Banner Portal
Gesticulação e fluência: contribuições para a aquisição da linguagem
PDF

Palavras-chave

Gesticulação. Fluência. Aquisição da Linguagem.

Como Citar

CAVALCANTE, Marianne Carvalho Bezerra; BRANDÃO, Lavínia Wanderley Pinto. Gesticulação e fluência: contribuições para a aquisição da linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 55–66, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636971. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636971. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

Neste artigo buscamos discutir o papel da gesticulação no processo aquisicional, como uma das primeiras pistas de fluência na fala de forma a contribuir para uma proposta multimodal de compreensão da aquisição da linguagem. Partimos da premissa de que gesto e fala formam uma única matriz cognitiva, para isso nos embasamos em autores como Kendon (1992), McNeill (1985) entre outros. Já que a gesticulação dentro da proposta de Kendon (1992) envolve os gestos que emergem ao longo do fluxo da fala, tendo a função de garantir sua continuidade. Almejamos, assim, destacar os primeiros indícios de gesticulação em aquisição da linguagem, de forma a compreender este processo de emergência da fluência e da gesticulação, pondo em discussão também as terapias de linguagem tradicionalmente realizadas com sujeitos surdos implantados.

 

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636971
PDF

Referências

ALMEIDA, V. B. (2009). Pausas preenchidas e domínios prosódicos: evidências para a validação do descritor fluência em um teste de proficiência oral em língua estrangeira. In: Alfa, São Paulo, 53 (1): 167-193.

ARAGÃO, A. L.; CAVALCANTE, M. C. B. (2009). Um panorama da construção gestual do bebê ao longo do primeiro ano de vida. In: VI Congresso Internacional da ABRALIN, João Pessoa. Anais da ABRALIN 40 anos. João Pessoa: Idéia, 2009a. v. 1. p. 214-220.

BATES, E.; CAMAIONI, L. & VOLTERRA, V. (1979). The Acquisition of Performatives Prior to Speech, In: E. OCHS & B. B. SCHIEFFELIN, (org.) Developmental Pragmatics, London, Academic Press.

BATES, E., O’CONNELL, B., & SHORE, C. (1987). Language and communication in infancy. In J. OSOFSKY (Ed.), Handbook of infant development. New York: Wiley, 149-203.

BRUNER, J. (1975). The ontogenesis of speech acts. In: Journal of child language. Vol.2 Nº 1. Cambridge: Cambridge University Press.

BRUNER, J. (1983). Childs Talk. Oxford University Press.

BRANDÃO, L. W. P. (2010). Interação mãe-bebê surdo implantado: entre o “ouvinte suposto” e o “aprendiz de ouvinte”. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Linguística. UFPB, João Pessoa, PB.

BUTCHER, C.; GOLDIN-MEADOW, S. (2000). Gesture and the transition from one-to-two-word speech: when hand and mouth come together. In: D. MCNEILL, (ed.) Language and gesture. Spain: Cambridge University Press.

CAVALCANTE, M. C. B. (1994). O gesto de apontar como processo de co-construção nas interações mãe-criança. Dissertação de Mestrado. UFPE.

CAVALCANTE, M. C. B. (2009a). A matriz gesto-fala em aquisição da linguagem: observando o diálogo em manhês. In: vi congresso internacional da ABRALIN, 2009, João Pessoa. Anais da ABRALIN 40 anos. João Pessoa : Idéia, v. 1. p. 2425-2434.

CAVALCANTE, M. C. B. (2009b). Gesto e voz: envelope afetivo de acesso ao simbólico na matriz relacional mãe-bebê. In: de Oliveira, E. F. L.; Ferreira, S. S.; Barreto, T. A. (Org.). As interfaces da clínica com bebês. 1 ed. Recife: Bagaço, v. , p. 229-240.

CAVALCANTE, M. C. B. (2009c). Rotinas interativas mãe-bebê: constituindo gêneros do discurso. Investigações (Recife), v. 21, p. 153-170.

CAVALCANTE, M. C. B. (2010a). (orgs.) Aquisição da linguagem em multimodalidade. 1ed. João Pessoa: Ed. da UFPB, p. 158.

CAVALCANTE, M. C. B. (2010b). Matriz gesto e fala na dialogia mãe-bebê: esboços de gêneros do discurso. In. Cavalcante, M. C. B.; Faria, E. M. B. de; Leitão, M. (orgs.) Aquisição da Linguagem e Processamento Linguístico. João Pessoa: Ed. da UFPB, p. 158.

CAVALCANTE, M. C. B. (2010c). Gesture and speech in mother-baby interactions: Characterizing first linguistic uses. In: SCLIAR-CABRAL, L. (Org.), Psycholinguistics: Scientific and technological challenges. Porto Alegre: EDIPUCRS, pp. 173 – 181.

CARRILHO, P. E. M. (1996). Apraxias Ideomotora e ideatória. Em Nitrini, P., Caramelli & L. Mansur (Orgs.), Neuropsicologia: das bases anatômicas à reabilitação. São Paulo. p. 259-274.

COSTA FILHO, J. M. S.; CAVALCANTE, M. C. B. (2009). Cenas de atenção conjunta: uma análise sobre o foco do olhar. In: VI Congresso Internacional da ABRALIN, 2009b, João Pessoa. Anais da ABRALIN 40 anos. João Pessoa : Idéia, v. 1. p. 2096- 3001.

CAVALCANTE e BRANDÃO - Gesticulação e fluência: contribuições... DE LEMOS, C. T. G. (1992). Los processos metafóricos y metonímicos como mecanismos del cambio. Substratum, vol.1, n. 1.

CAVALCANTE e BRANDÃO. (1995). Língua e discurso na teorização sobre aquisição da linguagem. Letras de hoje, no. 4.

DORE, J. (1979). Conversational Acts and the Acquisition of Language. In: E. OCHS E B. . SCHIEFFELIN (org.) Developmental Pragmatics, London. Academic Press.

FEDOSSE, E. (2000). Da relação linguagem e praxia: estudo neurolinguístico de um caso de afasia. Dissertação de Mestrado. Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp, Campinas.

GOLDIN-MEADOW, S. (1993), When does gesture become language? A study of gesture used as a primary communication system by deaf children of hearing parents”. IN K.R. GIBSON & T. INGOLD (eds), Tools,Language and Cognition in Human Evolution. Cambridge, England: Cambridge University Press.

GOLDIN-MEADOW, S., ALIBALI, M., CHURCH R. B. (1993). Transitions in concept acquisition: Using the hands to read the mind. Psychological Review 100 (2): 279-297.

KENDON, A. (1982). The Study of Gesture: some remarks on its history. Recherches sémiotiques/ semiotic inquiry 2: 45-62.

KENDON, A. (2000). Language and Gesture: Unity or Duality? In D. MCNEILL, (ed.) Language and Gesture, Cambridge University Press: Cambridge, UK. p. 47-63.

LAVER, J. (2000). Unifying principles in the description of voice, posture and gesture. In: CAVE, C.; GUAITELLA, I. Interations et comportement multimodaux dans la communication. Paris, L’Harmattan.

MAIA, J. C.; CAVALCANTE, M. C. B. (2009c). Aquilo que precede a fala e não pode ser excluído da terapia de linguagem. In: VI Congresso Internacional da ABRALIN, 2009, João Pessoa. Anais da ABRALIN 40 anos. João Pessoa : Idéia, v. 1. p. 2183-2187.

MARCUSCHI, L. A. (2005). Oralidade e Letramento como práticas sociais. In MARCUSCHI, L. A e DIONISIO, A. P. (Orgs.) Oralidade e Escrita. Belo Horizonte, Autentica/MEC/CEEL.

MCNEILL, D. (1985). So you think gestures are nonverbal?. Psychological Review. Vol 92(3) 350371, Jul..

MCNEILL, D. (2999). Introduction. In: MCNEILL, D. (ed.) Language and Gesture. Cambrige University Press, Cambridge, UK.

MERLO, S. (2006). Hesitações na fala semi-espontânea: análise por séries temporais. 2006. 218 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas.

MORATO, E. M. (2004). O interacionismo no campo linguístico. In:

MUSSALIM, F. ; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, Vol. 3. São Paulo: Cortez.

RAMOS, S. ; SCARPA, E. M. (2007). Hesitações e rupturas em Aquisição da Linguagem: processos reorganizacionais na fala infantil. Estudos Linguísticos (São Paulo), v. XXXVI, p. 354-360.

SANTANA, A. P.; GUARINELLO, A. C.; BERBERIAN, A. P.; MASSI, G. (2008). O estatuto simbólico dos gestos no contexto da surdez. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p. 297-306, abr./jun.

SCARPA, E. M. (1995). Sobre o sujeito fluente. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v.29, p.163-184.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.