Voice (a)symmetries and innovative participles in brazilian portuguese

Autores

  • Ana Paula Scher Universidade de São Paulo
  • Marcus Vinicius Lunguinho Universidade de Brasília
  • Aline Garcia Rodero-Takahira Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v56i1.8636524

Palavras-chave:

Particípios inovadores. Sentenças passivas. Morfologia distribuída.

Resumo

Neste trabalho, descrevemos o uso de particípios inovadores em sentenças passivas do Português do Brasil e procuramos responder a seguinte questão: o que está acontecendo na gramática dos particípios inovadores que torna sua ocorrência possível no contexto de sentenças passivas? Com base em Scher, Lunguinho e Rodero-Takahira (2013), que trata da distribuição de particípios regulares e inovadores em contextos ativos e passivos em termos dos traços [PERF] e [PASS], mostramos que tal análise também explica a ocorrência de formas inovadoras em sentenças passivas. Reexaminamos a ideia de que particípios inovadores não ocorrem no contexto do traço [PASS] e apresentamos novos dados que confirmam a propagação do uso da forma inovadora nesse ambiente, propondo, ainda, um refinamento para os itens de vocabulário /d/ e Ø, que dá conta desses novos dados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Scher, Universidade de São Paulo

Ana Paula possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1988), mestrado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Realizou estágios pós-doutorais na University of Calgary (2006) e na University College London (2011-2012). É professora doutora da Universidade de São Paulo desde 1998 e foi bolsista de Pesquisa do CNPq, nível 2 (2014-1017). Atualmente, desenvolve pesquisa de Pós-doutorado na Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Gramática, pesquisando, principalmente, dentro do paradigma da Gramática Gerativa, em particular, da Morfologia Distribuída. Interessa-se pelas interfaces que a morfologia faz com a sintaxe, a fonologia e a semântica. Dentro dessas interfaces, pesquisa os fenômenos relacionados à estrutura argumental e sincretismo, bem como à derivação de nomes deverbais não afixais, particípios inovadores, formas truncadas e adjetivos com uso adverbial.

Marcus Vinicius Lunguinho, Universidade de Brasília

Graduado em Letras - Língua Portuguesa e respectiva literatura - pela Universidade de Brasília (1998-2002) com Mestrado em Linguística também pela Universidade de Brasília (2005). Doutor em Linguística pela Universidade de São Paulo (2011). Durante o Doutorado foi visiting student no Department of Linguistics and Philosophy do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Atualmente é professor do Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas da Universidade de Brasília. 

Aline Garcia Rodero-Takahira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Possui bacharelado em Letras com habilitação em Tradutor e Intérprete Inglês/ Português e Licenciatura Plena Inglês/Português pelo Centro Universitário Ibero-Americano (UNIBERO) (2004). É Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-graduação do Departamento de Linguística da Universidade de São Paulo (USP) (2010) e Doutora em Linguística pelo mesmo programa (2015). É membro do Grupo de Estudos em Morfologia Distribuída (GREMD) da USP desde 2006/1 e do Grupo de Estudos Linguísticos da Libras (GELLI) na UFJF desde 2014/2. É professora e coordenadora do curso de Letras-Libras na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). 

Referências

ALCÂNTARA, Cíntia da Costa. 2003. As classes formais do português e sua constituição: um estudo à luz da teoria da morfologia distribuída. Phd dissertation, Pontifícia universidade Católica do rio grande do Sul, Porto Alegre.

ALCÂNTARA, Cíntia da Costa. 2010. As classes formais do português brasileiro. Letras de Hoje 45(1): 5-15.

HALLE, Morris and Alec Marantz. 1993. Distributed Morphology and the pieces of inflection. In The View from Building 20: Essays in Linguistics in Honor of Sylvain Bromberger, ed. ken hale and Samuel Jay keyser, 111-176. Cambridge, MA: MiT Press.

HARRIS, James W. 1999. Nasal depalatalization no, morphological well formedness sí; the structure of Spanish word classes. in MIT Working Papers in Linguistics volume 33: Papers on Morphology and Syntax, Cycle One, ed. Karlos Arregi, Benjamin Bruening, Cornelia krause, and Vivian lin, 47-82. Cambridge, MA: MiT Working Papers in linguistics.

IPPOLITO, Michela. 1999. On the past participle morphology in italian. in MIT Working Papers in Linguistics volume 33: Papers on Morphology and Syntax, Cycle One, ed. Karlos Arregi, Benjamin Bruening, Cornelia krause, and Vivian lin, 111-137. Cambridge, MA: MIT Working Papers in linguistics.

MEDEIROS, Alessandro B. 2008. Traços morfossintáticos e subespecificação morfológica na gramática do português: um estudo das formas participiais. Phd dissertation, universidade Federal do rio de Janeiro, rio de Janeiro.

OLTRA-MASSUET, isabel. 1999. On the notion of theme vowel: a new approach to Catalan verbal morphology. MA Thesis, MiT, Cambridge, MA.

SCHER, Ana Paula. 2012a. Truncated forms in Brazilian Portuguese: evidence for a localist approach to grammar. (in preparation).

SCHER, Ana Paula. 2012b. Truncated nominals and non-verbal subclasses in Brazilian Portuguese. (in preparation).

SCHER, Ana Paula, Marcus Vinicius Lunguinho, and Aline Garcia Rodero-Takahira. 2013. innovative participles in Brazilian Portuguese. Revista Linguíʃtica 9(1): 92-111.

Downloads

Publicado

2014-06-24

Como Citar

SCHER, A. P.; LUNGUINHO, M. V.; RODERO-TAKAHIRA, A. G. Voice (a)symmetries and innovative participles in brazilian portuguese. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 56, n. 1, p. 45–64, 2014. DOI: 10.20396/cel.v56i1.8636524. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636524. Acesso em: 20 jan. 2022.