Banner Portal
O estatuto da narrativa oral no desenvolvimento da linguagem de crianças no contexto patológico sob uma perspectiva discursiva
PDF

Palavras-chave

Linguística.

Como Citar

PEROTINO, Silvana. O estatuto da narrativa oral no desenvolvimento da linguagem de crianças no contexto patológico sob uma perspectiva discursiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 45, p. 69–77, 2011. DOI: 10.20396/cel.v45i0.8637017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637017. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

This paper intends to examine the consequences of a discursive approach language to the therapeutic processes of psychotic children. The linguistic transformations observed in the children language are postulate to the narrative context. The effects of deviant child language on the other determine the status of patient as speaker.
https://doi.org/10.20396/cel.v45i0.8637017
PDF

Referências

ALBANO, E. C. (1990). Da Fala à Linguagem Tocando de Ouvido. São Paulo: Martins Fontes.

ARANTES, L. (1994). O Fonoaudiólogo, este aprendiz de feiticeiro. In: LIER-DE VITTO, M. F. (org.) Fonoaudiologia: no sentido da linguagem. São Paulo: Cortez.

BARON-COHEN, S.; LESLIE, A. M.; FRITH, U. (1985). Does the Autistic Child Have a “Theory of Mind”? Cognition, 21: 37-146.

BERBERIAN, A. P. (1995). Fonoaudiologia e Educação: Um Encontro Histórico. São Paulo: Plexus.

COUDRY, M. I. H. (1988). Diário de Narciso - discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes.

FERNANDES, F. D. M. (1996). Autismo Infantil: repensando o enfoque fonoaudiológico. São Paulo: Lovise.

FERNANDES, F. D. M.; PASTORELLO, L. M.; SCHEUER, C. I. (1995). Fonoaudiologia em Distúrbios Psiquiátricos da Infância. São Paulo: Lovise.

FOSTER, O. H. (1999). Autismo em Neurologia Infantil. In: JERUSALINSKY, A. e cols. Psicanálise e Desenvolvimento Infantil. Porto Alegre: Artes e Ofícios.

GARCEZ, I, F. C. (1995). Narrativa em Crianças Psicóticas. In: FERNANDES, F.; PASTORELLO, L. M.; SCHEUER, C. I. Fonoaudiologia em Distúrbios Psiquiátricos da Infância. São Paulo: Lovise.

LEMOS, C. T. G. de. (1986). Interacionismo e Aquisição de Linguagem. DELTA. São Paulo, EDUC, n. 2, p 1628.

LEMOS, C. T. G. de. (2002). Sobre o Estatuto Lingüístico e Discursivo da Narrativa na Fala da Criança. Campinas: [s.n.]. Inédito.

LEMOS, M. T. G. (1994). A língua que me falta: uma análise dos estudos em Aquisição de Linguagem. IEL/ UNICAMP. Tese de Doutorado.

PÊCHEUX, M. (1990). O discurso – estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes.

PERRONI, M. C. (1992). Desenvolvimento do Discurso Narrativo. São Paulo: Martins Fontes.

SACKS, O. (1995). Um Antropólogo em Marte- sete histórias paradoxais. São Paulo: Companhia das Letras.

SOARES, M. E. (1994). Aspectos Relativos à Produção de Narrativas por Crianças de 3 a 9 anos in: Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, IEL/UNICAMP n.26, p.79-102.

WOBUS, J. (18/12/02)). Perguntas más Frecuentes sobre Autismo, Autismo. Espanha. disponível em http://www.autismo.com/scripts/articulo/1997-/htm.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.