de um universo de 34 (trinta e quatro) que atuam nesses espaços sócio ocupacionais. A luz da teoria marxista, o artigo evidencia que o/a assistente social é chamado de forma mais significativa para compor as equipes multidisciplinares nos serviços substitutivos de saúde mental, para intervir sobre os determinantes sociais do processo saúde-doença mental. Mas, as condições de trabalho nos mencionados CAPS’s, têm dificultado o trabalho desse/a profissional no que concerne ao acesso dos usuários ao atendimento, devido as medidas de  retrocesso ao acesso aos direitos sociais, provocados pelo momento político e econômico vivenciado, no País, pois até a infraestrutura física dos CAPS´s limita e, muitas vezes, impede que os atendimentos sejam efetuados com qualidade e preservem a privacidade das/os usuários/as. Desta forma, o Estado neoliberal não investe na qualidade dos serviços públicos prestados precarizando suas estruturas; nos serviços como o CAPS´s esta situação se agrava devido possuir uma demanda com uma carga de sofrimento muito densa – ao se deparar com os entraves no acesso aos serviços prestados na RAPS, em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosiane Silva da Silva, Universidade Federal do Pará

Bacharela em Serviço Social pela Universidade Federal do Pará.

Vera Lúcia Batista Gomes, Universidade Federal do Pará

Assistente Social. Doutora em Sociologia do Trabalho pela Université de Picardie Jules Vernes, - Amiens-France. Docente da Faculdade de Serviço Social e do Programa de Mestrado/Doutorado em Serviço Social da Universidade Federal do Pará.

Referências

AMARANTE, P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. 3 ed.rev. e ampl. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011.

AMARANTE, P. Asilos, alienados e alienistas: pequena história da psiquiatria no Brasil. In: AMARANTE, P. (org.). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ,1994, p.73-84.

AMARANTE, P. NUNES, M. O. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciênc. saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.6, p. 2067-2074, Jun. 2018. Disponível em: http:www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&=S14-812320180006&Ing=em&nrm=isso. Acesso em 10 fev. 2019.

BISNETO, J. A. Serviço Social e saúde mental: uma análise institucional da prática. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2016.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoConstituicao/anexo/CF.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018.

BRASIL. Lei Federal nº 10.216 – de 06 de abril de 2001. Direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redirecionamento do modelo assistencial em Saúde Mental.

BRASIL. Lei nº 8080/90, de 19 de setembro de 1990. Brasília: DF. 1990. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8080.htm. Acesso em: 18 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde Comissão Intergestores Tripartite. Resolução n º 32, de 14 de dezembro de 2017. Estabelece as diretrizes para o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 245, 22 de dezembro de 2017.Seção 1, p.239.

BRASIL. Ministério da Saúde. Legislação em Saúde Mental – 1990-2004. 5ª Ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental em Dados 12. Ano 10 nº 12. Informativo Eletrônico. Brasília: outubro de 2015. Disponível em: http://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/innovation/reports/Report_12-edicao-do-Saude-Mental-em-Dados.pdf. Acesso em: out. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde departamento de ações programáticas estratégicas. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação-Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Saúde Mental no SUS: as novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Relatório de Gestão 2007-2010. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde/DAPE. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Portaria nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília. 2017.

BRASIL. Portaria/GM nº 336 - De 19 de fevereiro de 2002. Estabelece os tipos de CAPS I, CAPS II, CAPS III, CAPS i II e CAPS ad II, e seu modelo de funcionamento.

BRASIL. Presidência da República. Plano Diretor de Reforma do Aparelho do Estado. Brasília.1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Saúde Mental no SUS: Cuidada em Liberdade, Defesa de Direitos e Rede de Atenção Psicossocial. Relatório de Gestão 2011 – 2015. Brasília: Ministérios da Saúde, 2016.

BRAVO, M.I. Política de saúde no Brasil. In: MOTA, A. E. et al.(org.) Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez; Brasília: OPAS: OMS: Ministério da Saúde, 2006.

Conselho Federal de Psicologia; Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura; Procuradoria Federal dos direitos do cidadão; Ministério Público Federal. Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas- 2017. Brasília: CFP, 2018.

Conselho Federal de Serviço Social. Legislação e Resoluções sobre o trabalho do/a assistente social / Conselho Federal de Serviço Social - Gestão Atitude Crítica para Avançar na Luta. – Brasília: CFESS, 2011.

Conselho Federal de Serviço Social. Relatório de Fiscalização: Serviço Social e a Inserção de Assistentes Sociais nas Comunidades Terapêuticas no Brasil. Brasília: CFESS, 2018.

GIOVANELLA, Lígia; AMARANTE, Paulo. O enfoque estratégico do planejamento em saúde e em saúde mental. In: AMARANTE, P. (org.). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ,1994, p.113-148.

IAMAMOTO, Marilda Villela; CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: Esboço de uma Interpretação Teórico Metodológica. 14. Ed. São Paulo: CELATS/Cortez, 2001.

IHRA. International Harm Reduction Association. PROMOTING HARM REDUCTION ON A GLOBAL BASIS.O que é Redução de Danos? Uma posição oficial da Associação Internacional de Redução de Danos. IHRA: Londres, Grã Bretanha, 2010.

Disponível em: https://www.hri.global/files/2010/06/01/Briefing_what_is_HR_Portuguese.pdf. Acesso em: jan.2019.

MATEUS, Mário Dinis. Aspectos históricos das políticas de assistência em saúde mental. In: MATEUS, M. D. (Org.). Políticas de saúde mental: Baseado no curso Políticas públicas de saúde mental, do CAPS Professor Luiz da Rocha Cerqueira. São Paulo: Instituto de Saúde, 2013.

MOTA, Mirella de Lucena; RODRIGUES, Cleide Maria Batista. Serviço Social e saúde mental: um estudo sobre a prática profissional. Ser Social. Brasília, v.18, n.39, p.652-671, jul.-dez./2016.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 12.ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ROBAINA, Conceição Maria Vaz. O trabalho do Serviço Social nos serviços substitutivos de saúde mental. Serv Soc. Soc. São Paulo: Cortez, n.102, p.139-151, abr./jun. 2010.

ROSA, L. C. S; MELO, T.M.F.S. Inserções do Assistente Social em saúde mental: em foco o trabalho com as famílias. Serviço Social & Saúde. Campinas: UNICAMP, v. VII - VIII, n. 7-8, Dez. 2009, p.75-106.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Reforma Psiquiátrica, tempos sombrios e resistência: diálogos com o marxismo e serviço social. Campinas: Papel Social, 2016.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

Publicado
2019-12-16
Como Citar
Silva, R. S. da, & Gomes, V. L. B. (2019). Contrarreforma psiquiátrica e o trabalho profissional dos/as assistentes sociais nos Centros de Atenção Psicossocial-CAPS´s em Belém-Pará. Serviço Social E Saúde, 18, e019012. https://doi.org/10.20396/sss.v18i0.8657454