Gestão de alta hospitalar em Cuidados Continuados Integrados (CCI)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v19i0.8665386

Palavras-chave:

Gestão hospitalar, Alta hospitalar, Cuidados continuados, Equipe Interdisciplinar de saúde

Resumo

O tema deste estudo refere à gestão de alta hospitalar em Cuidados Continuados Integrados (CCI). O programa CCI tem o objetivo de atender pessoas que apresentem dependência funcional potencialmente susceptível de recuperação, por meio de uma abordagem integral que contemple as necessidades físicas, psíquicas, emocionais e sociais. A escolha pelo tema surgiu no período da Residência Multiprofissional em Saúde no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul. O objetivo do trabalho é analisar o processo de gestão de alta hospitalar para a unidade CCI do Hospital São Julião a partir das entrevistas com os profissionais que compõem as Equipes de Gestão de Alta (EGAs) dos três (3) hospitais de alta complexidade que encaminham usuários para a unidade CCI. A metodologia utilizada foi do tipo qualitativo, a partir de entrevistas individuais com questões objetivas e outras abertas. Os sujeitos foram os profissionais de: Serviço Social, Medicina e Enfermagem que compõem as EGAs. Os dados foram organizados e analisados por meio da técnica de análise de conteúdo. Foram evidenciados três (3) eixos temáticos de discussão, sendo verificado que o fluxo de sinalização dos usuários é equivalente entre as EGAs e que os critérios utilizados para encaminhamento para o CCI podem ser conflituosos com os princípios do SUS. Nesse sentido, os trabalhadores em saúde possuem papel fundamental visando trazer em cena a defesa do SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscilla Fernandes Fagundes, Instituto de Ensino, Pesquisa e Diagnóstico da APAE de Campo Grande

Assistente Social. Pós-graduada em Cuidados Continuados Integrados/UFMS e Intensivismo/UNIDERP. 

Estela Márcia Rondina Scandola, Escola Saúde Pública do Mato Grosso do Sul

Assistente Social. Doutora em Serviço Social. Mestre em Saúde Coletiva. Escola Saúde Pública do Mato Grosso do Sul.

Keila Regina de Oliveira, Hospital Regional de Mato Grosso do Sul

Assistente Social no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, Coordenadoria de Gestão do Trabalho. 

Referências

ALVARENGA, A. F. O Projeto Piloto para Implantação dos Cuidados Continuados Integrados. In: DOBASHI, B. F. (Org.). Tecendo Redes na Saúde para Ampliar o Cuidado. Campo Grande – MS. 2014.

ARAÚJO, A. A.; BRITO, A. M.; NOVAES, M. Saúde e Autonomia: Novos conceitos são necessários? Revista Bioética. 16, n. 1, p. 117 – 124, 2008.

BRASIL. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. CNES. Brasília, DF. 2008.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília DF. 1988.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o fundamento dos serviços correspondentes, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 set. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde / Ministério da Saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 9 p. (Série E. Legislação de Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente (PNEPS). Trabalho, educação e qualificação. Brasília, DF. 2013 - 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.395, de 11 de outubro de 2011. Organiza o componente hospitalar da rede de atenção às urgências e emergências. Brasília, DF. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.809 de 7 de dezembro de 2012. Organização dos Cuidados Prolongados para retaguarda à rede de atenção as urgências e emergências. BRASÍLIA. DF, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3390, de 30 de dezembro de 2013. Institui a Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS); Brasília, DF, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – PCDT. Protocolos e Diretrizes. 2013 - 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprovar as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília. DF. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Manual de implantação e implementação: Núcleo Interno de Regulação para Hospitais Gerais e Especializados [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Política Nacional de Humanização. PNH. HumanizaSUS. Cartilha, 2013.

CAMPOS, R. T. O; CAMPOS, G. W. S. Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. Tratado de Saúde Coletiva; Editora Hucitec. 2006.

CARRARA, P.; DOLZ, M. Projeto: Implantação de Experiências de Cuidados Continuados no Estado de Mato Grosso do Sul. 2013. [Não Publicado].

CARVALHO, M. I. L. B. Política de saúde e de cuidados continuados integrados em Portugal. O planeamento da alta em Serviço Social. Rev. Katál., Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 261-271, jul./dez. 2014.

CFESS. Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde. [Brasília]: Conselho Federal de Serviço Social, 2010.

DOLZa, Montserrat. Preparação de Altas. Hospital Samaritano. CEALAG. GESAWORLD. SES. 2013 [Não Publicado].

DOLZb, Montserrat. Tipologias de Pacientes e Critérios de Admissão. Hospital Samaritano. GESAWORDL. SES. 2013 [Não Publicado].

DOMINGUES, M. A. R. C; ORDONEZ, T. N; SILVA, T. B. L; NAGAI, P. A; BARROS, T. C; TORRES, M. J. Revisão sistemática de instrumentos de avaliação de rede de suporte social para idosos. Revista Temática Kairós Gerontologia, v. 15, n. 6, p. 333-354, 2012.

GARDONA, R. G. B, BARBOSA, D. A. A importância da prática clínica apoiada em ferramentas de avaliação. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. v. 71, n. 4, p. 1815, 2018.

HADAD, A. C. A. C; JORGE, A. O. Continuidade do cuidado em rede e os movimentos de redes vivas nas trajetórias do usuário-guia. Rio de Janeiro, v. 42, n. especial 4, p. 198-210, Dez, 2018.

HOSPITAL SÃO JULIÃO. HSJ. Protocolo para Prevenção e Precauções contra Infecções Hospitalares. Campo Grande. 2015-2016 [Não Publicado].

HOSPITAL SÃO JULIÃO. HSJ. Protocolo do Serviço de Cuidados Continuados Integrados – CCI. Campo Grande, 2017 [Não Publicado].

LIMA, W. C. B; SCANDOLA, E. M. R. Os Impactos Financeiros na Vida dos Familiares Durante a Internação na Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI). Rev. Saúde Pública de Mato Grosso do Sul. v. 1, n. 1, p. 37-47, 2018.

MENDES, E. M. As Redes de Atenção à Saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2011.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 28. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

OLIVEIRA, L. G. Contributos do Serviço Social no Acolhimento, Acompanhamento e Preparação da Alta de Doentes Internados em Unidades de Cuidados Continuados Integrados. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Fernando Pessoa. 2016.

PORTUGAL. Decreto-Lei nº 101, de 06 de Junho de 2006. Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Portugal. 2006.

RIBEIRO, G. A.; SCANDOLA, E. M. R. Relação Entre Construção da Autonomia e da Independência Funcional do Sujeito de Ambiente Hospitalar a partir da Ação da Fisioterapia: Uma Revisão de Literatura. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS, 2017, Campo Grande. Anais do XIV Congresso Internacional dos Direitos Humanos. 2017.

SILVA, C. T; TERRA, M. G; KRUSE, M. H. L; CAMPONOGARA, S; XAVIER, M. da S. Residência Multiprofissional como Espaço Intercessor para a Educação Permanente em Saúde. Texto Contexto Enfermagem, v. 25, n. 1, 2016, p.1-9.

WERNECK, M. A. F; FARIA, H. P; CAMPOS, K. F. C. Protocolos de Cuidado à Saúde e de Organização do Serviço. Belo Horizonte: NESCON/UFMG, COOPMED, 2009.

Downloads

Publicado

2021-04-25

Como Citar

FAGUNDES, P. F. .; SCANDOLA, E. M. R. .; OLIVEIRA, K. R. de . Gestão de alta hospitalar em Cuidados Continuados Integrados (CCI). Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 19, p. e020010, 2021. DOI: 10.20396/sss.v19i0.8665386. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8665386. Acesso em: 19 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)