O conceito de fluência nos estudos das afasias

Autores

  • Rosana Carmo Novaes Pinto Universidade estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636975

Palavras-chave:

Fluência. Disfluência. Afasia.

Resumo

Este artigo visa discutir como o conceito de fluência vem sendo mobilizado nos estudos das afasias, tanto na literatura neuropsicológica tradicional – que correlaciona diretamente fluência e sua contraparte negativa, a disfluência, aos aspectos topográficos das lesões e aos seus efeitos causais (Broca, também referida como anterior ou motora e relacionada à produção da fala versus Wernicke, neste caso referida como posterior, sensorial e relativa a problemas de compreensão) 2 – e como o tema tem sido abordado nos estudos desenvolvidos na perspectiva enunciativo-discursiva, que incorpora a relação do sujeito com a língua(gem) e, ainda mais particularmente, com a sua própria afasia. A reflexão sobre essas questões demanda não só uma revisão crítica da semiologia das afasias, uma vez que esta é geralmente marcada por relações dicotômicas que privilegiam os aspectos biológicos do funcionamento cerebral, mas também um posicionamento diferenciado por parte daquele que interage com o afásico, seja como terapeuta profissional ou não. Em outras palavras, a discussão teórica acerca de conceitos recorrentes na literatura, como o de fluência, tem implicações relevantes para o acompanhamento terapêutico de sujeitos afásicos, o que se constitui como uma motivação a mais para a reflexão desenvolvida neste trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Carmo Novaes Pinto, Universidade estadual de Campinas

Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade estadual de Campinas.

Referências

ABAURRE, B. Os estudos linguísticos e a aquisição da escrita. In: CASTRO, M. F. (Org.) O Método e o Dado no Estudo da Linguagem. Editora da Unicamp, Campinas, 1996, p. 111-164.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Estética da Criação Verbal. Martins Fontes Editora Ltda, São Paulo, SP, 1997.

BEILKE, H. & NOVAES-PINTO, R. A narrativa na demência de Alzheimer: reorganização da linguagem e das “memórias” por meio de práticas dialógicas. Estudos Linguísticos. Vol. 39 (2), 2010, p. 557-567.

BROCA, P. (1861). (1969). Remarques sur le siège de la faculté de la parole articulée, suivies d’une observacion d’aphémie. In: HECAEN & DUBOIS La naissance de la neuropsychiologie du langage (1825-1865). Flammarion éditeur, 1969.

CANGUILHEM, G. (1985). O normal e o patológico. Ed. Forense Universitária, Rio de Janeiro, RJ.

CÔRREA, L. Dificuldades e potencialidades do método experimental no estudo da aquisição da linguagem, In: CASTRO, M. F. (1986). O método e o dado no estudo da linguagem. Editora da Unicamp, Campinas, 1986.

COUDRY, M. I. (1988). Diário de Narciso: afasia e discurso. Martins Fontes Ed. Ltda. São Paulo, SP, Brazil.

FEDOSSE, E. (2000). Da relação linguagem e praxia: estudo neurolinguístico de um de afasia. Dissertação de mestrado. Instituto de estudos da Linguagem.

FORIGO, D. (2007). A significação imagética no contexto das baterias de avaliação de afasias e diagnósticos de demências e declínios cognitivos. Língua, Literatura e Ensino. V.3, p. 203-213.

FREIRE, F. Agenda Mágica: linguagem e memória. Tese de Doutorado. Inédita. Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, 2005.

GOODGLASS, H. & KAPLAN, J. Evaluación de La Afasia y de Transtornos Relacionados. Editorial Medica Panamericana, Madrid, España, 1986.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. Ed. Cultrix, São Paulo, SP, 1954.

KOLK, H., VAN GRUNSVEN, M. & KEISER, A. (1985), On parallelism between production and comprehension in agrammatism. In: KEAN, M. (Ed.). New York Academic Press, USA.

LECOURS, A., DUMAIS, C., TAINTURIER, M. J. (1987). Les aphasies. In: BOTEZ, M.I. Neuropsychologie clinique et neurologie du comportement. Université de Montréal, p. 307- 324.,

LURIA, A. (1986).. Pensamento e Linguagem: as últimas conferências de Luria. Artes MédicasEditora. Porto Alegre, RS.

LURIA, A. (1977). Neuropsychological studies in aphasia. Sweets & Zeitlinger Ed., Amsterdam.

LURIA, A. (1973) The working brain. Penguin Books Ed., London.

MANSUR, L. & RADANOVIC, M. Neurolingüística:Princípios para a prática clínica. São Paulo, SP: Edições Inteligentes. 2004.

MÁRMORA, C. (2000). Linguagem, afasia, (a) praxia: uma perspectiva neurolinguística. Dissertação de Mestrado. Instituto de estudos da Linguagem.

NOVAES-PINTO, R. (2012b). A social cultural-approach to aphasia: contributions from the work developed at a Center for Aphasic Subjects. In: TAN, Ü (org.) Latest Findings in Intellectual and Developmental Disabilities Research. In Tech Ed., p. 219 – 244.

NOVAES-PINTO, R. (2012a). Cérebro, linguagem e funcionamento cognitivo na perspectiva sócio-históricocultural: inferências a partir do estudo das afasias. Letras Hoje. Porto Alegre, V. 47 (1), p. 55 – 64.

NOVAES-PINTO, R. (2011). Desafios metodológicos da pesquisa em Neurolinguística no início do século XXI. Estudos Linguísticos. Vol. 40, p. 966-980.

NOVAES-PINTO, R. (2009). Acesso lexical: discussão crítica sobre as pesquisas nas neuro-ciências contemporâneas. Estudos Linguísticos. Vol. 38 (2), p. 271-284.

NOVAES-PINTO, R. (1999). A contribuição do estudo discursivo para uma análise crítica das categorias clínicas. Tese de Doutorado. Inédita. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, SP.

NOVAES-PINTO, R. (1992). Agramatismo: uma contribuição para o estudo do Processamento normal da Linguagem. Dissertação de Mestrado. Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas.

NOVAES PINTO - O conceito de fluência nos estudos... NOVAES-PINTO, R. & BEILKE, H. Avaliação de Linguagem na Demência de Alzheimer. Estudos da Lingua(gem). Vitória da Conquista. Vol. 6 (2), 2008, p. 99-128.

NOVAES-PINTO, R. & SANTANA, A. P. Semiologia das afasias: uma discussão crítica. In Psicologia: Reflexão e Crítica. Vol. 22(3) Porto Alegre, RS, 2009b, pp. 413-421

NOVAES-PINTO, R. & SANTANA, A. P. (2009a). Semiologia das afasias: implicações para a clínica fonoaudiológica, In: Perspectivas na Clínica das Afasias: o sujeito e o discurso. Livraria Ed. Santos, São Paulo, SP.

NOVAES-PINTO, R & SOUZA-CRUZ, T. Funcionamento semântico-lexical: discussão crítica com base em dados de situações dialógicas com sujeitos afásicos. Revista Estudos Linguísticos, Vol. 41 (2), 2012 (no prelo).

PERRONI, M. C. (1986). O que é o dado em aquisição da linguagem? In:

CASTRO, M. F (org). O método e o dado no estudo da linguagem. Editora da Unicamp, Campinas, São Paulo, pp. 15-30.

RAPP, C. (2003). A palavra paralela? Uma revisão do conceito de parafasia. Tese de Doutorado. Inédito, Instituto de Estudos da Linguagem.

REISDORFER, I. (2006). A caracterização das parafasias na perspectiva da neurolinguística discursiva. Dissertação de Mestrado. Inédita. Instituto de Estudos da Linguagem.

SCARPA, E. (2006). (Ainda) sobre o sujeito fluente. In: LIER-DE VITTO, M. F.; ARANTES, L. (Org.) Aquisição, Patologias e Clínica de Linguagem. SP: EDUC, V. 1, p. 161-180.

SCARPA, E. (1995). Sobre o sujeito fluente. Cadernos de Estudos Linguísticos. V. 29, p. 163-184. Campinas: UNICAMP.

WERNICKE, C. (1874). “The aphasic symptom complex: a psichological study on a neurological basis”. Kohn and Weigert, Breslau. Reprinted in

COHEN & WARTOFSKY (eds) In Boston studies in the philosophy of science, v. 4, Reidel, Boston, Mass. Págs. 39-97.

VYGOTSKY, L. (1984). A formação social da mente. Editora Martins Fontes, São Paulo.

Downloads

Publicado

2012-07-19

Como Citar

PINTO, R. C. N. O conceito de fluência nos estudos das afasias. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 117–134, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636975. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636975. Acesso em: 27 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos