Banner Portal
A extensão universitária e a importância de processos participativos em saúde mental
PDF

Palavras-chave

Extensão comunitária
Relações comunidade–instituição
Serviços de saúde mental
Participação social

Como Citar

OLIVEIRA, Andreia; GUSSI, Maria Aparecida; ODEH, Muna Muhammad; SCALZAVARA, Fernanda; CAMPOS, Ioneide de Oliveira; LIMA, Maria da Glória. A extensão universitária e a importância de processos participativos em saúde mental. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e021008, 2021. DOI: 10.20396/sss.v20i00.8665231. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8665231. Acesso em: 20 abr. 2024.

Resumo

Este estudo de abordagem qualitativa, elaborado com recursos metodológicos das pesquisas bibliográfica e documental, contempla os resultados de um projeto de extensão universitária empreendido no âmbito da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) no Distrito Federal, Brasil, no período de agosto de 2018 a dezembro de 2019. Nesse projeto, adotou-se o suporte conceitual da pesquisa-ação, a perspectiva metodológica compartilhada de atuação, composta por interação social e colaboração entre os distintos sujeitos envolvidos na ação extensionista, com ênfase no protagonismo e participação social de usuários da RAPS, seus familiares e profissionais de saúde. Na interpretação dos resultados da ação extensionista, foram realçados os significados políticos identificados na relação entre a atuação dos sujeitos envolvidos e suas vivências da vida cotidiana. Dessa maneira, a prática da extensão universitária pôde propiciar aos acadêmicos e profissionais de saúde, mobilizados pelo contato real com expressões da questão social e pela reflexão teórica, a democratização do saber e a formação com senso crítico e ético, com o objetivo de contribuir de modo mais qualificado para o fazer dos serviços de atenção em saúde mental. Aos usuários e familiares, a aproximação da prática da extensão se mostrou um importante incentivo para fortalecer o protagonismo nos espaços de atenção, cuidado e participação social na política pública de saúde mental.

https://doi.org/10.20396/sss.v20i00.8665231
PDF

Referências

AMARANTE, P. D. de. C.; TORRE, E. H. G. “De volta à cidade, sr. cidadão!” Reforma Psiquiátrica e participação social: do isolamento institucional ao movimento antimanicomial. Rev. Adm. Pública. Rio de Janeiro, n. 52, n. 6, p. 1090-1107, nov./dez. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003476122018000601090&lang=pt Acesso em: 17 fev. 2021.

ARAÚJO, R. S. de. Extensão popular: horizontes teórico-metodológicos para a condução do trabalho social universitário orientado pela educação popular. In: ARAÚJO, R. S. de; CRUZ, P. J. S. C. (Org). Educação popular e práticas sociais: Ação, processo formativo e construção do conhecimento Editora do CCTA, 2018. p. 49-99. Disponível em: http://www.ccm.ufpb.br/vepopsus/wp-content/uploads/2019/01/EDUCA%C3%87%C3%83O-POPULAR-E-PR%C3%81TICAS-SOCIAIS-Editora-do-CCTA-2018.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 86 p. (Série F. Comunicação e Educação em Saúde). Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf. Acesso em: 4 fev. 2021.

COSTA, D. F. C. da; PAULON, S. M. Participação Social e protagonismo em saúde mental: a insurgência de um coletivo. Saúde debate, v. 36, n. 95, p. 572-582, Rio de Janeiro, dez. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042012000400009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 17 fev. 2021.

COSTA, P. H. A. da.; MENDES, K. T. Contribuição à crítica da economia política da contrarreforma psiquiátrica brasileira. Argumentum, v. 12, n. 2, p. 44-59, Vitória, mai./ago. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/28943/21383. Acesso em: 17 fev. 2021.

FALS BORDA, O. Cómo investigar la realidad para transformarla. In: FALS BORDA, O. Una sociología sentipensante para América Latina. México, D.F.: Siglo XXI Editores; Buenos Aires: CLACSO, 2015. p. 253-6. Disponible en: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20151027053622/AntologiaFalsBorda.pdf. Acceso en: 23 feb. 2021.

FORPROEX. Fórum de Pró-Reitores das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária, Manaus-AM, maio de 2012. 68 p. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2015. Disponível em: https://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Extens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf. Acesso em: 15 jan. 2021.

FRAGA, L. S. Transferência de conhecimento e suas armadilhas na extensão universitária brasileira. Avaliação (Campinas), v. 22, n. 2, p. 403-419, Sorocaba, ago. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141440772017000200403&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 14 fev. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

MARTINELLI, M. L Reflexões sobre o Serviço Social e o projeto ético-político profissional. Emancipação, v. 6, n. 1, p. 9-26, Ponta Grossa, 2006. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/revista/15555/V/6. Acesso em: 17 fev. 2021.

MELO NETO, J. F. de. Extensão popular. 2. ed. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. 122 p. Disponível em: https://www.ufpb.br/redepopsaude/contents/biblioteca-1/extensao-popular/extensao-popular.pdf. Acesso em: 23 fev. 2021.

MATOS, A. R.; SERAPIONI, M. O desafio da participação cidadã nos sistemas de saúde do Sul da Europa: uma revisão da literatura. Cad. Saúde Pública, v. 33, n. 1, e00066716, Rio de Janeiro, jan. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017000102002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 16 fev. 2021.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

THIOLLENT, M. Construção do conhecimento e metodologia da extensão. Revista Cronos, v. 3, n. 2, p. 65-71, Natal-RN, jul/dez; 2002. [Publicado on line: 10 out. 2018]. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/15654/10730. Acesso em: 12 fev. 2021.

TOMMASINO, H; CANO, A. Modelos de extensión universitaria en las universidades latinoamericanas en el siglo XXI: tendencias y controversias. Universidades, n. 67, p. 7-24, Ciudad de México, enero/marzo 2016. Disponible en: https://www.redalyc.org/pdf/373/37344015003.pdf. Acesso en: 13 feb. 2021.

VASCONCELOS, E. M. Reforma Psiquiátrica, tempos sombrios e resistência: diálogos com o marxismo e o serviço social. Campinas: Papel Social, 2016.

VASCONCELOS, E. M. A gravidade do neoliberalismo radical pós 2008 e nossas estratégias de resistência. Argumentum, v. 12, n. 2, p. 47-66, Vitória, mai./ago. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/30483/21380. Acesso em: 17 fev. 2021.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Serviço Social e Saúde

Downloads

Não há dados estatísticos.