Banner Portal
Frames em jogo na construção discursiva e interativa da referência
PDF

Palavras-chave

Referenciação. Frame. Afasia.

Como Citar

MORATO, Edwiges Maria; BENTES, Anna Christina. Frames em jogo na construção discursiva e interativa da referência. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 55, n. 1, p. 125–137, 2013. DOI: 10.20396/cel.v55i1.8636599. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636599. Acesso em: 13 abr. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre aspectos referenciais e interacionais da noção de frame destacando, em meio a uma conversação desenvolvida por indivíduos afásicos e não afásicos, processos verbais e não verbais implicados na construção discursiva do referente. Podemos perceber, no fio do discurso e na organização sequencial do episódio conversacional analisado no escopo deste artigo, um interessante movimento de solidariedade entre gestão do tópico e construção referencial, pautada – entre outras coisas - pela conexão entre frames e pelas perspectivas assumidas intersubjetivamente pelos interactantes em relação ao referente em construção.
https://doi.org/10.20396/cel.v55i1.8636599
PDF

Referências

BENTES, A. C.; FERRARI, N. (2011) “E agora o assunto é trabalho”: organização da experiência social, categorização e produção de sentidos no programa manos e minas. Revista Diadorim. Volume 10: 75-93, Dez.

COULSON, S. (2001). Semantic Leaps: frame shifting and conceptual blending in meaning construction. Cambridge: Cambridge University Press.

MORATO e BENTES – Frames em jogo na construção discursiva...

FILLMORE, C. (1985). Frames and the semantics of understanding. Quaderni di Semantica, Vol. 6.2: 222-254.

FRANÇOIS, F. (1993). Pratiques de l’oral. Dialogue, jeu et variations des figures du sens. Paris: Nathan Pédagogie.

GOFFMAN, E. (1974). Frame analysis. New York: Harper & Row.

GUMPERZ, J. (2002). Convenções de contextualização. In: RIBEIRO, B. T. e GARCEZ, P. M. (Orgs). Sociolinguística Interacional. São Paulo: Loyola. p.149-182. (original de 1982)

JEFFERSON, G. (1984). Transcription Notation. In: J. ATKINSON; J.

HERITAGE Eds). Structures of Social Interaction, N. Y: Cambridge University Press, pp. ix-xvi.

JUBRAN, C.C.A.S. (2006). Revisitando a noção de tópico discursivo. Cadernos de Estudos Lingüísticos, 48(1):33-41.

JUBRAN, C.C.A.S.; URBANO, H. et al. (1992). Organização tópica da conversação. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do Português Falado Campinas: Editora da Unicamp Vol.II – Níveis de análise linguística. p.357-439.

LAKOFF, G. (2004). Don’t Think of an Elephant!: know your values and frame the debate. Vermont: Chelsea Green Publishing.

KOCH, I.G.V. (2004). Introdução à Lingüística Textual. São Paulo: Martins Fontes.

MARCUSCHI, L. A. (2005). Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. In: KOCH, I. V.; MORATO, E.M.; BENTES, A. C. Referenciação e Discurso. São Paulo: Contexto, p. 53-101.

MONDADA, L.; DUBOIS, D. (1995). Construction des objets de discours et catégorisation: une approche des processus de référentiation. TRANEL, 23: 273-305.

MONDADA, L. (2004). Temporalité, séquentialité et multimodalité au fondement de l’organisation de l’interaction: Le pointage comme pratique de prise du tour. In: FILLIETTAZ, L. (Ed.). Les modèles du discours face au concept d’action, Cahiers de Linguistique Française, 26:269-292.

MORATO, E.M; BENTES, A.C.; TUBERO, A.L.; MACEDO, H.O.; CAZELATO, S.O.; MIRA, C.C.R.; MARTINS, E.M. (2012). Processos implícitos, contextuais e multimodais na construção referencial em conversações entre afásicos e não afásicos: relato de pesquisa. Linguagem em Dis(curso), 12(3):711-742.

MORATO, E.M. (2010) A noção de frame no contexto neurolingüístico: o que ela é capaz de explicar? Cadernos de Letras da UFF 4: 93-113.

MORATO, E.M. et. al. (2002). Sobre as afasias e os afásicos – subsídios teóricos e práticos elaborados pelo Centro de Convivência de Afásicos (Universidade Estadual de Campinas). Campinas: Unicamp.

TANNEN, D; WALLAT, C. (1998). Enquadres interativos e esquemas de conhecimento em Interação: Exemplos de um exame/consulta médica. In: RIBEIRO, B. e GARCEZ, P. (Org.). Sociolingüística Interacional. Porto Alegre: Age, 120-14. (original de 1985)

TOMASELLO, M. (2003). Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. São Paulo: Martins Fontes. (original de 1999)

VAN DIJK, T. (1992). Cognição, Discurso e Interação. São Paulo: Contexto.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.