Uma imagem na cidade: no flagrante, um sentido

Autores

  • Marcos Aurélio Barbai Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v53i2.8636986

Palavras-chave:

Image. Ville. Videosuveillance Urbaine.

Resumo

Este artigo tem por objetivo refletir sobre o acontecimento político e simbólico que tem produzido o território como uma cena visível e legível, através das imagens fabricadas pelos sistemas de vigilância e monitoramento urbano, ferramenta atual e indispensável para administrar a vida na cidade e a circulação no espaço urbano. Sustentados por nosso material de análise, a saber, uma multa de trânsito, perguntamos: que sentidos falam a imagem e o escrito da lei? Há uma imagem da memória constituindo e fabricando sentidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Aurélio Barbai, Universidade Estadual de Campinas

Pesquisador C, no Laboratório de Estudos Urbanos, do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade, da Unicamp.

Referências

AUMONT, J. (1985). A Imagem. Tradução: Estela dos Santos Abreu e Cláudio C. Santoro. Campinas, SP. Papirus.

BACHELAR, G. (1998). A Água e os Sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes.

BARBAI, M. A. (2009). Ver no já-visto: imagem e filiação. IN: SCHERER, A. E; PETRI, V; DIAS, C. (orgs). Coleção Hiper S@beres, Livro Digital II. Tecnologias de Linguagem e Produção do Conhecimento. PPGL/UFSM, 2009. ISSN: 2177-6385, ISBN: 978-85-99527-20-7. http://w3.ufsm.br/hipersaberes/ volumeII/index.php?option=com_morfeoshow&task=view&gallery=2&Itemid=463

COUCHOT, E. Da representação à simulação: evolução das técnicas e das artes da figuração. In: Imagem Máquina: a era das tecnologias. PARENTE, A. (org). São Paulo: Editora 34, p. 37-48.

COURTINE, J-J. O chapéu de Clémentis. In: Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Indursky, F. e Ferreira, M.C.L. (orgs). Porto Alegre: Editora Sagra Luzzato, p. 15-22.

DELEUZE, G. (1992). Conversações. Trad. Peter Pal Pelbart. São Paulo: Ed. 34.

FOUCAULT, M. (1996). A ordem do discurso. Trad. Laura F. de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola.

FOUCAULT, M. (2008). Segurança, Território, População: curso dado no Collège de France (1977-1978). Edição estabelecida por Michel Senellart sob a direção de François Ewald e Alessandro Fontana. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes.

QUINET, A. (2002). Um olhar a mais: ver e ser visto na psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

L’HEUILLET, H. (2001). Basse politique, haute Police: une approche historique et philosophique de la police. Paris: Librairie Arthème Fayard.

ORLANDI, E P. (2001). Discurso e Texto: Formulação e Circulação de Sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E P. (2004).Cidade dos Sentidos. Campinas, São Paulo: Pontes.

ORLANDI, E P. (2010). Formas de Individuação do Sujeito Feminino e Sociedade Contemporânea: o Caso da Delinqüência. IN: ORLANDI, E. P. (org.) Discurso e políticas públicas urbanas: A fabricação do consenso. Campinas, Editora RG, p. 11-42

PARENTE, A. Os paradoxos da imagem-máquina. In: Imagem Máquina: A era das tecnologias. PARENTE, A. (org). São Paulo: Editora 34, p. 7-33.

PÊCHEUX, M. (1988). Semântica e Discurso: uma Crítica à Afirmação do Óbvio. Campinas: Ed. Unicamp.

PÊCHEUX, M. (1997). Ler o arquivo hoje. In: Gestos de Leitura, ORLANDI, E (org). Campinas: Ed. Unicamp, p. 55-65.

PÊCHEUX, M. (1999). Papel da Memória. IN: Papel da Memória. Trad. José H. Nunes. Campinas, P: Pontes, p. 4957.

VIRILIO, P. (1993). A Inércia Polar. Trad. Ana L. Faria. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

ROCHA, C. H. B. (2003). GPS de navegação: para mapeadores, trilheiros e navegadores. Juiz de Fora: Ed. Autor.

Downloads

Publicado

2011-12-26

Como Citar

BARBAI, M. A. Uma imagem na cidade: no flagrante, um sentido. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 53, n. 2, p. 169–178, 2011. DOI: 10.20396/cel.v53i2.8636986. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636986. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos