Banner Portal
Processos de trabalho coletivo em saúde e o trabalho do/a assistente social
PDF

Palavras-chave

Educação interprofissional
Política de saúde
Serviço social
Saúde da criança

Como Citar

FAGUNDES, Anderson da Silva; WÜNSCH, Dolores Sanches. Processos de trabalho coletivo em saúde e o trabalho do/a assistente social: os fios (in)visíveis que materializam o conceito ampliado de saúde. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 19, p. e020009, 2021. DOI: 10.20396/sss.v19i0.8665367. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8665367. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

Este artigo demonstra o que particulariza o trabalho do/a assistente social nos processos de trabalho da internação hospitalar pediátrica e sua contribuição para o fortalecimento da atenção integral em saúde. O estudo é resultado de uma pesquisa de natureza qualitativa com a participação de profissionais residentes em saúde de um hospital de alta complexidade do Sul do Brasil. Os resultados apontam para a caracterização de demandas e necessidades em saúde no atendimento de usuários com doenças crônicas e os desafios e potencialidades do trabalho coletivo em saúde. Neste cenário, constatam-se as particularidades do trabalho do/a assistente social e evidencia-se que sua inserção nas equipes de saúde garante visibilidade à realidade social da população. Deste modo, verifica-se a centralidade do trabalho interprofissional para a materialização do conceito ampliado de saúde, constituindo uma potencialidade para a produção do cuidado. Conclui-se que o trabalho em saúde possui uma dimensão coletiva que se concretiza pela articulação dos saberes entre as profissões, permitindo atender as demandas e necessidades dos usuários na perspectiva da integralidade, em que o trabalho do/a assistente social assume centralidade.

https://doi.org/10.20396/sss.v19i0.8665367
PDF

Referências

AYRES, J. R. C. M. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, Dina; FREITAS, Carlos Machado (Orgs.). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009a. p. 121-143.

AYRES, J. R. C. M. Organização das ações de Atenção à Saúde: modelos e práticas. Saúde Soc., v. 18, n. 2, p. 11-23, 2009b.

BARR, Hugh; LOW, Helena. Introdução à educação interprofissional. Reino Unido: CAIPE, 2013.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 set. 1990.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRAVO, M. I. S. Política de Saúde no Brasil. In: MOTA, A. E. et al. (Orgs.). Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. 4. ed. Brasília: Cortez, 2009. p. 88-110.

BORGHI, C. M. S. O.; OLIVEIRA, R. M.; SEVALHO, G. Determinação ou determinantes sociais da saúde: texto e contexto na América Latina. Trabalho, Educação e Saúde, v. 16, n. 3, p. 869-897, set./dez. 2018.

BUSS, P. M.; PELLEGRINI FILHO, A. A Saúde e seus Determinantes Sociais. Physis: Revista Saúde Coletiva, v. 17, n. 1, p. 77-93, 2007.

CECILIO, L. C. O. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A (Orgs.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ, 2006. p. 117-130.

COSTA, M. D. H. O trabalho nos Serviços de Saúde e a Inserção dos(as) Assistentes Sociais. In: MOTA, A. E. et al. (Orgs). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2009.

COUTO, M. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FURTADO, J. P. Equipes de referência: arranjo institucional para potencializar a colaboração entre disciplinas e profissões. Interface (Botucatu), v. 11, n. 22, p. 239-255, 2007.

GONZÁLEZ, R.; LÓPEZ-HERCE, J. Mortality of patients with chronic disease: an increasing problem. Jornal de Pediatria, v. 95, n. 6, p. 625-627, 2019

GRISCI, C. L. I. Trabalho em equipe. In: CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. (Orgs.). Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: Zouk, 2011.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2015.

IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

LUKÁCS, G. Existencialismo ou marxismo. São Paulo: Senzala, 1967.

MARTINELLI, M. L. Reflexões sobre o Serviço Social e o projeto ético-político profissional. Emancipação, v. 6, n. 1, p. 9-23, 2006.

MATOS, M. C. Assessoria, consultoria, auditoria, supervisão técnica. In: CFESS; ABEPSS. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CEAD/UnB, 2009, p. 513-539.

NICOLAU, M. C. C. O aprender do fazer: Serviço Social, trabalho profissional, formação e representações sociais. Natal: EDUFRN, 2005.

OLIVEIRA, P. A. B. Trabalho prescrito e trabalho real. In: CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. (Orgs.). Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: Zouk, 2011.

PEDUZZI, M. et al. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Revista Da Escola de Enfermagem, v. 47, n. 4, p. 973-979, 2013.

PEREIRA, P. A. P. Política Social: temas e questões. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PEREIRA, P. A. P. Necessidades Humanas: subsídios à crítica dos mínimos sociais. 6.ed.

São Paulo: Cortez, 2011b.

PONTES, R. N. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1995.

PORTO, M. F. S.; PIVETTA, F. Por uma promoção da saúde emancipatória em territórios urbanos vulneráveis. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. (Orgs.). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009. p. 207-229.

RAMOS, A.; FORTI, V. Contribuições à discussão do trabalho do assistente social

na área da saúde: projeto profissional crítico e algumas demandas recorrentes. In: RAMOS, A.; FORTI, V. (Orgs.). Serviço Social e política de saúde: ensaios sobre trabalho e formação profissionais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2018.

VASCONCELOS, A. M. Relação Teoria/Prática: o processo de assessoria/consultoria e o Serviço Social. Serviço Social e Sociedade, n. 56, 1998.

VIEIRA, E. A. A república brasileira: de Getúlio a Lula (1951 – 2010). São Paulo: Cortez, 2015.

WÜNSCH, D. S.; MENDES, J. M. R. Os elementos constitutivos do Processo de Trabalho. In: LEWGOY, A. M. B.; CARLOS, S. A. Supervisão de estágio em Serviço Social: uma perspectiva de formação permanente. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2016.

YAZBEK, M. C. Classes subalternas e assistência social. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Serviço Social & Saúde

Downloads

Não há dados estatísticos.