Elementos nucleares de frame e a interpretação de metáforas

Autores

  • Heronides Moura Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v55i1.8636595

Palavras-chave:

Frame. Metáfora. Esquema de Imagem.

Resumo

Neste artigo, examina-se como os frames associados aos veículos de enunciados metafóricos interferem na interpretação desses enunciados. Os dados analisados consistem de metáforas com os verbos mergulhar, afogar-se e imergir. Conclui-se que os Elementos Nucleares de Frame são preservados nos enunciados metafóricos. Além disso, tanto o esquema imagético de contêiner, quanto o conteúdo conceitual provido pelos argumentos dos verbos são também relevantes para a interpretação das metáforas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heronides Moura, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ALTERNBERG, B.; GRANGER, S. (2002). (Eds.). Lexis in Contrast: Corpus-based Approaches. Amsterdam: John Benjamins.

JOHNSON, M. (1987). The body in the mind: The bodily basis of meaning, imagination, and reason. Chicago: University of Chicago Press, 233 p.

LAKOFF, G. (1987). Women, fire, and dangerous things: What categories reveal about the mind. Chicago: University of Chicago, 614 p.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. (2002). Metaphors we live by. Chicago: Chicago University Press, 1980. Edição brasileira: Metáforas da vida cotidiana. Tradução de M. S. Zanotto e V. Maluf. São Paulo: EDUC.

LANGACKER, R. (2002). Concept, image, and symbol. The cognitive basis of grammar. 2nd edition. New York: Mouton de Gruyter, 395 p.

LEVINSON, S. (2003). Space in language and cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 388 p.

LEEZENBERG, M. (2001). Contexts of Metaphor. Amsterdam: Elsevier, 321 p.

LÖNNEKER-RODMAN, B. (2007). Multilinguality and FrameNet. Technical Report. TR-07-001. Berkeley: ICSI.

MOURA, H. (2006). The conceptual and the linguistic factors in the use of metaphors. DELTA 22, n. especial, p. 81-94.

MOURA, H. (2007). Relações paradigmáticas e sintagmáticas na interpretação de metáforas. Linguagem em (Dis)curso 7-3, p. 417-452.

MOURA – Elementos nucleares de frame e a interpretação ... MOURA, H. M. M.; DAMÁZIO, P. (2011). A preposição em no espaço: um jogo de linguagem e cognição. In: Cambrussi, Morgana; Aragão Neto, Magdiel.. (Org.). Léxico e gramática. 1 ed. Curitiba: CRV, v. 1, p. 89-102.

MOURA, H. & ZANOTTO, M. (2009). Investigando teórica e empiricamente a indeterminação da metáfora. Gragoatá, v. 26.

PEÑA, S. A. (2001). Cognitive approach to the role of body parts in the conceptualization of emotion metaphors. EPOS, vol. XVII, p. 245-260.

PIAGET, Jean & INHELDER, B. (1967). The child´s conception of space. New York: Norton, 1967. Tradução de Langdon, F. & Lunzer, J.

PINKER, S. (2008). Do que é feito o pensamento. São Paulo: Companhia das Letras. 561 p.

RICHARDS, I. A. (1965). The philosophy of Rhetoric. Oxford: Oxford University Press, 138 p.

RICOEUR, Paul. (2005). A metáfora viva. São Paulo: Edições Loyola. 500p.

SALOMÃO, M. (2009). FrameNet Brasil: um trabalho em progresso. Calidoscópio,. Vol. 7, n. 3, p. 171-182.

TALMY, Leonard. (2003). Force Dynamics in Language and Cognition. In: Toward a Cognitive Semantics (vol I). Cambridge: MIT Press, 564 p.

VEALE, T. (2003). Systematicity and the Lexicon in Creative Metaphor. Proceedings of the ACL 2003 Workshop on the Lexicon and Figurative Language, p. 27-34

Downloads

Publicado

2013-06-24

Como Citar

MOURA, H. Elementos nucleares de frame e a interpretação de metáforas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 55, n. 1, p. 65–80, 2013. DOI: 10.20396/cel.v55i1.8636595. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636595. Acesso em: 17 out. 2021.