Sobre a gramática da palavra cantada

Autores

  • José Roberto do Carmo Júnior Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v54i2.8636602

Palavras-chave:

Fonologia. Hierarquia Melódica. Canção.

Resumo

O presente ensaio propõe um método de análise para a palavra cantada tomando-a como uma superposição entre duas estruturas hierárquicas, uma prosódica e outra melódica, governada por regras de preferência que determinam o alinhamento entre os elementos terminais (nota e sílaba), e a associação entre os não-terminais (pé, palavra, grupo clítico, frase fonológica e entoacional de um lado, e pulso, célula e frase melódica de outro). O não-isomorfismo entre as hierarquias prosódica e melódica permite explicar a ocorrência de certos fenômenos anômalos observados na palavra cantada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Roberto do Carmo Júnior, Universidade de São Paulo

Membro fundador do Grupo de Pesquisas Semióticas da USP, é graduado em Ciências Sociais, mestre em Linguística e doutor em Linguística.

Referências

ALI, M.S. (1999). Versificação portuguesa. são Paulo: EDUSP.

BARBOSA, P. (2006). Incursões em torno do ritmo da fala. Campinas: Pontes/Fapesp.

BAS, J. (1972). Tratado de la Forma Musical. Buenos Aires, Ricordi. 6a ed.

BISOL, L. (1992). “sândi vocálico externo”.in: Gramática do português falado, Campinas: editora da UNICAMP, vol.2, p. 21-38.

BISOL, L. (1996). “o sândi e a ressilabação”. in: Letras de Hoje, v.31, n.2, p.159-168.

CÂMARA, J.M. (1970). Dicionário de Filologia e Gramática. Petrópolis: Vozes.

CARMO JR. (2007). Melodia & Prosódia: um modelo para a interface música-fala com base no estudo comparado do aparelho fonador e dos instrumentos musicais reais e virtuais. tese de doutorado, são Paulo: FFLCH/UsP.

GILBERS, D & SCHREUDER, M.J. (2002). “Language and music in optimality theory”. In: Rutgers Optimality Archive (http://roa.rutgers.edu), Roa # 517-0103.

GOLDSMITH, J. (1979). Autosegmental phonology. New York: Garland Press.

HAYES, b. (1995). Metrical Stress Theory. Chicago: the University of Chicago Press.

HJELMSLEV, L. (1975). Prolegômenos a uma teoria da linguagem. são Paulo: Perspectiva.

LADD, D.R. (1996). Intonational Phonology. Cambridge University Press, Cambridge.

MASSINI-CAGLIARI, G. (2008). “das cadências musicais para o ritmo lingüístico: uma análise do ritmo lingüístico do português arcaico, a partir da notação musical das Cantigas de Santa Maria.”. In: Revista da ABRALIN, v. 7, p. 9-26.

PIERREHUMBERT, J. (1988). The phonology and phonetics of English intonation. Phd thesis, mIt. Indiana University Linguistics Club.

SCHOENBERG. (1996). Fundamentos da composição musical. São Paulo:EDUSP.

WETZELS, L. (1992). “Midi vowel neutralization in brazilian Portuguese”. Coimbra: Phonology Workshop.

Downloads

Publicado

2012-12-06

Como Citar

CARMO JÚNIOR, J. R. do. Sobre a gramática da palavra cantada. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 2, p. 205–222, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i2.8636602. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636602. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos