A extensão universitária e a importância de processos participativos em saúde mental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v20i00.8665231

Palavras-chave:

Extensão comunitária, Relações comunidade–instituição, Serviços de saúde mental, Participação social

Resumo

Este estudo de abordagem qualitativa, elaborado com recursos metodológicos das pesquisas bibliográfica e documental, contempla os resultados de um projeto de extensão universitária empreendido no âmbito da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) no Distrito Federal, Brasil, no período de agosto de 2018 a dezembro de 2019. Nesse projeto, adotou-se o suporte conceitual da pesquisa-ação, a perspectiva metodológica compartilhada de atuação, composta por interação social e colaboração entre os distintos sujeitos envolvidos na ação extensionista, com ênfase no protagonismo e participação social de usuários da RAPS, seus familiares e profissionais de saúde. Na interpretação dos resultados da ação extensionista, foram realçados os significados políticos identificados na relação entre a atuação dos sujeitos envolvidos e suas vivências da vida cotidiana. Dessa maneira, a prática da extensão universitária pôde propiciar aos acadêmicos e profissionais de saúde, mobilizados pelo contato real com expressões da questão social e pela reflexão teórica, a democratização do saber e a formação com senso crítico e ético, com o objetivo de contribuir de modo mais qualificado para o fazer dos serviços de atenção em saúde mental. Aos usuários e familiares, a aproximação da prática da extensão se mostrou um importante incentivo para fortalecer o protagonismo nos espaços de atenção, cuidado e participação social na política pública de saúde mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreia Oliveira, Universidade de Brasília

Doutora em Serviço Social (PUC/SP) e Mestre em Saúde Púbica (UFSC). Docente do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade de Brasília (UnB), DF, Brasil. Assistente social.

Maria Aparecida Gussi, Universidade de Brasília

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília. Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade de Brasília. 

Muna Muhammad Odeh, Universidade de Brasília

Doutora em Educação  pela Universidade Federal de São Carlos. Docente do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília, DF, Brasil. Bióloga.

Fernanda Scalzavara, Universidade de Brasília

Doutoranda em Política Social pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade de Brasília. Assistente Social.

Ioneide de Oliveira Campos, Universidade de Brasília

Doutora em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília. Docente do curso de terapia ocupacional da Faculdade de Ceilândia da Universidade de Brasília (UnB), DF, Brasil. Terapeuta ocupacional.

Maria da Glória Lima, Universidade de Brasília

Doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo. Docente do Departamento de Enfermagem e do Programa de Pós Graduação em Bioética da Universidade de Brasília. Enfermeira.

Referências

AMARANTE, P. D. de. C.; TORRE, E. H. G. “De volta à cidade, sr. cidadão!” Reforma Psiquiátrica e participação social: do isolamento institucional ao movimento antimanicomial. Rev. Adm. Pública. Rio de Janeiro, n. 52, n. 6, p. 1090-1107, nov./dez. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003476122018000601090&lang=pt Acesso em: 17 fev. 2021.

ARAÚJO, R. S. de. Extensão popular: horizontes teórico-metodológicos para a condução do trabalho social universitário orientado pela educação popular. In: ARAÚJO, R. S. de; CRUZ, P. J. S. C. (Org). Educação popular e práticas sociais: Ação, processo formativo e construção do conhecimento Editora do CCTA, 2018. p. 49-99. Disponível em: http://www.ccm.ufpb.br/vepopsus/wp-content/uploads/2019/01/EDUCA%C3%87%C3%83O-POPULAR-E-PR%C3%81TICAS-SOCIAIS-Editora-do-CCTA-2018.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 86 p. (Série F. Comunicação e Educação em Saúde). Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf. Acesso em: 4 fev. 2021.

COSTA, D. F. C. da; PAULON, S. M. Participação Social e protagonismo em saúde mental: a insurgência de um coletivo. Saúde debate, v. 36, n. 95, p. 572-582, Rio de Janeiro, dez. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042012000400009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 17 fev. 2021.

COSTA, P. H. A. da.; MENDES, K. T. Contribuição à crítica da economia política da contrarreforma psiquiátrica brasileira. Argumentum, v. 12, n. 2, p. 44-59, Vitória, mai./ago. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/28943/21383. Acesso em: 17 fev. 2021.

FALS BORDA, O. Cómo investigar la realidad para transformarla. In: FALS BORDA, O. Una sociología sentipensante para América Latina. México, D.F.: Siglo XXI Editores; Buenos Aires: CLACSO, 2015. p. 253-6. Disponible en: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20151027053622/AntologiaFalsBorda.pdf. Acceso en: 23 feb. 2021.

FORPROEX. Fórum de Pró-Reitores das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária, Manaus-AM, maio de 2012. 68 p. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2015. Disponível em: https://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Extens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf. Acesso em: 15 jan. 2021.

FRAGA, L. S. Transferência de conhecimento e suas armadilhas na extensão universitária brasileira. Avaliação (Campinas), v. 22, n. 2, p. 403-419, Sorocaba, ago. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141440772017000200403&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 14 fev. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

MARTINELLI, M. L Reflexões sobre o Serviço Social e o projeto ético-político profissional. Emancipação, v. 6, n. 1, p. 9-26, Ponta Grossa, 2006. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/revista/15555/V/6. Acesso em: 17 fev. 2021.

MELO NETO, J. F. de. Extensão popular. 2. ed. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. 122 p. Disponível em: https://www.ufpb.br/redepopsaude/contents/biblioteca-1/extensao-popular/extensao-popular.pdf. Acesso em: 23 fev. 2021.

MATOS, A. R.; SERAPIONI, M. O desafio da participação cidadã nos sistemas de saúde do Sul da Europa: uma revisão da literatura. Cad. Saúde Pública, v. 33, n. 1, e00066716, Rio de Janeiro, jan. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017000102002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 16 fev. 2021.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

THIOLLENT, M. Construção do conhecimento e metodologia da extensão. Revista Cronos, v. 3, n. 2, p. 65-71, Natal-RN, jul/dez; 2002. [Publicado on line: 10 out. 2018]. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/15654/10730. Acesso em: 12 fev. 2021.

TOMMASINO, H; CANO, A. Modelos de extensión universitaria en las universidades latinoamericanas en el siglo XXI: tendencias y controversias. Universidades, n. 67, p. 7-24, Ciudad de México, enero/marzo 2016. Disponible en: https://www.redalyc.org/pdf/373/37344015003.pdf. Acesso en: 13 feb. 2021.

VASCONCELOS, E. M. Reforma Psiquiátrica, tempos sombrios e resistência: diálogos com o marxismo e o serviço social. Campinas: Papel Social, 2016.

VASCONCELOS, E. M. A gravidade do neoliberalismo radical pós 2008 e nossas estratégias de resistência. Argumentum, v. 12, n. 2, p. 47-66, Vitória, mai./ago. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/30483/21380. Acesso em: 17 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

OLIVEIRA, A.; GUSSI, M. A. .; ODEH, M. M. .; SCALZAVARA, F. .; CAMPOS, I. de O.; LIMA, M. da G. . A extensão universitária e a importância de processos participativos em saúde mental. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e021008, 2021. DOI: 10.20396/sss.v20i00.8665231. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8665231. Acesso em: 1 dez. 2022.