Repetições hesitativas em fala afásica e não-afásica

Autores

  • Janaisa Martins Viscardi Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636974

Palavras-chave:

Repetição. Prosódia. Afasia.

Resumo

O texto discute as repetições hesitativas produzidas em fala afásica e não-afásica em frases nominais e preposicionais, a partir de suas características prosódicas e dos movimentos de retração e projeção, como discutidos em Auer (2009a). Entre as semelhanças entre a fala afásica e não-afásica destacam-se 1) o alongamento vocálico associado ao movimento de curva entoacional descendente na caracterização da repetição hesitativa, 2) a presença dos mesmos movimentos de retração simples e múltipla em ambos os grupos e 3) uma maior similaridade das características prosódicas dos dois grupos nos casos de retração múltipla. Entre as diferenças mais importantes, destacam-se 1) a distribuição da ocorrência das retrações simples e múltiplas - afásicos produzem um número significativamente maior de retrações múltiplas - e 2) a extensão das características hesitativas ao longo de toda a estrutura de repetição na fala afásica, enquanto na fala não-afásica essas características se encerram na penúltima repetição. Este estudo procura oferecer uma melhor compreensão do emprego dos recursos prosódicos pelos sujeitos afásicos e não-afásicos em contextos interativos e, através disso, permite identificar a maior ou menor relevância de determinados recursos linguísticos em ambientes específicos de produção, como no caso das repetições hesitativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaisa Martins Viscardi, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas, Professora Assistente das Faculdades Tecnológicas SENAI.

Referências

ARBUTHNOTT, K. D. (1996). To repeat or not to repeat: Repetition facilitation and inhibition in sequential retrieval. Journal of Experimental Psychology: General, 125, 261–283.

AUER, P. (2009a). On-line syntax: thoughts on the temporality of spoken language. Language Sciences 31, p. 1-13.

AUER, P. (2009b). Projection and Minimalistic Syntax in Interaction. Discourse Processes, 46:2, p. 180205.

AUER, P.; PFÄNDER, S. (2008). Multiple retractions in spoken French and spoken German. A contrastive study in oral performance styles. Cahier de Praxématique 48, p. 57-84.

DELL, G. S.; MARTIN, N.; SCHWARTZ, M. F. (2007). A case-series test of the interactive two-step model of lexical access: Predicting word repetition from picture naming. Journal of Memory and Language, 56, p. 490–520.

VISCARDI - Repetições hesitativas em fala...

FILLMORE, C W. (1979). On fluency. In: C W. FILLMORE; D. KEMPLER; W. S. Y. WANG (org.). Individual differences in language ability and language behavior. New York: Academic Press, p. 85-101.

GOODGLASS, H.; KAPLAN, E. (1972). The Assessment of Aphasia and Related Disorders. Philadelphia, PA: Lea & Febiger.

GUMPERZ, J. (1982). Discourse Strategies. (Studies in Interactional Sociolinguistics 1). Cambridge: University Press.

JUBRAN, C. C. A. S. A perspectiva textual-interativa. In: JUBRAN, C. C. A.

S.; KOCH, I. G. V. (org.). Gramática do Português Culto Falado no Brasil — volume 1. Campinas: Ed. Unicamp, 2006.

KOCH, I. V. (1997). O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto.

MARCUSCHI, L. A. (1996). A repetição na língua falada como estratégia de formulação textual. In: KOCH, I. G. V. (Org.). Gramática do português falado, VI: Desenvolvimentos. Campinas, SP: Editora da Unicamp/FAPESP, p. 95-129.

MARCUSCHI, L. A. (1999). A hesitação. In: NEVES, M. H. de M. (Org.). Gramática do português falado., VII: Novos estudos. Campinas, SP: Editora Unicamp.

MARCUSCHI, L. A. (2006). Repetição. In: JUBRAN, Clélia Cândida A. Spinardi; KOCH, Ingedore G. Villaça (Org.). Gramática do português falado no Brasil: construção do texto falado. Campinas, SP: Editora da Unicamp, v.1, p. 219-254.

MICELI, G.; CAPASSO, R.; CARAMAZZA, A. (2004). The relationships between morphological and phonological errors in aphasic speech: Data from a word repetition task. Neuropsychologia, v. 42, p. 273-287.

MIRA, C. (2012). Afasia e interação: uma análise da dinâmica de turnos e da gestão do tópico nas práticas conversacionais de sujeitos afásicos e não-afásicos. Tese de doutorado. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp. Campinas: SP.

MORATO, E. M. et al. (2007). Significação, interação e cognição: a dimensão multimodal de práticas linguístico-interacionais envolvendo afásicos e não-afásicos. Projeto CNPQ, Edital 50/2006. Campinas.

MORATO, E. M. et al. (2008). Competência e metalinguagem no contexto de práticas interativas de afásicos e não-afásicos. Relatório final do Projeto Fapesp. Campinas, Proc.: 06/52950-9.

MOSES, M. S.; SHEARD, C.; NICKELS, L.A. (2007). Insights into recurrent perseverative errors in aphasia: a case series approach. Aphasiology, v. 21, n.10/11, p. 975-1001.

ROHRER, J.D.; KNIGHT, W.D.; WARREN, J.E.; FOX, N.C.; ROSSOR, M.N.;

WARREN, J.D. (2008). Word-finding difficulty: a clinical analysis of the progressive aphasias. Brain, v. 131, n.1, p. 8-38, janeiro.

SCARPA, E. (1995). Sobre o sujeito fluente. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 29, p. 163-184, jul-dez.

SCARPA, E. (2006). (Ainda) sobre o sujeito fluente. In: LIER-DE VITTO, M. F.; ARANTES, L. Aquisição, Patologias e Clínica de Linguagem. São Paulo: Editora PUCSP EDUC, p. 161-180.

SELTING,M.; AUER,P; COUPER-KUHLEN, E. (1998). Gesprächsanalytisches Transkriptionssystem (GAT). Linguistische berichte, v. 173, p. 91-122.

TAGLIAFERRE, R. (2008). Formas e Funções da Repetição no Contexto das Afasias. Dissertação de Mestrado, Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP.

Downloads

Publicado

2012-07-19

Como Citar

VISCARDI, J. M. Repetições hesitativas em fala afásica e não-afásica. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 99–116, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636974. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636974. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos