A Alomorfia dos nomes Agentivos terminados em -Dor/-Or em Português

Autores

  • Magnun Rochel Madruga Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v56i1.8636525

Palavras-chave:

Alomorfia. Agentivos. Morfologia Distribuída.

Resumo

Este trabalho discute a múltipla alomorfia presente na formação de nomes agentivos em português com terminações em dor, or, tor, sor, zor.  A alomorfia dos agentivos é uma questão aberta na literatura e os trabalhos desenvolvidos preocuparam-se com as questões semânticas e aspectuais. Para tratar da alomorfia em específico, elaborou-se um experimento em que 15 participantes tinha de gera um novo agentivo a partir de  logatomas verbais em suas formas infintivas e de particípio apresentados em uma sentença. Os resultados sugerem que a formação de nomes agentivos tem como base uma raiz e o tema verbal. Quando -dor é concatenado ao tema verbal o alomorfe –dor é superficializado; quando -dor  é adjungido à raiz, este, em função do Princípio do Contorno Obrigatório, superficializa-se como  -or. À luz da Morfologia Distribuída, propõe-se que os sufixos alomorfes desse tipo de agentivos em português sejam apenas -dor e -or.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magnun Rochel Madruga, Universidade Estadual de Campinas

É licenciado em Letras pela Universidade Católica de Pelotas (UCPEL) e mestre em Letras - ênfase em Linguística Aplicada - pela mesma universidade. É doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atuou como professor-tutor nos curso de Letras/Espanhol do ensino a distância (2010-2011) na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) e também como professor substituto dos curso de Letras e Jornalismo da mesma universidade (2011-2012).

Referências

ARAD, Maya. Locality constraints on the interpretation of roots: the case of Hebrew denominal verbs. Natural Language and Linguistic Theory 21 (4): 737-78, 2003.

BECKMAN, J. Positional Faithfulness. Tese (Doutorado) – Amherst: University of Massachusetts, 1998.

BLANK, Cíntia. A influência grafo-fônico-fonológica na produção oral e no processamento de priming em multilíngues: uma perspectiva dinâmica. 2013. 225f. Tese (Doutorado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras da UCPEL. Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

BUSNELLO, R. Efeito de priming subliminar no acesso ao léxico. Dissertação (Mestrado); Porto Alegre: PUCRS, 2007.

CUNHA, Antônio Geraldo. Dicionário etimológico – Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

CRYSTAL, D. Dicionário de Lingüística e Fonética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Trad. Maria Carmelita Pádua Dias, 2000.

EMBICK, David. Features, syntax and categories in the latin perfect. In: Linguistic Inquiry. Cambridge, Massachusets: MIT Press, v.31, n.2, p.185-230, 2000.

EMBICK;HALLE, Morris. On the status of stems in morphological theory.Philadelphia: University of Pennsylvania e MIT, 2004b. p. 1-31.Manuscrito.

EMBICK; NOYER, Rolf. Movement operations after syntax. In: Linguistic Inquiry, Cambridge: MIT Press, 2001. v. 32, n.4, p. 555-595.

EMBICK; NOYER, Rolf. Distributed morphology and the syntax/morphology interface. In: RAMCHAND,G.; REISS, C. (ed.). TheOxford handbook of linguistic interfaces. Oxford: University Press,2004. p. 1-27.

HALLE, Morris. Distributed Morphology: Impoverishment and Fission. In: MIT Working Papers in Linguistics 30, p. 425-439, 1997.

HALLE, Morris.; MARANTZ, Alec. Distributed morphology and the pieces of inflection. In: HALE, K.; S. J. KEYSER (Ed.). The View From Building 20, Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1993, p. 111-176.

HAMILTON, Robert. Is Implicational Generalization Unidirectional and Maximal? Evidence from Relativization Instruction in a Second Language. Language Learning. v. 44( 1), p. 123–157, 1994.

HARLEY, Heidi. The bipartite structure of verbs cross-linguistically. CONGRESSOINTERNACIONAL DA ABRALIN, Anais... UFMG, 2007.

HARLEY, Heid.; NOYER, Rolf. State-of-the-article: Distributed Morphology. Glot International 4.4, p. 3-9, 1999.

IDESTAM-ALMQUIST, Peter. Generalization of Clauses under Implication. Journal of Articial Intelligence Research v3, 1995. p467-489

MARANTZ, Alec. No Escape from Syntax: Don’t Try Morphological Analysis in the Privacy of Your Own Lexicon. In: A. Dimitriadis, L. Siegel, C. Surek-Clark & A. Williams, Proceedings of the 21st Penn Linguistics Colloquium. In: Working Papers in Linguistics, Philadelphia, p. 201-225, 1997.

MARANTZ, Alec. Roots: The Universality of Root and Pattern Morphology, paper presented at the conference on Afro-Asiatic languages, University of Paris VII, 2000.

MCCARTHY, Jhon. OCP Effects: gemination and antigemination. Linguistics Inquiry. 17, p.207-263, 1986.

MCCARTHY. No escape from syntax: don’t try morphological analysis in the privacy of your own lexicon. In: DIMITRIADIS, A.; SIEGEL, L. et al. (eds.). University of Pennsylvania working papers in linguistics. Proceedings of the 21st Annual Penn Linguistics Colloquium, v.4, n.2, p. 201-225, 1997.

NEVINS, Andrew; RODRIGUES, Cilene. Naturalness Biases, ‘Morphomes’, and the Romance First Person Singular, 2012. Manuscrito Inédito.

NEWMAN RS, SAWUSCH JR, Luce PA. Lexical neighborhood effects in phonetic processing. J Exp Psychol Hum Percept Perform. 1997 Jun;23(3):873-89.

OLIVEIRA, S. M. O Sufixo Nominal Agentivo -Dor/-Tor/-Sor: uma Análise à Luz da Morfologia Distribuída. Eletras (UTP), v. 15, p. 1-12, 2007.

OLIVEIRA, Solange. Aspectos da Derivação Prefixal e Sufixal no Português do Brasil. 2009. 252f. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

SAID ALI, Manuel. Gramática histórica da língua portuguesa. 8 ed. rev. e atual. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 2001.

SILVA, Everton Lourenço da. O Advendo da Morfologia Distribuída. . ReVEL, vol. 8, n. 14, 2010. Disponível em: http://www.revel.inf.br. Acessado em: 10 de setembro de 2013.

TALER, Vanessa; GEOFFREY, Aaron; STEINMETZ, Lauren; PISONI, David. Lexical Neighborhood on Spoken Word Reocgnition and Production in Healthy Aging. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci. 2010 September; 65B(5): 551–560.

TUCKER, Emily. Multiple Allomorphs in the formation of the Italian Agentive. departamento de Linguística (Dissertação de Mestrado). UCLA, 2000.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL http://www.R-project.org/, 2013.

SCHER, Ana. Paula.; MEDEIROS, Alessando de; MINUSSI, Rafael. Estrutura Argumental em Morfologia Distribuída. In: Naves, R. R.; Salles, H. M. L. (Org.). Estudos Formais da Gramática das Línguas Naturais. Goiânia: Cânone Editorial, p. 175-198, 2012.

Downloads

Publicado

2014-06-24

Como Citar

MADRUGA, M. R. A Alomorfia dos nomes Agentivos terminados em -Dor/-Or em Português. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 56, n. 1, p. 65–85, 2014. DOI: 10.20396/cel.v56i1.8636525. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636525. Acesso em: 5 fev. 2023.