Análise acústica da fala suavizada: estudo de caso em gagueira

Autores

  • Sandra Merlo Universidade Estadual de Campinas
  • Plínio Almeida Barbosa Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636978

Palavras-chave:

Gagueira. Suavização. Análise Acústica.

Resumo

A suavização é uma estratégia utilizada no tratamento comportamental da gagueira. A estratégia reduz a frequência da gagueira, mas também modifica a prosódia da fala. O objetivo desta pesquisa é comparar diversos parâmetros acústicos da fala suavizada em relação à fala habitual. Para tanto, foi realizado um estudo de caso. O sujeito da pesquisa foi um homem adulto, falante nativo do português brasileiro, com gagueira desde a infância. Ele leu frases-veículo que continham palavras-chave. Ao todo, foram utilizadas 21 palavras-chave: cada uma iniciando com uma das três plosivas não-vozeadas [p, t, k], seguidas por uma das sete vogais orais do português brasileiro [a, eh, e, i, oh, o, u]. As palavras-chave foram do tipo [‘CVCV]. Todas as frases foram lidas cinco vezes com a forma habitual e suavizada de fala. Os resultados indicaram que a frequência da gagueira diminuiu com a fala suavizada (p < 0,001). A fase de oclusão das plosivas, as palavras-chave e as frases apresentaram duração reduzida (p < 0,001), enquanto a fase de soltura das plosivas e o tempo de início do vozeamento apresentaram duração aumentada (p < 0,001) na fala suavizada em relação à fala habitual. Esses achados sugerem que a fala suavizada é um modo hipoarticulado de fala. Também houve diminuição da frequência fundamental das vogais e das palavras-chave (p < 0,001), indicando que a fala suavizada é aplicada em nível glótico. Não houve modificações nos três primeiros formantes das vogais, indicando que a fala suavizada não altera a precisão articulatória. Também houve redução da inclinação espectral das sentenças (p < 0,001), sugerindo que a fala suavizada aumenta a energia sonora em altas frequências. Portanto, a suavização não apenas reduz o número de hesitações gaguejadas, mas também modifica significativamente a prosódia da fala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Merlo, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas - Departamento de Linguística, Grupo de Estudos de Prosódia da Fala.

Plínio Almeida Barbosa, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas - Departamento de Linguística, Grupo de Estudos de Prosódia da Fala.

Referências

ALM, P. A. (2004) Stuttering and the basal ganglia circuits: a critical review of possible relations. Journal of Communication Disorders, 37 (4), 325-69.

ALM, P. A. (2005). On the causal mechanisms of stuttering. PhD thesis. Lund: Lund University.

ANDRADE, C. R. F. de (1999). Tratamento e intervenção precoce no tratamento das gagueiras infantis. Carapicuíba: Pró-Fono.

ANDRADE, C. R. F. de. (2006). Perfil da fluência da fala: parâmetro comparativo diferenciado por idade para crianças, adolescentes, adultos e idosos. Barueri: Pró-Fono. CD-ROM (Série livros digitais de pesquisas financiadas por agências de fomento).

ARCURI, C. F.; OSBORN, E.; SCHIEFER, A. M. & CHIARI, B. M. (2009). Taxa de elocução de fala segundo a gravidade da gagueira. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, 21 (1), 45-50.

BARBOSA, P. A. (2006). Incursões em torno do ritmo da fala. Campinas e São Paulo: Pontes Editores e Fapesp.

BLOMGREN, M.; ROBB, M. & CHEN, Y. (1998). A note on vowel centralization in stuttering and nonstuttering individuals. Journal of Speech Language and Hearing Research, 41 (5), 10421051.

BOERSMA, P. & WEENINK, D. (2009). Praat: doing phonetics by computer (versão 5.1.12) [programa de computador]. Download realizado em 01 de março de 2009, a partir de http://www. praat.org

BOHNEN, A. J. & RECCO, V. (2006). Características anátomo-fisiológicas do aparelho fonador de pessoas que gaguejam: estudo piloto. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, Salvador. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, vol. I.

BOSSHARDT, H. G.; SAPPOK, C.; KNIPSCHILD, M. & HOLSCHER, C. (1997). Spontaneous imitation of fundamental frequency and speech rate by nonstutterers and stutterers. Journal of Psycholinguistic Research, 26 (4), 425-48.

BOTHE, A. K.; DAVIDOW, J. H.; BRAMLETT, R. E. & INGHAM, R. J. (2006). Stuttering treatment research 1970–2005: I. systematic review incorporating trial quality assessment of behavioral, cognitive, and related approaches. American Journal of Speech-Language Pathology, 15, 321341.

BRADLOW, A. R.; TORRETTA, G. M. & PISONI, D. B. (1996). Intelligibility of normal speech I: global and fine-grained acoustic-phonetic talker characteristics. Speech Communication, 20, 255-272.

COLACICCO, F. B.; SCHIEFER, A. M. & OSBORN, E. (2005). Medidas acústicas de duração da fala de indivíduos gagos e não gagos. Fono Atual, 8(31), 26-30.

DENNY, M. & SMITH, A. (1997). Respiratory and laryngeal control in stuttering. In: Curlee, R. F.

MERLO e BARBOSA - Análise acústica da fala suavizada... & Siegel, G. M. (eds). Nature and treatment of stuttering: new directions. 2nd ed. Boston: Allyn and Bacon. 128-142.

DROMEY, C. & RAMIG, L. O. (1998). Intentional changes in sound pressure level and rate: their impact on measures of respiration, phonation, and articulation. Journal of Speech Language and Hearing Research, 41 (5), 1003-18.

FARNETANI, E. (1997). Coarticulation and connected speech processes. In: Hardcastle, W. J. & Laver, J. (eds). The handbook of phonetic sciences. Oxford: Blackwell Publishers. 371-404.

FRANCIS, A. L.; CIOCCA, V. & YU, J. M. C. (2003). Accuracy and variability of acoustic measures of voicing onset. Journal of the Acoustical Society of America, 113 (2), 1025-1032.

HANSON, H. M. & CHUANG, E. S. (1999). Glottal characteristics of male speaker: acoustic correlates and comparison with female data. Journal of the Acoustical Society of America, 106 (2), 1064-1077.

HARNSBERGER, J. D.; WRIGHT, R. & PISONI, D. B. (2008). A new method for eliciting three speaking styles in the laboratory. Speech Communication, 50, 323-336.

IMBRIE, A. K. K. (2005). Acoustical study of the development of stop consonants in children. PhD thesis. Massachusetts Institute of Technology.

JOHNSON, K. (1997). Acoustic & auditory phonetics. Cambridge (MA) e Oxford: Blackwell Publishers.

KRAUSE, J. C. & BRAIDA, L. D. (2002). Investigating alternative forms of clear speech: the effects of speaking rate and speaking mode on intelligibility. Journal of the Acoustical Society of America, 112 (5), 2165-2172.

KRAUSE, J. C. & BRAIDA, L. D. (2004). Acoustic properties of naturally produced clear speech at normal speaking rates. Journal of the Acoustical Society of America, 115 (1), 362-378.

MARCHESAN, I. Q. (1998). Fundamentos em Fonoaudiologia - aspectos clínicos da motricidade oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

MCCREA, C. R. & MORRIS, R. J. (2005). The effects of fundamental frequency level on voice onset time in normal adult male speakers. Journal of Speech, Language, and Hearing Research, 48 (5), 1013-1024.

MEIRA, I. (1997). Gagueira. In: Goldfeld, M. Fundamentos em Fonoaudiologia: linguagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p. 53-68.

MUNHALL, K. G.; OSTRY, D. J. & PARUSH, A. (1985). Characteristics of velocity profiles of speech movements. Journal of Experimental Psychology Hum Percept Perform, 11(4), 457-74.

MURRY, T.; XU, J. J. & WOODSON, G. E. (1998). Glottal configuration assoaciated with fundamental frequency and vocal register. Journal of Voice, 12 (1), 44-49.

OLIVEIRA, C. M. C. de. (2007). Gagueira familial: repercussões clínicas. In: Rocha, E. M. N. (Coord.). Gagueira: um distúrbio de fluência. São Paulo: Editora Santos. 107-131.

ONSLOW, M.; VAN DOORN, J. & NEWMAN, D. (1992). Variability of acoustic segment durations after prolonged-speech treatment for stuttering. Journal of Speech and Hearing Research, 35 (3), 529-36.

PACKMAN, A.; ONSLOW, M. & VAN DOORN, J. (1994). Prolonged speech and modification of stuttering: perceptual, acoustic, and electroglottographic data. Journal of Speech and Hearing

Research, 37 (4), 724-37.

PROSEK, R. A.; MONTGOMERY, A. A.; WALDEN, B. E. & HAWKINS, D. B. (1987). Formant frequencies of stuttered and fluent vowels. Journal of Speech and Hearing Research, 30 (3), 301-305.

RILEY, G. D. & INGHAM, J. C. (2000). Acoustic duration changes associated with two types of treatment for children who stutter. Journal of Speech, Language, and Hearing Research, 43(4), 965-78.

ST. LOUIS, K. O. & MYERS, F. L. (1997). Management of cluttering and related fluency disorders. In: Curlee, R. F. & Siegel, G. M. (eds). Nature and treatment of stuttering: new directions. 2nd ed. Boston: Allyn and Bacon. 313-332.

OSTRY, D. J. & MUNHALL, K. G. (1985). Control of rate and duration of speech movements. Journal of Acoustical Society of América, 77(2), 640-8.

PEREIRA, L. D. (1993). Processamento Auditivo. Temas sobre Desenvolvimento, 11, 7-14.

PRINS, D. (1997). Modifying stuttering – the stutterer’s reactive behavior: perspectives on past, present, and future. In: Curlee, R. F. & Siegel, G. M. (eds). Nature and treatment of stuttering: new directions. 2nd ed. Boston: Allyn and Bacon. 335-355.

RAMIG, P. R. & BENNETT, E. M. (1997). Clinical management of children: direct management strategies. In: Curlee, R. F. & Siegel, G. M. (Eds). Nature and treatment of stuttering: new directions. 2nd ed. Boston: Allyn and Bacon. 292-312.

RILEY, G. D. & INGHAM, J. C. (2000). Acoustic duration changes associated with two types of treatment for children who stutter. Journal of Speech, Language and Hearing Research, 43(4), 965-78.

YARUSS, S. (2004). Speech disfluency and stuttering in children. In: Kent, R. D. (Ed.). The MIT encyclopedia of communication disorders. Cambridge (MA) e Londres: A Bradford Book e The MIT Press. 180-183.

Downloads

Publicado

2012-07-19

Como Citar

MERLO, S.; BARBOSA, P. A. Análise acústica da fala suavizada: estudo de caso em gagueira. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 54, n. 1, p. 167–181, 2012. DOI: 10.20396/cel.v54i1.8636978. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636978. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos