(In)determinação e subjetividade na linguagem de afásicos: a inclinação anti-referencialista dos processos enunciativos

Autores

  • Edwiges Maria Morato Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v41i0.8637001

Palavras-chave:

Linguística.

Resumo

This paper presents some issues raised by a enunciative approach of referencing and subjectivity in the aphasic context. For this purpose, we extract our analysis from the empirical material of our investigation about signification process in a conversational situation within the pathological context. First, some assumptions of this approach are discussed, focussing on the interlocutives activities of the aphasics and non-aphasic subjects. Then some consequences for the neurolinguistic study are explicitated.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edwiges Maria Morato, Universidade Estadual de Campinas

Professora-Associada II (Livre-docente) do Departamento de Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. (1998). Palavras incertas – As não-coincidências do dizer. Campinas: Ed. da Unicamp.

BAKHTIN, M. (1995). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

BAKHTIN, M. (1997). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

BENVENISTE, É. (1989). Problemas de Lingüística Geral I. Campinas: Pontes.

BERLYNE, N. (1972). Confabulation. British Journal of Psychiatry 120: 31-39.

COUDRY, M.I.H. & MORATO, E.M. (1988). A ação reguladora da interlocução e de operações epilingüísticas sobre objetos lingüísticos. Cadernos de Estudos Lingüísticos 15: 117-136.

CAZELATO, S. O estudo de formas meta-enunciativas em sujeitos afásicos: A enunciação proverbial. Projeto de Iniciação Científica/FAPESP (Orientadora: Edwiges Maria Morato).

CULIOLI, A. La formalisation en Linguistique. Cahiers pour l’analyse 9:106-117.

DUCROT, O. (1980). Les mots du discous. Paris: Minuit.

DUCROT, O. (1987). O dizer e o dito. Campinas: Pontes.

FOUCAULT, M. (1963). Naissance de la clinique. Une archéologie du regard medical. Paris: PUF.

FOUCAULT, M. (1969). L’Archéologie du savoir. Paris: Gallimard.

FRANCHI, C. Linguagem – atividade constitutiva. Almanaque 5: 9-27.

GADET, F. (1990). Prefácio. Por uma análise automática do discurso (F. Gadet & T. Hank, orgs). Campinas: Editora da Unicamp.

GERALDI, J.W. (1991). Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes.

HAROCHE, C. (1992). Da anulação à emergência do sujeito: os paradoxos da literalidade no discurso (elementos para uma história do individualismo). Cadernos PUC 8:61-86. JACQUES, F. (1982). Différence et Subjectivité. Paris: Aubier Montaigne.

JAKOBSON, R. (1963). Les embrayeurs, les categories verbales et le verbe russe. Essais de linguistique générale. Paris: Minuit.

KOCH, I.G.V. (1999). Referenciação: construção discursiva. (mimeo).

MAINGUENEAU, D. (1996). Elementos de lingüística para o texto literário. São Paulo: Martins Fontes.

MAINGUENEAU, D. (1989). Novas tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes.

MAINGUENEAU, D. (2000). Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez.

MARCUSCHI, L.A. (1994). Estratégias de identificação referencial na interação face a face (mimeo).

MONDADA, L. & DUBOIS, D. (1995). Construction des objets de discours et catégorisation: une approche des processus de référentiation. In.: Du syntagme nominal aux objets de discours: SN complexes, nominalisations, anaphors. (orgs. A Berrendonner & M-J Reichler-Béguelin), TRANEL 23:273-302.

MORATO, E.M. (1995). O discurso à deriva ou as sem-razões do sentido: um estudo da confabulação no contexto neuropsicológico. Tese de Doutoramento. IEL/Unicamp. Inédito.

MORATO, E.M. (1999). Afasia e heterogeneidade discursiva. Investigando a linguagem. (orgs. Loni Grimm Cabral & José Morais). Florianópolis: Editora Mulheres.

MORATO, E.M. (2000). As afasias entre o normal e o patológico. Direito à Fala – a questão do conceito lingüístico (orgs. Fábio Lopes & Heronides Moura). Florianópolis: Insular.

MORATO, E.M. (2001). A construção meta-enunciativa na linguagem de sujeitos afásicos: subsídios para um protocolo de investigação neurolingüística (Proc./CNPq 301396/96-5), Relatório de Pesquisa.

NOVAES-PINTO, R.C. (1999). “A contribuição do estudo discursivo para uma análise crítica das categorias clínicas” Tese de Doutoramento. IEL/Unicamp. Inédito.

POSSENTI, S. (1988). Discurso, estilo e subjetividade. São Paulo, Martins Fontes.

THÉVOZ, M. (1978). Le langage la rupture. Paris: PUF.

TODOROV, T. (1980). Les genres du discours. Paris: Minuit.

VION, R. (1992). La communication verbale - Analyse des interactions. Paris: Hachette.

WITTGENSTEIN, L. (1975). Investigações Filosóficas. São Paulo: Abril.

Downloads

Publicado

2011-09-12

Como Citar

MORATO, E. M. (In)determinação e subjetividade na linguagem de afásicos: a inclinação anti-referencialista dos processos enunciativos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 41, p. 55–74, 2011. DOI: 10.20396/cel.v41i0.8637001. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637001. Acesso em: 30 nov. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>