Banner Portal
Trabalho emocional e significados do feminino no empreendedorismo contemporâneo
PDF

Palavras-chave

Gênero
Maternidade
Trabalho emocional
Self
Empreendedorismo

Como Citar

MAIA, M. M. . Trabalho emocional e significados do feminino no empreendedorismo contemporâneo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 64, p. e226403, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8668844. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Este artigo trata da atividade empreendedora realizada por mulheres dos estratos socioeconômicos médios que recorrem a uma organização intermediadora associada a uma grande empresa de tecnologia. Reflete-se sobre como o trabalho emocional e as formas de apresentação social são mobilizadas nessa organização. Suportado por observações etnográficas e entrevistas, o artigo revela como emoções, trabalho, extratrabalho e sentidos atribuídos ao feminino se conectam no empreendedorismo contemporâneo.

PDF

Referências

ABSTARTUPS. Mapeamento da comunidade. Abstartups, São Paulo, 2020. https://abstartups.com.br/comunidades. Acesso em: 20 nov 2020.

ARAUJO, Angela; LOMBARDI, Maria Rosa. Trabalho informal, gênero e raça no Brasil do início do século XXI. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 149, São Paulo, 2013, pp.452-477. https://doi.org/10.1590/S0100-15742013000200005. Acesso em: 08 ago 2019.

ARAUJO, Anna Bárbara. Gênero, reciprocidade e mercado no cuidado de idosos. Revista Estudos Feministas, v. 27, n. 1, Florianópolis, 2019, e45553. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n145553. Acesso em: 04 jun 2020.

BANDELJ, Nina. Emotions in economic action and interaction. Theory and Society, v. 38, n. 4, 2009, pp.347–366. https://doi.org/10.1007/s11186-009-9088-2. Acesso em: 05 fev 2019.

BECKERT, Jens. Imagined futures: fictional expectations in the economy. Theory and Society, v. 42, 2013, pp.219-240. https://doi.org/10.1007/s11186-013-9191-2. Acesso em:14 nov 2019.

BILAC, Elisabete. Trabalho e família: Articulações possíveis. Tempo social, v. .26, n. 1, São Paulo, 2014, pp.129-145. https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/84984. Acesso em: 10 set 2019.

BRIDI, Maria Aparecida; MOTIM, Benilde. Trabalho e trabalhadores na indústria de informática. Contemporânea, v. 4, São Carlos, UFSCar, 2014, pp.351-380. https://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/238. Acesso em:15 jun 2019.

BRUSCHINI, Cristina. Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não-remunerado? Revista Brasileira de Estudos de População, v. 23, n. 2, São Paulo, 2006, pp.331-353. https://doi.org/10.1590/S0102-30982006000200009. Acesso em: 22 mar 2019.

CASTRO, Bárbara. Feminizando chefias? Uma análise da dinâmica da divisão sexual do trabalho no setor de TI. Revista da ABET, v. 17, n. 1, João Pessoa, 2018, pp.16-27. https://doi.org/10.22478/ufpb.1676-4439.2018v17n1.41161. Acesso em:14 nov 2019.

COLLIN, Françoise; LABORIE, Françoise. Maternidade. In: HIRATA, Helena et alii. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo, Editora UNESP, 2009, pp.133-38.

CORNWALL, Andrea. Além do ‘Empoderamento Light’: empoderamento feminino, desenvolvimento neoliberal e justiça global. cadernos pagu (52), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2018, e185202. https://doi.org/10.1590/18094449201800520002. Acesso em: 23 out 2019.

DAYAN-HERZBRUN, Sonia. Production du sentiment amoureux et travail des femmes. Cahiers Internationaux de Sociologie, v. 72, Paris, 1982, pp.113–130.

DELPHY, Christine; LEONARD, Diana. Familiar exploitation: a new analysis of marriage in contemporary western societies. Cambridge, Polity Press, 1992.

FLIGSTEIN, Neil. Social skill and the theory of fields. Sociological Theory, v. 19, n. 2, 2001, pp. 105–25. https://doi.org/10.1111/0735-2751.00132. Acesso em:10 jul 2019.

FOLBRE, Nancy; NELSON, Julie. For Love or Money - Or Both?. The Journal of Economic Perspectives, Pittsburgh, v. 14, n. 4, 2000, pp.123-140. https://www.aeaweb.org/articles?id=10.1257/jep.14.4.123. Acesso em:19 jan 2019.

GOFFMAN, Erving, A Representação do Eu na Vida Cotidiana. 10 ed. Petrópolis, Editora Vozes, 2002.

GOFFMAN, Erving. Gender advertisements. New York, Harper Publishers, 1987.

GOOGLE. Google Diversity Annual Report, 2019. https://bit.ly/2BF395r. Acesso em: 28 jul. 2020.

GUEDES, Moema; ARAÚJO, Clara. Desigualdades de gênero, família e trabalho: mudanças e permanências no cenário brasileiro. Revista Gênero, v.12, Niterói, 2011, pp.61-79. https://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/31130. Acesso em: 17 mar 2019.

GUILBERT, Madeleine; ISAMBERT-JAMATI, Viviane. A distribuição por sexo. In: FRIEDMANN, Georges; NAVILLE, Pierre (Org.) Tratado de Sociologia do Trabalho. São Paulo, Cultrix, 1973, pp.304-322.

GUIMARÃES, Nadya. Casa e mercado, amor e trabalho, natureza e profissão: controvérsias sobre o processo de mercantilização do trabalho de cuidado. cadernos pagu (46), Campinas, SP, Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2016, pp.59-77. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645358. Acesso em: 19 maio 2019.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Paradigmas sociológicos revistos à luz da categoria de gênero: que renovação aporta a epistemologia do trabalho. Revista Novos Cadernos NAEA, v. 11, n. 1, Belém, 2008, pp.39-50. http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v11i1.262. Acesso em: 18 jan 2019.

HIRATA, Helena. Travail et affects. Les ressorts de la servitude domestique. Travailler, n. 8, Paris, 2002, pp.13-26.

HOCHSCHILD, Arlie. The outsource self: what happens when we pay others to live our lives for us. New York, Metropolitan Books, 2012.

HOCHSCHILD, Arlie. The managed heart: commercialization of human feeling. Berkeley, University of California Press, 1983.

HOCHSCHILD, Arlie. Emotion work, feeling rules, and social structure. American Journal of Sociology, Chicago, v. 85, n. 3, 1979, pp.551-575. http://www.jstor.org/stable/2778583. Acesso em: 10 abr. 2019.

IBGE - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Anual, 2020a. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnadca/tabelas. Acesso em: 20 nov. 2020.

IBGE - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Pesquisa Básica, 2020b. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnad/geral/pesquisa-basica. Acesso em: 20 nov. 2020.

ILLOUZ, Eva. Cold intimacies: the making of emotional capitalism. Cambridge, Polity Press, 2007.

KERGOAT, Danièle. A relação social de sexo da reprodução das relações sociais à sua subversão. Pro-Posições, v. 13, n. 1, Campinas, 2016, pp.47-59.

LEITE, Elaine; MELO, Natália. Uma nova noção de empresário: a naturalização do empreendedor. Revista de Sociologia e Política, v. 16, n. 31, Curitiba, 2008, pp.35-47. https://doi.org/10.1590/S0104-44782008000200005. Acesso em: 07 jul 2019.

LEITE, Marcia; GUIMARÃES, Pilar. Tudo muda, nada muda: as implicações do uso das tecnologias de informação sobre o trabalho das mulheres no setor eletroeletrônico. cadernos pagu (44), Campinas, SP, Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2015, pp.333-366. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8637377 . Acesso em: 16 maio 2019.

LEITE, Marcia. O trabalho e suas reconfigurações: conceitos e realidades. In: LEITE, Marcia; ARAÚJO, Angela (Org.). O trabalho reconfigurado: ensaios sobre Brasil e México. São Paulo, Annablume, Fapesp, 2009, pp.67-94.

LIMA, Jacob; OLIVEIRA, Daniela. Trabalhadores digitais: as novas ocupações no trabalho informacional. Sociedade e Estado, v. 32, n. 1, Brasília, 2017, pp.115-143. https://doi.org/10.1590/s0102-69922017.3201006. Acesso em: 18 jun 2019.

LIMA, Jacob. Participação, empreendedorismo e autogestão: uma nova cultura do trabalho? Sociologias, v. 12, n. 25, Porto Alegre, 2010, pp.158-198. https://doi.org/10.1590/S1517-45222010000300007. Acesso em: 21 out 2019.

LOBO, Elisabeth. A prática invisível das operárias. In: KARTCHEVSKY-BULPORT, Andrée. O Sexo do trabalho. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1986.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. Da informalidade à empregabilidade: reorganizando a dominação no mundo do trabalho. Caderno CRH, v. 15, n. 37, Salvador, 2002, pp.81-109. https://periodicos.ufba.br/index.php/crh/article/view/18603. Acesso em: 25 jul 2019.

MATHIEU, Nicole-Claude; SHERIDAN-SMITH, Alan. Notes toward a Sociological Definition of Sex Categories. International Journal of Sociology, v. 5, n. 4, London, 1975, pp.14-38. https://doi.org/10.1080/15579336.1975.11769626. Acesso em: 20 out 2019.

MELO, Hildete; CASTILHO, Marta. Trabalho reprodutivo no Brasil: quem faz?. Revista de Economia Contemporânea, v.13, n.1, Rio de Janeiro, 2009, pp.135-158. https://doi.org/10.1590/S1415-98482009000100006. Acesso em: 27 nov 2019.

MORENO, Renata. Entre a família, o Estado e o mercado: mudanças e continuidades na dinâmica, distribuição e composição do trabalho doméstico e de cuidado. Tese (Doutorado em Sociologia), FFLCH, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2019.

OLIVEIRA, Roberto; RAMALHO, José; ROSENFIELD, Cinara. A Sociologia do Trabalho e suas interfaces: trajetória e tendências atuais. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, n. 90, São Paulo, 2019, pp.1-28. https://bibanpocs.emnuvens.com.br/revista/article/view/486. Acesso em: 20 fev 2020.

PIERCE, Jennifer. Gender trials: emotional lives in contemporary law firms. Berkeley, University of California Press, 1996.

PRANDI, Reginaldo. O trabalhador por conta própria sob o capital. São Paulo, Símbolo, 1978.

REZENDE, Claudia. Um estado emotivo: representação da gravidez na mídia. cadernos pagu (36), Campinas, SP, Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2011, pp.315-344. https://doi.org/10.1590/S0104-83332011000100012. Acesso em: 19 set 2019.

RIDGEWAY, Cecilia. Framed by gender: how gender inequality persists in the modern world. New York, Oxford University Press, 2011.

RIZEK, Cibele; LEITE, Márcia. Dimensões e representações do trabalho fabril feminino. cadernos pagu (10), Campinas, SP, Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 1998, pp.281-307. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/4444569 . Acesso em: 20 nov 2019.

RODRIGUES, Arakcy. Operário, operária. São Paulo, Símbolo, 1978.

ROSENFIELD, Cinara. Autoempreendedorismo: forma emergente de inserção social pelo trabalho. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 30, n. 89, São Paulo, 2015, pp.115-128. https://doi.org/10.17666/3089115-128/2015. Acesso em: 20 nov 2019.

SAFFIOTI, Heleieth. A Mulher na Sociedade de Classes. Mito e Realidade. São Paulo, Livraria Quatro Artes Editora, 1969.

SOARES, Angelo. As emoções do care. In: HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya (org.). Cuidado e cuidadoras: as várias faces do care. São Paulo, Atlas, 2012, pp.44-60.

SOARES, Angelo. Tão longe, tão perto: o trabalho no setor de serviços. Revista Latino-americana de estudos do trabalho, a. 16, n. 26, Rio de Janeiro, 2011, pp.89-117. http://www.angelosoares.ca/articles/aac/Tao_longe_tao_perto.pdf. Acesso em: ago 2020.

SOARES, Cristiane. A distribuição do tempo dedicado aos afazeres domésticos entre homens e mulheres no âmbito da família. Revista Gênero, v. 9, n. 1, Niterói, 2008, pp.9-29. https://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/30951. Acesso em: 23 set 2019.

SORJ, Bila; FONTES, Adriana; MACHADO, Danielle. Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil. cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, São Paulo, 2007, pp.573-594 https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300004 . Acesso em: 10 jan 2020.

SORJ, Bila. O feminino como metáfora da natureza. Revista Estudos Feministas, v. 0, n. 0, Florianópolis, 1992, pp.143-150 https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/15806. Acesso em: 03 nov. 2019.

WASSER, Nicolas. The promise of diversity: how Brazilian brand capitalism affects precarious identities and work. Bielefeld, Transcript, 2017.

ZELIZER, Viviana. How I became a relational economic sociologist and what does that mean? Politics & Society, v. 40, n. 2, 2012, pp.145–174 https://doi.org/10.1177/0032329212441591. Acesso em: 09 dez 2019.

ZELIZER, Viviana. The Purchase of Intimacy. Law & Social Inquiry, v. 25, n. 3, 2000, pp.817–848 [http://www.jstor.org/stable/829137. Acesso em: 14 set. 2019.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Marcel Maggion Maia

Downloads

Não há dados estatísticos.