O sentido das cidades virtuais

Autores

  • Cristiane Dias Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v53i2.8636982

Palavras-chave:

Cidade. Linguagem. Sentido.

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão sobre a linguagem informática, numérica, como mediadora das relações que se estabelecem entre o sujeito e os sentidos produzidos sobre cidade, num ambiente virtual. Para tanto, vou analisar uma montagem discursiva de imagens do percurso de um avatar no ambiente virtual do Second Life da favela de Heliópolis, na cidade de São Paulo e Cidade de Deus, no Rio de Janeiro. Essa análise tem como objetivo compreender como o discurso da cidade se textualiza na materialidade do mundo virtual,considerando, de um lado, a linguagem informática em sua forma visível e, de outro lado, a linguagem humana,em sua forma material.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Dias, Universidade Estadual de Campinas

Laboratório de Estudos Urbanos (Nudecri) da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

DUBEY, Gérard. (2001). Le lien social à l‘ère du virtuel. Paris: PUF.

HERRENSCHMIDT, Clarisse. (2007). Les trois écritures: langue, nombre, code. Paris: Éditions Gallimard.

DIAS– O sentido das cidades virtuais

ORLANDI, Eni. (2011). Língua, comunidade e relações sociais no espaço digital. In: DIAS, Cristiane (org.) eUrbano: sentidos do espaço urbano/digital. Campinas: Labeurb http://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/. Acesso em 29 ago 2011.

LEMOS, André. O que é cidade digital? In. Guia das cidades digitais. http:// www.guiadascidadesdigitais.com.br/site/pagina/o-que-cidade-digital. Acesso em 25 ago 2011

MAGERAND, Jean; MORTAMAIS, Elizabeth. (2003). Vers la cité hypermédiate: du modernisme-fossile à l’hypercité-immédiate. Paris: L’Harmattan.

ORLANDI, Eni. (2004). Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, Eni. (2001). Discurso e texto. Campinas: Pontes.

PECHEUX, Michel. (2010). Análise automática do discurso (AAD69). In.

GADET, F. e HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso. Trad. Bethania Mariani et al. Campinas: Editora da Unicamp.

PECHEUX, Michel. (2008). O discurso, estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Orlandi. 5 ed. Pontes.

QUÉAU, Philippe. (1995). Lo virtual: virtudes y vértigos. Trad. Patrick Ducher. Barcelona-Buenos AiresMéxico: Paidós.

ROBIN, Régine. (2009). Mégapolis: les derniers pas du flâneur. Paris: Stock.

Downloads

Publicado

2011-12-26

Como Citar

DIAS, C. O sentido das cidades virtuais. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 53, n. 2, p. 125–136, 2011. DOI: 10.20396/cel.v53i2.8636982. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636982. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos