Banner Portal
A participação da família no processo de cuidado da criança hospitalizada
PDF

Palavras-chave

Família
Gênero
Hospitalização

Como Citar

MENEZES, Meirielle Soares de; MAIA, Ingrid Bezerra Costa. A participação da família no processo de cuidado da criança hospitalizada. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 19, p. e020005, 2020. DOI: 10.20396/sss.v19i0.8661082. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8661082. Acesso em: 18 jul. 2024.

Resumo

O adoecimento e a hospitalização de uma criança trazem inúmeras mudanças e requer um grande suporte familiar, pois esta é considerada essencial e apresenta significativa influência durante esse período. Com isso, o presente estudo teve como objetivo analisar a participação da família no processo de cuidado da criança hospitalizada. Para realizá-lo foi utilizado uma abordagem qualitativa, com oito entrevistas semiestruturadas, aplicadas na unidade de pediatria do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes – HM, em Fortaleza – Ceará. A coleta de dados ocorreu entre julho a outubro de 2019. Após transcritos, os dados foram analisados e discutidos. Definiram-se três categorias de análise: Mulheres Cuidadoras; Rede de apoio familiar e A importância da família no processo de cuidado. A análise mostrou que as mulheres são as principais cuidadoras das crianças, corroborando para a discussão das relações de gênero e seus desdobramentos. Destarte, conclui-se a necessidade do fortalecimento do vínculo familiar, visto a importância da participação da família durante a hospitalização e a criação de políticas públicas voltadas para ampliação da autonomia das mulheres.

https://doi.org/10.20396/sss.v19i0.8661082
PDF

Referências

ALVES, J. P.; Costa L. H. R. Mães que cuidam de filhos (as) com necessidades especiais em perspectiva de gênero. Revista Eletrônica Gestão & Saúde v. 05, n. 03, 2014; p.796-807.

ANJOS, C. O familiar acompanhante da criança e a equipe de enfermagem no centro de terapia intensiva pediátrico oncológico: um espaço de interação no cuidado de enfermagem. Dissertação (Mestrado em Ciências do Cuidado) – Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2015.

BARROS, A.; LEHFELD, N. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Makron Books. 2000.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266.

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ. Manual do Profissional Residente. Informações ético-político-pedagógicas sobre a residência integrada em saúde - RIS-ESP/CE Fortaleza, Ceará, 2019.

FAIRHURST, G.; PUTNAM, L. L. Organizações como construções discursivas, 2001.

GAÍVA, M. A. M.; SCOCHI, C. G. S. A participação da família no cuidado ao prematuro em UTI Neonatal. Revista Brasileira de Enfermagem, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v58n4/a12v58n4.pdf.

GIL, A. C. Entrevista. In: Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. SãoPaulo: Atlas, 2008. Disponível em: https://ayanrafael.files.wordpress.com/2011/08/gil-a-c-mc3a9todos-e-tc3a9cnicas-de-pesquisa-social.pdf.

GUEDES, O.S.; DAROS M.A. O cuidado como atribuição feminina: contribuições para um debate ético. Serviço Social em Revista, Londrina, v. 12, n.1, 122, p. 122-134, J. 2009.

JORGE, A. Família e hospitalização da Criança - (Re) Pensar o Cuidado em Enfermagem. Loures: Lusociência. 2004

JOSÉ FILHO, P. M. Pesquisa: contornos no processo educativo. In: JOSÉ FILHO, P. M; DALBÉRIO, O. (Org.). Desafios da pesquisa. Franca: UNESP - FHDSS, 2006. p.63-75.

MAFRA, S. C. T. A tarefa do cuidar e as expectativas sociais diante de um envelhecimento demográfico: a importância de ressignificar o papel da família. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, 2011. p. 353- 363. Disponível em: http://revista.unati.uerj.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S1809-98232011000200015&lng=pt.

MELO,E. M. O. P. et al. Envolvimento dos pais nos cuidados de saúde de crianças hospitalizadas.Revista Latino-Americana de Enfermagem [periódico na internet] 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n3/pt_0104-1169-rlae-22-03-00432.pdf.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: HUCITEC, 2014.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Editora Vozes Limitada, 2015.

MIOTO, R. C. Família; trabalho com família e Serviço Social. Serviço Social em Revista, Londrina, v. 12, n. 2, p. 163-176, jan./jun. 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5433/1679-4842.2010v12n2p163.

ONG OXFAM.Tempo de cuidar. ONU Mulheres, 2020. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/noticias/novo-relatorio-da-onu-mulheres-apresenta-uma-agenda-politica-para-acabar-com-a-desigualdade-de-genero-nas-familias/.

PUTNAM, L L.; FAIRHURST, GT (2001). Discourse analysis in organizations. In JABLIN, F. M.; PUTNAM, L. L. (Ed.). The new handbook of organizational communication (p. 78– 136). Thousand Oaks, CA: Sage Publications , 2001.

SILVEIRA, A. O. et al. Rede de apoio social familiar e a promoção do desenvolvimento infantil. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, v. 04, n. 1, p. 6-16. 2016. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/1528/1319

A Serviço Social e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.