HISTÓRIA, SUJEITO, ENUNCIAÇÃO

Autores

  • Eduardo Guimarães UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v35i0.8637132

Resumo

-

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSTIN, J.L. 1962. Quando Dizer É Fazer. Porto Alegre, Artes Médicas, 1990.

BAKHTIN, M. 1929. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo, Hucitec, 1979.

______. 1963. La Poétique de Dostoievski. Paris, Seuil, 1970.

______. 1975. Questões de Literatura e de Estética. Teoria do Romance. São Paulo, Hucitec Editora Unesp, 1988.

BALLY, C. 1932. Linguistique générale et linguistique française. Francke Berne, 1965.

BARROS, D. L. P. e FIORIN, J. L. 1994. Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade. São Paulo, Edusp.

BENVENISTE, E. 1966. Problemas de Linguística Geral I. Campinas, Pontes, 1988.

______. 1974. “O Aparelho Formal da Enunciação”. Problemas de Linguística Geral II. Campinas, Pontes, 1989.

DUCROT, O. 1972. Princípios de Semântica Linguística. São Paulo, Cultrix, 1977.

______. 1973 “As Escalas Argumentativas”. Provar e Dizer. São Paulo, Global, 1981.

______. 1977. “Estruturalismo e Enunciação”. Princípios de Semântica Linguística. São Paulo, Cultrix.

______. 1984. O Dizer e o Dito. Campinas, Pontes, 1987.

FREGE, G. 1892. “Sobre o Sentido e a Referência”. Lógica e filosofia da Linguagem. São Paulo, Cultrix/Edusp, 1978.

GRICE, H. P. 1957. “Meaning”. In: Steinberg,E. e L. Jakobovits, Semantics. Cambridge University Press, 1974.

______. 1967. “Logic end Conversation”. In: Cole, P. e J. Morgan, Syntax and Semantics, v. 3. New York, Academic Press, 1975.

GUIMARÃES, E. 1995. Os Limites do Sentido. Campinas, Pontes.

KATZ, J. 1972. Semantic Theory. New York, Harper e Row.

LECOURT, D. 1978. Pour une Critique de L’Épistémologie. Paris, Maspero.

ORLANDI, E. P. 1977. “A Linguagem em Revista: a Mulher-fêmea”. Sobre a Linguagem. Uberaba, Fista.

______. 1979. “A Sociolinguística, a Teoria da Enunciação e a Análise de Discurso (Convenção e Linguagem)”. Sobre o Discurso. Uberaba, Fista.

______. 1981. “O Discurso da História para a Escola”. Português: Estudos Linguísticos. Uberaba, Fiube.

______. 1983. A Linguagem e seu Funcionamento. As Formas do Discurso. São Paulo, Brasiliense.

______. 1992. As Formas do Silêncio. Campinas, Editora da Unicamp.

ORLANDI, E. P. e GUIMARÃES, E. 1988. “Unidade e Dispersão: uma Questão do Texto e do Sujeito”. Cadernos Puc, 31.

PÊCHEUX, M. 1983. Discurso. Estrutura ou Acontecimento. Campinas, Pontes, 1990.

______. 1971. “La Sémantique et la coupure saussurienne: langue, langage, discours”. Langages, 24.

RAJAGOPALAN, K. 1992. “O Lugar da Ideologia no Pensamento de J. L. Austin: uma Sondagem Preliminar”. Cadernos de Estudos Linguísticos, 22.

SEARLE, J. 1969. Os Actos de Fala. Coimbra, Almedina, 1984.

VOGT, C. 1978. “Linguagem, Língua e Poder”. Contexto, 5.

______. 1980. “Por uma Pragmática das Representações”. Discurso, 11.

______. 1980. Linguagem, Pragmática e Ideologia. São Paulo, Hucitec.

Downloads

Publicado

2011-08-08

Como Citar

GUIMARÃES, E. HISTÓRIA, SUJEITO, ENUNCIAÇÃO. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 35, 2011. DOI: 10.20396/cel.v35i0.8637132. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637132. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos