Banner Portal
Violência intrafamiliar na Infância e Adolescência
PDF

Palavras-chave

Serviço Social
Violência intrafamiliar
Criança e Adolescente
Residência Integrada Multiprofissional em Saúde

Como Citar

LOPES, Gessica dos Santos Machado; LEWGOY, Alzira Maria Baptista; MARQUES, Myriam Fonte. Violência intrafamiliar na Infância e Adolescência: a percepção dos profissionais de saúde residentes na formação em serviço. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 19, p. e020003, 2020. DOI: 10.20396/sss.v19i0.8661064. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8661064. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este artigo é produto do trabalho de conclusão da Residência Integrada Multiprofissional em Saúde e em Área profissional da Saúde (RIMS), no Programa da Saúde da Criança em hospital universitário de Porto Alegre/RS. Objetiva-se apresentar a percepção dos Profissionais de Saúde Residentes (PSR) de como a formação em serviço contribui no trabalho profissional, diante da violência intrafamiliar contra as crianças e os adolescentes, no que se refere à concepção, preparação e intervenção. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de natureza exploratória, descritiva e empírica por meio de entrevista com 14 residentes, cujas informações foram trabalhadas através de análise de conteúdo na perspectiva de Bardin (2011). Os resultados mostram que a concepção de violência intrafamiliar precisa ser ampliada e elucidada entre os profissionais. Há parca preparação durante a graduação, restringindo a formação e a qualificação profissional à pós-graduação, particularmente a formação em serviço. A intervenção se limita a determinadas áreas profissionais, tendo em vista atribuírem densidades diferentes dos conhecimentos teórico-práticos entre as áreas pelos profissionais. Conclui-se que é imprescindível o trabalho em equipe para garantir a proteção e a integralidade do cuidado na defesa da criança e do adolescente.

https://doi.org/10.20396/sss.v19i0.8661064
PDF

Referências

AMARO, S. T. A; SANTOS, C. M. B; PEREIRA, A. P. M. P. Violência Intrafamiliar Contra Crianças: risco, proteções e recomendações a profissionais no Brasil e em Portugal. Lisboa: Chiado, 2016. 140 p.

ASSIS, S. G; AVANCI, J. Q. É possível prevenir a violência? Refletindo sobre risco, proteção, prevenção e promoção da saúde. In: NJAINE, K. et al. Impactos da violência na saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2009, p. 79-104.

AZAMBUJA, M. R. F de. et al. Violência sexual contra crianças e adolescentes. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2011.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70º, 2011.

BRASIL. Lei Federal nº 8.0690, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e dá outras províncias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço. Série Cadernos de Atenção Básica, N° 8. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd05_19.pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Trata das especificidades éticas das pesquisas nas ciências humanas e sociais e de outras que utilizam metodologias próprias dessas áreas. Conselho Nacional de Saúde, 24 maio 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 05 de maio de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, julho de 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/linha_cuidado_atencao_integral_saude.pdf. Acesso em: 04. nov. 2019.

BRASIL. Lei Nº 13.431, de 4 de abril de 2017. Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo. Brasília, DF, 04 de abril de 2005. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13431.htm. Acesso em: 10 de out. 2019.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Disque Direitos Humanos. Relatório 2019. Brasília: Equipe da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), 2019. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2020-2/maio/Disque100Relatorio.pdf. Acesso em: 08 Maio de 2020.

BRITO L. M. T. O papel da universidade na formação de profissionais competentes para lidar com casos de violência Sexual. In: AZAMBUJA, M. R. F. de et al. Violência sexual contra crianças e adolescentes. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 116 -126.

CAVALCANTI, F. G.; SCHENKER, M. Famílias que se comunicam através de violências. In: NJAINE, K. (Org.). Impactos da violência na saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2009, p. 197-213.

CLOSS, T. T. O Serviço Social nas Residências Multiprofissionais em Saúde: Formação para a integralidade. Curitiba: Appris, 2013.

CRUZ, L. R. da; HILLESHEIM, B. Vulnerabilidade Social. In: FERNANDES, R. M. C.; HELLMANN, A. (Org.). Dicionário Crítico: Política de Assistência Social no Brasil. Porto Alegre: UFRGS, 2016. p. 300.

KUHN, M. F. Acolhimento. In: FERNANDES, R.M.C; HELLMANN, A. (Org.) Dicionário Crítico: Política de Assistência Social no Brasil. Porto Alegre: UFRGS, 2016. p. 15.

MARQUES, M. F. et al. O programa de proteção à criança: uma proposta interdisciplinar na assistência a criança em situação de violência. In: AZAMBUJA, M. R. F. de. et al. Violência sexual contra crianças e adolescentes. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 365-379.

MINAYO, M. C. S. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal a saúde. In: NJAINE, K. (Org.). Impactos da violência na saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2009, p. 21-.42

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Relatório Mundial da Saúde. Genebra: KRUG. E G (Ed.), 2002. Cap. I. Violência um problema mundial de saúde pública, p. 3-7. Disponível em: https://opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2019.

PEDUZZI, M. et al. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários.Revista da Escola de Enfermagem da UFSP. São Paulo, v. 47, n. 4, 2013, p. 977-983.

SCHERER, P. T.; AZEVEDO, V. O PET Saúde como experiência de educação na saúde e a busca pela Intertríade: intersetoralidade, interdisciplinaridade e integralidade. In: BELLINI, M. I. B.; SCHERER, P. T. (Orgs.). Intersetorialidade e Políticas Sociais: Educação na Saúde. Porto Alegre: PUCRS, 2016, p. 83-107.

A Serviço Social e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.