Banner Portal
Afasia e infância: registro do (in)esquecível
PDF

Palavras-chave

Neurolinguística Discursiva. Afasia. Fala/Leitura/Escrita.

Como Citar

COUDRY, Maria Irma Hadler; BORDIN, Sonia Sellin. Afasia e infância: registro do (in)esquecível. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 135–154, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636976. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636976. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Esse texto aproxima afásicos, que deixam de exercer a língua, de crianças com dificuldades em sua entrada na língua escrita. Tal reflexão se faz com base em práticas com a linguagem envolvendo fala, leitura e escrita; e na teorização atual desenvolvida pela Neurolinguística Discursiva, sobretudo à luz de Jackson, Freud e Jakobson.

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636976
PDF

Referências

AGAMBEN, G. (1978). Infância e História: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

BALIEIRO A. P. (2001). O sujeito que se estranha: manifestações de subjetividade na afasia. Mestrado, Unicamp, Campinas.

BENVENISTE, E. (1966). Problemas de Linguística Geral I. Trad. Maria da Gloria Novak e Luiza Neri, São Paulo: Editora USP, 1995.

BEHLAU, M. S.; PONTES, P. A. L. (1995). Avaliação e tratamento das disfonias. São Paulo: Lovise.

BORDIN, S. S. (2010). Fala, Leitura e Escrita: encontro entre sujeitos. Tese de Doutorado, Unicamp, Campinas.

BORDIN, S. S. (2008). Excesso de diagnóstico na leitura e escrita: vivências com a linguagem no CCazinho. In: Revista Estudos da Língua(gem), v.6, n.2, dez.

COUDRY, M. I. H. (1986). Diário de Narciso. Discurso e afasia: análise discursiva de interlocuções com afásicos. Tese de doutorado. Unicamp, Campinas, 1986. Publicada em livro, São Paulo: Martins Fontes, 1988.

COUDRY, M. I. H. (1997). A lógica da linguagem patológica. In: Cadernos da F.F.C., v. 6, n. 2, p. 131-148. Marília (SP): UNESP.

COUDRY, M. I. H. (2006). Patologia estabelecida e vivências com o escrito: o que será que dá? Texto apresentado no VII ENAL, Porto Alegre, publicado em CDrom.

COUDRY, M. I. H. (2008). Neurolingüística Discursiva: afasia como tradução. In: Estudos da Lingua(gem), Vitória da Conquista, v. 6, p. 7-36.

COUDRY, M. I. H. (2010a). Relatório do Projeto Integrado em Neurolinguística: avaliação e bancos de dados. CNPq, 65p (impresso).

COUDRY, M. I. H. (2010b). Caminhos da Neurolinguistica Discursiva: o velho e o novo. In: Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem. Coudry, M. I. H.; Freire, F. M. P.; Andrade, M. L. F.; Silva, M. A. (orgs). Campinas (SP): Mercado de Letras.

COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P. (2010). Pressupostos teórico-clínicos da Neuroliguística Discursiva. In: Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem. Coudry, M. I. H.; Freire, F. M. P.; Andrade, M. L. F.; Silva, M. A. (orgs). Campinas (SP): Mercado de Letras.

CULIOLI, A. (1999). Pour une linguistique de l’énonciation: formalisation et opérations de repérage, v. 2. Paris: Ophrys.

DE LEMOS, C. T. (1981). Interactional Processes in the Child’s Construction of Language. In: Deutsch, W. (Org.). The Child’s Construction of Language. Londres: Academic Press.

DE LEMOS, C. T. (1986). A Sintaxe no espelho. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, 10.

FRANCHI, C. (1977). Linguagem – Atividade Constitutiva. In: Caderno de Estudos Lingüísticos 22, p. 9-39, 1992.

FREUD, S. (1891) La Afasia. Buenos Aires: Nueva Visión, 1973.

FREUD, S. (1896/1890). Carta 52. In: Publicações pré-psicanalíticas e esboços inéditos das obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, p. 324-331, 1990.

FREUD, S. (1901). Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. Rio de Janeiro: Imago, 1969.

GOLDSTEIN, K. (1948). Language and language disturbances: aphasic sympton complexes and their Significance for medicine and theory of language. New York: Grune & Stratton.

HELLER-ROAZEN, D. (2005). Ecolalias: sobre o esquecimento das línguas. Trad. Fabio A. Durão. Campinas (SP): Editora UNICAMP, 2010.

JACKSON, H.. (1874). On the nature of the duality of the brain. In: Medical Press and Circular 1: 19, 41 and 63. Reprinted in Brain 38:80-86; 87- 95; 96-103, 1915.

JAKOBSON, R. (1941). Langage enfantin et aphasie. Paris: Flammarion, 1980.

JAKOBSON, R. (1956) Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: Lingüística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1975.

JAKOBSON, R. (1959) Aspectos Lingüísticos da tradução. In: Lingüística e comunicação. São Paulo: Cultrix,1975.

LURIA, A. R. (1977). Neuropsychological Studies in Aphasia. Amsterdam: Swets & Zeitlinger B.V.

OLLER D. K.; EILERS, R.. (1988). The role of audition in infant babbling. In: Child Development, 59, p. 441- 449.

PEREIRA DE CASTRO, M. F. (2006). Língua materna e os destinos da fala infantil. Prova didática do concurso público de provimento do cargo de professora titular do Departamento de Línguística do IEL/UNICAMP.

PETITTO, L .A.; MARENTETTE, P. (1991). Babbling in the manual mode: evidence for ontogeny of language. In: SCIENCE, 251, p. 1483-1496.

RODRIGUES, N. (1989). Neurolinguística dos distúrbios da fala. São Paulo: Cortez/EDUC.

SAUSSURE, F.. (1916). Cours de Linguistique Générale. Paris: Payot, 1969.

VYGOTSKY, L. S.. (1934) Pensamento e Linguagem. Trad. Jeferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

COUDRY e BORDIN - Afasia e infância: registro do (in)esquecível

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.