Banner Portal
Contrarreforma psiquiátrica e o trabalho profissional dos/as assistentes sociais nos Centros de Atenção Psicossocial-CAPS´s em Belém-Pará
PDF

Palavras-chave

Serviço social
Saúde mental
Reforma psiquiátrica
Neoliberalismo

Como Citar

SILVA, Rosiane Silva da; GOMES, Vera Lúcia Batista. Contrarreforma psiquiátrica e o trabalho profissional dos/as assistentes sociais nos Centros de Atenção Psicossocial-CAPS´s em Belém-Pará. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 18, p. e019012, 2019. DOI: 10.20396/sss.v18i0.8657454. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8657454. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

Este artigo objetiva analisar as repercussões da contrarreforma psiquiátrica em curso, no Brasil, para o trabalho profissional das/os assistentes sociais que atuam nos CAPS´S em Belém-Pará. Tem por base teve por base, os dados obtidos com a realização de uma pesquisa em nível regional, com recorte para os mencionados CAPS’s, cujos sujeitos forma 09 (nove) assistentes sociais de um universo de 34 (trinta e quatro) que atuam nesses espaços sócio ocupacionais. A luz da teoria marxista, o artigo evidencia que o/a assistente social é chamado de forma mais significativa para compor as equipes multidisciplinares nos serviços substitutivos de saúde mental, para intervir sobre os determinantes sociais do processo saúde-doença mental. Mas, as condições de trabalho nos mencionados CAPS’s, têm dificultado o trabalho desse/a profissional no que concerne ao acesso dos usuários ao atendimento, devido as medidas de  retrocesso ao acesso aos direitos sociais, provocados pelo momento político e econômico vivenciado, no País, pois até a infraestrutura física dos CAPS´s limita e, muitas vezes, impede que os atendimentos sejam efetuados com qualidade e preservem a privacidade das/os usuários/as. Desta forma, o Estado neoliberal não investe na qualidade dos serviços públicos prestados precarizando suas estruturas; nos serviços como o CAPS´s esta situação se agrava devido possuir uma demanda com uma carga de sofrimento muito densa – ao se deparar com os entraves no acesso aos serviços prestados na RAPS, em geral.

https://doi.org/10.20396/sss.v18i0.8657454
PDF

Referências

AMARANTE, P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. 3 ed.rev. e ampl. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011.

AMARANTE, P. Asilos, alienados e alienistas: pequena história da psiquiatria no Brasil. In: AMARANTE, P. (org.). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ,1994, p.73-84.

AMARANTE, P. NUNES, M. O. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciênc. saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.6, p. 2067-2074, Jun. 2018. Disponível em: http:www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&=S14-812320180006&Ing=em&nrm=isso. Acesso em 10 fev. 2019.

BISNETO, J. A. Serviço Social e saúde mental: uma análise institucional da prática. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2016.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoConstituicao/anexo/CF.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018.

BRASIL. Lei Federal nº 10.216 – de 06 de abril de 2001. Direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redirecionamento do modelo assistencial em Saúde Mental.

BRASIL. Lei nº 8080/90, de 19 de setembro de 1990. Brasília: DF. 1990. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8080.htm. Acesso em: 18 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde Comissão Intergestores Tripartite. Resolução n º 32, de 14 de dezembro de 2017. Estabelece as diretrizes para o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 245, 22 de dezembro de 2017.Seção 1, p.239.

BRASIL. Ministério da Saúde. Legislação em Saúde Mental – 1990-2004. 5ª Ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental em Dados 12. Ano 10 nº 12. Informativo Eletrônico. Brasília: outubro de 2015. Disponível em: http://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/innovation/reports/Report_12-edicao-do-Saude-Mental-em-Dados.pdf. Acesso em: out. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde departamento de ações programáticas estratégicas. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação-Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Saúde Mental no SUS: as novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Relatório de Gestão 2007-2010. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde/DAPE. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Portaria nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília. 2017.

BRASIL. Portaria/GM nº 336 - De 19 de fevereiro de 2002. Estabelece os tipos de CAPS I, CAPS II, CAPS III, CAPS i II e CAPS ad II, e seu modelo de funcionamento.

BRASIL. Presidência da República. Plano Diretor de Reforma do Aparelho do Estado. Brasília.1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Saúde Mental no SUS: Cuidada em Liberdade, Defesa de Direitos e Rede de Atenção Psicossocial. Relatório de Gestão 2011 – 2015. Brasília: Ministérios da Saúde, 2016.

BRAVO, M.I. Política de saúde no Brasil. In: MOTA, A. E. et al.(org.) Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez; Brasília: OPAS: OMS: Ministério da Saúde, 2006.

Conselho Federal de Psicologia; Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura; Procuradoria Federal dos direitos do cidadão; Ministério Público Federal. Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas- 2017. Brasília: CFP, 2018.

Conselho Federal de Serviço Social. Legislação e Resoluções sobre o trabalho do/a assistente social / Conselho Federal de Serviço Social - Gestão Atitude Crítica para Avançar na Luta. – Brasília: CFESS, 2011.

Conselho Federal de Serviço Social. Relatório de Fiscalização: Serviço Social e a Inserção de Assistentes Sociais nas Comunidades Terapêuticas no Brasil. Brasília: CFESS, 2018.

GIOVANELLA, Lígia; AMARANTE, Paulo. O enfoque estratégico do planejamento em saúde e em saúde mental. In: AMARANTE, P. (org.). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ,1994, p.113-148.

IAMAMOTO, Marilda Villela; CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: Esboço de uma Interpretação Teórico Metodológica. 14. Ed. São Paulo: CELATS/Cortez, 2001.

IHRA. International Harm Reduction Association. PROMOTING HARM REDUCTION ON A GLOBAL BASIS.O que é Redução de Danos? Uma posição oficial da Associação Internacional de Redução de Danos. IHRA: Londres, Grã Bretanha, 2010.

Disponível em: https://www.hri.global/files/2010/06/01/Briefing_what_is_HR_Portuguese.pdf. Acesso em: jan.2019.

MATEUS, Mário Dinis. Aspectos históricos das políticas de assistência em saúde mental. In: MATEUS, M. D. (Org.). Políticas de saúde mental: Baseado no curso Políticas públicas de saúde mental, do CAPS Professor Luiz da Rocha Cerqueira. São Paulo: Instituto de Saúde, 2013.

MOTA, Mirella de Lucena; RODRIGUES, Cleide Maria Batista. Serviço Social e saúde mental: um estudo sobre a prática profissional. Ser Social. Brasília, v.18, n.39, p.652-671, jul.-dez./2016.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 12.ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ROBAINA, Conceição Maria Vaz. O trabalho do Serviço Social nos serviços substitutivos de saúde mental. Serv Soc. Soc. São Paulo: Cortez, n.102, p.139-151, abr./jun. 2010.

ROSA, L. C. S; MELO, T.M.F.S. Inserções do Assistente Social em saúde mental: em foco o trabalho com as famílias. Serviço Social & Saúde. Campinas: UNICAMP, v. VII - VIII, n. 7-8, Dez. 2009, p.75-106.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Reforma Psiquiátrica, tempos sombrios e resistência: diálogos com o marxismo e serviço social. Campinas: Papel Social, 2016.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

A Serviço Social e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.