Uma visão enunciativo-discursiva da hesitação

Autores

  • Julyana Chaves Nascimento Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636970

Palavras-chave:

Hesitação. Discurso.

Resumo

Este artigo realiza uma reflexão sobre a hesitação. Para tanto, retomamos o modo como esse fenômeno tem sido tratado na literatura linguística brasileira e constatamos uma lacuna no que diz respeito à investigação da hesitação de uma perspectiva lingüístico-discursiva. Com o objetivo de apresentar tal visão sobre a hesitação, abordamos conceitos advindos de estudos da psicanálise lacaniana, bem como do discurso e da enunciação: o dialogismo – formulado no círculo de Bakhtin –, o interdiscurso desenvolvido na Análise do Discurso de linha francesa – e as heterogeneidades enunciativas –, conforme a proposta de Authier-Revuz. Com base na análise de um fragmento de conversação, propomos que a hesitação constitui um acontecimento que indicia a negociação do sujeito com outros constitutivos do discurso/do sujeito. Argumentamos, ainda, que a representação da hesitação no discurso constitui indício de deriva e de ancoragem, denunciando quão problemático é, para o sujeito, o estabelecimento de fronteiras do/no discurso. Esperamos com esta reflexão lançar luz sobre a investigação da hesitação como um fenômeno de natureza lingüístico-discursiva. Ambicionamos, inclusive, instigar pesquisas com esse viés teórico e contribuir para preencher o que constatamos como uma lacuna nos estudos brasileiros sobre hesitação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julyana Chaves Nascimento, Universidade Estadual Paulista

Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista em São José do Rio Preto

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. (2004). Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Tradução de Marlene Teixeira. Revisão de Leci Borges Barbisan e Valdir do nascimento Flores. porto Alegre: EDIPUCRS.

AUTHIER-REVUZ, J. (1990). Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Caderno de Estudos Lingüísticos, Campinas, v. 19, p. 25-42.

BARROS, D. L. ( 1999). pessoa de. procedimentos e recursos discursivos da conversação. In. PRETI, D. (Org) Estudos da língua falada: variações e confrontos. 2ª Ed. São Paulo: Humanitas FFLCH/ Usp, Cap. 2.

BAKHTIN, M. M. (2000). Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 3. ed. Tradução de Maria Ermantina Galvão. Revisão Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, Cap. 3.

COURTINE, J. J. (1999). O chapéu de Clémentis. Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso político. Os múltiplos territórios da Análise do Discurso, v. 12, p. 15-22.

FERRAZ E FERRAZ, M. da G. C. (2001). noções básicas de psicanálise freudiana. In: FERRAZ E FERRAZ, M. da G. C. Sujeito psíquico e sujeito linguístico: uma introdução à psicopatologia aplicada à fonoaudiologia. Marília: Unesp-Marília-publicações, Cap. 1.

MARCUSCHI, L. A. (2006). Fenômenos Intrínsecos da Oralidade: a hesitação. In: KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; JUBRAN, Clélia C. A. Spinardi. Gramática do português falado: construção do texto falado. Campinas, sp: Editora da Unicamp.

MARCUSCHI, L. A. (1999). A hesitação. In: NEVES, M. H. M. Gramática do Português Falado: novos estudos. Campinas: UNICAMP/FAPESP, p. 159-194.

MARCUSCHI, L. A.(1998). Análise da conversação. 5. ed. são paulo: Ática.

NASCIMENTO, J. C. (2010). Uma perspectiva discursiva sobre a hesitação. 305f. 2010. Tese (Doutorado em Estudos Lingüísticos) - Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual paulista “Júlio de Mesquita Filho”, são José do Rio preto.

NASCIMENTO, J. C. (2005). Fenômeno hesitativo na linguagem: um olhar para a doença de parkinson. 158f. 2005. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual paulista “Júlio de Mesquita Filho”, são José do Rio preto.

PÊCHEUX, M. (2008). O discurso: estrutura ou acontecimento. 5ª ed. Tradução de Eni pulcinelli Orlandi. São Paulo: pontes.

PÊCHEUX, M. (1997a) Análise automática do discurso. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethânia s. Mariani et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, Cap. 3.

NASCIMENTO - Uma visão enunciativo-discursiva...

NASCIMENTO. (1997b). A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethânia s. Mariani et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, Cap. 4.

TFOUNI, L. V. (2005). Letramento e autoria: uma proposta para contornar a dicotomia oral e escrita. Revista da ANPOLL, Campinas, n. 18, p. 127-141.

TFOUNI, F. E. V. (1998). O interdito como fundador do discurso. 1998, 115f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas.

Downloads

Publicado

2012-07-19

Como Citar

NASCIMENTO, J. C. Uma visão enunciativo-discursiva da hesitação. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 41–54, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636970. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636970. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos