Singularidade nas manifestações de falas gagas

Autores

  • Célia Carneiro Universidade Paulista
  • Ester Mirian Scarpa Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636977

Palavras-chave:

Gagueira. Disfluência. Singularidade.

Resumo

A heterogeneidade e imprevisibilidade dos sinais linguísticos presentes em uma fala gaga fazem, de cada manifestação de fala, um acontecimento singular, mas são frequentemente desconsideradas em nome da necessidade de um diagnóstico clínico. Da heterogeneidade, depreende-se a singularidade dos sinais linguísticos que caracterizam essa gagueira e, da imprevisibilidade, descarta-se qualquer possibilidade de controle. Cremos que essas premissas devem estar na base do trabalho de compreensão da gagueira e do início de um diagnóstico em clínica: analisando, interpretando e compreendendo o fenômeno linguístico que faz com que aquela fala seja estranha, incomode ao falante e ao interlocutor. Os dados de dois sujeitos gagos, numa situação de conversa espontânea, foram analisados com relação às manifestações linguísticas de repetições, bloqueios, sons como implosiva dental, clique bilabial, que afetam o contínuo/descontínuo e potencialmente abalam as estuturas métricas da língua. Concluímos que há semelhanças nas falas analisadas quanto à presença de sons estranhos ao sistema fonológico da língua, de unidades repetidas, prolongadas, pausas que se inserem em lugares inesperados, e, sobretudo, à coocorrência de episódios gaguejantes e não gaguejantes no mesmo acontecimento de fala, à heterogeneidade e imprevisibilidade dos sinais linguísticos, que dizem da relação não estável do sujeito com a própria língua. São dessemelhantes pelo fato de que, comparando-se os sujeitos, as marcas linguísticas efetivamente realizadas diferem entre os sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célia Carneiro, Universidade Paulista

Universidade Paulista.

Ester Mirian Scarpa, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Apoio do CNPq.

Referências

ANDRADE, L. (2003). ouvir e escutar na constituição da clínica de linguagem. Tese de Doutorado. São Paulo, LAEL/PUC-SP.

BRITTO PEREIRA, M. M. de. (2003). Análise Lingüística da Gagueira. SP: AM3 artes.

CARNEIRO, C. R. (2006). Refletindo sobre a gagueira de um ponto de vista linguístico. Estudos Lingüísticos XXXV, p. 448-453.

CARNEIRO, C. R. (2009). Dos efeitos de gagueira. tese (Doutorado em lingüística). Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas.

DIDIER-WEILL, A. (1999). Invocações. Dionísio, Moisés, São Paulo e Freud. RJ: Companhia de Freud.

LEMOS, C.T.G. de. (1992). Los procesos metafóricos y metonímicos como mecanismos de cambio. Substratum, vol. i, no. 1, p. 121-135.

LEMOS, C.T.G. de. (2001). o que a fala da criança nos diz sobre a língua. in: ÍX simpósio de letras e lingüística, 2001, Uberlândia. Resumos do iX simpósio de letras e lingüística. Uberlândia : Universidade de Uberlândia, p. 20-21.

LEMOS, C.T.G. de. (2006). Uma crítica (radical) à noção de desenvolvimento na aquisição de linguagem. in: lieRDE VITTO, M. F.; ARANTES, L. (Org.) Aquisição, Patologias e Clínica de Linguagem. sp: eDUC, v. 1, p. 21- 32.

CARNEIRO e SCARPA - Singularidade nas manifestações de falas gagas

LIER-DEVITTO, M. F. (1998). Os monólogos da criança: delírios da língua. SP: EDUC/FAPESP.

CARNEIRO e SCARPA. (2002). Questions on the normal-pathological polarity. Revista da ANPOLL. São Paulo: EDUSP.

CARNEIRO e SCARPA. (2004). sobre a posição do investigador e a do clínico frente a falas sintomáticas. Letras de Hoje. porto alegre, v. 39, n.3, p. 47-59, setembro.

CARNEIRO e SCARPA. (2006). patologias da linguagem: sobre as “vicissitudes de falas sintomáticas”. in: LIER-De VITTO, M. F; ARANTES, L. (Org.) Aquisição, Patologias e Clínica de Linguagem. SP: EDUC, FAPESP, p. 183-200.

MERLO, S. (2006). Hesitações na fala semi-espontânea: análise por séries temporais. Dissertação de Mestrado. IEL/UNICAMP.

NESPOR, M.; VOGEL, I. (1986). Prosodic phonology. Dordrecht: Foris Publications.

SAUSSURE, F. (1973). Curso de Lingüística Geral. SP: Cultrix.

SCARPA, E. (1995). Sobre o sujeito fluente. Cadernos de Estudos Lingüísticos, 29, p. 163-184. Campinas: UNICAMP.

SCARPA, E. (2006). (Ainda) sobre o sujeito fluente. In: LIER-DE VITTO, M. F.; ARANTES, L. (org.) Aquisição, Patologias e Clínica de Linguagem. SP: EDUC, v. 1, p. 161-180.

Downloads

Publicado

2012-07-19

Como Citar

CARNEIRO, C.; SCARPA, E. M. Singularidade nas manifestações de falas gagas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 155–166, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636977. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636977. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)