‘SARAVÁ ZIFIU!’: A integração do prefixo ‘ZI’ em Afro-variedades do português

Autores

  • Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v55i2.8637288

Palavras-chave:

Contato linguístico. Português Brasileiro. Afro-português.

Resumo

Tendo como pano de fundo a pesquisa sobre a participação de africanos e afrodescendentes na constituição do português brasileiro, o objetivo deste trabalho é analisar ocorrências do prefixo z’/zi, assim como sua variante ji, em representações orais e escritas da fala de africanos e seus descendentes no Brasil e compará-las com ocorrências da mesma partícula em variedades do português africano. As questões de pesquisa são: qual é a origem desta partícula e como se deu sua integração no português brasileiro e nas variedades do português africano? Argumenta-se que a partícula em questão é um vestígio de prefixo de classe nominal de origem bantu que perdeu a sua função gramatical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Álvarez López, Universidade de Estocolmo

Professora associada (livre-docente) do departamento de Espanhol, Português e Estudos Latino Americanos. Trabalha na área da Sociolinguística.

Referências

ABREU, M. Outras histórias de Pai João: conflitos raciais, protesto escravo e irreverência sexual na poesia popular, 1880-1950. Afro-Ásia, n. 31, p. 235-76, 2004.

ALKMIM, T. A variedade lingüística de negros e escravos: um tópico do português no Brasil. In: Mattos e SILVA, ROSA V. (ed.). Para a história do português brasileiro. Vol. II, Tomo II – Primeiros Estudos. São Paulo: Humanitas FFLCH/USP, 2001. p. 317-335.

ALKMIM, T. Fala de escravos brasileiros e portugueses: um esboço de comparação. Comunicação apresentada no VI Seminário para a História do Português do Brasil, Salvador, Bahia, 29 de agosto-2 de setembro, 2004.

ALVAREZ – ‘SARAVÁ ZIFIU’: A Integração do Prefixo ‘Zi’ em Afro-Variedades do Português ALKMIM, T. e ÁLVAREZ LÓPEZ, L. Registros da escravidão: as falas de pretos-velhos e de Pai João. Stockholm Review of Latin America Studies, n. 4, p. 37-48, 2009.

ÁLVAREZ LÓPEZ, L. Um estudo sobre a partícula ’zi/ji’ em representações da fala de africanos e seus descendentes no Brasil”. In: SCHRADER-KNIFFKI, M. e MORGENTHALER GARCíA, L. (eds.). Romania en interacción: Entre historia, contacto y política. Ensayos en homenaje a KLAUS ZIMMERMANNN. Madrid/Frankfurt: Iberoamericana/VERVUERT, 2007. p. 391-413.

ÁLVAREZ LÓPEZ, L. Fontes escritas como documentação do português falado por africanos e afrodescendentes no Brasil. In: GONÇALVES, C. A. e LEITÃO de ALMEIDA, M. L. (red.). Língua portuguesa: identidade, difusão e variabilidade. Rio de Janeiro: AILP/Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008. p. 287-302.

AMARAL, A. O dialeto caipira: gramática, vocabulário. São Paulo: Editora Huitec, 1982 [1920].

ANDRADE, M. e. Música doce música. São Paulo: L. G. MIRANDA Editor, 1934.

ANGENOT, J-P. e JACQUEMIN, J-P. Identificação de critérios lingüísticos que permitem precisar a origem dos empréstimos bantos no português do Brasil. Comunicação apresentada na X Reunião Brasileira de Antropologia, Salvador, Bahia, 22 a 25 de fevereiro, 1976.

AZEVEDO, M. Vozes em branco e preto: a representação literária da fala não-padrão. São Paulo: Edusp, 2003.

AZEVEDO, R. CORRÊA. Etnografia de uma fala rural: Itapecuru. Ciência e cultura, v. 36, n. 5, p. 806-814, 1984.

BAKER, P. Agglutinated French Articles in Creole French: Their Evolutionary Significance. Te Reo, n. 27, p. 89-129, 1984.

BAKER, P. e WINER, L. Separating the wheat from the chaff. In: BAKER, P. e BRUYN, A. (eds.). St Kitts and the Atlantic creoles. The texts of Samuel Augustus Mathews in perspective. London: University of Westminster Press, 1999. p. 103-122.

BENTLEY, W. H. Dictionary and grammar of the Kongo language as spoken in San Salvador, the ancient capital of the old Kongo Empire, West Africa. London: Baptist Missionary Society/Trübner & Co, 1887.

BONVINI, E. Les langues des ‘Pretos Velhos’ (Vieux Noirs) au Brésil: Un créole à base portugaise d’origine africaine? Bulletin de la Societé de Linguistique de Paris, t. XCV, fasc.1, p. 389-416, 2000.

BRANDÃO, T. Folclore de Alagoas. Maceió: Casa Ramalho, 1949.

BUENO, F. da SILVEIRA. Influência das línguas africanas no português do Brasil. Jornal de Filologia, v. 2, n. 3, p. 217-31, 1954.

BYRD, S. Calunga, an Afro-Brazilian speech of the Triângulo Mineiro: Its grammar and history. Tese de Doutorado, Austin: University of Texas, 2005.

CANNECATTIM, b. M. de. Collecção de observações grammaticaes sobre a língua bunda ou angolense; e Diccionario da língua Conguesa. Lisboa: Impressão Régia, 1805.

CASTRO, Y. PESSOA de. De l’intégration des apports africains dans les parlers de Bahia au Brésil. Tese de Doutorado, Universidade Nacional do Zaire, 1976.

CASTRO, Y. PESSOA de. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

CHATELAIN, H. Kimbundu grammar: Grammatica elementar de Kimbundu ou língua de Angola. Genebra, 1888/1889.

COELHO, A. Os dialetos românicos ou neolatinos na Africa, Asia e América. In: BARBOSA, J. MORAIS (ed.). Crioulos. [Reedição de artigos publicados no Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, 1880-1886]. Lisboa: Academia Internacional da Cultura Portuguesa, 1967. p. 1-234.

DIAS, P. Arte da Lingua de Angola, oferecida a Virgem Senhora N. Do Rosario, Mãy, & Senhora dos mesmos Pretos. Lisboa: Officina de Miguel Deslandes, 1697.

DINIZ, A. GARCIA e OLIVEIRA, G. MÜLLER de (eds.) Conversação: cordel da cultura afrobrasileira. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Núcleo de Estudos Portugueses, 1999.

DUARTE, A. Ciclo de Pai João. Diário de Pernambuco, Recife, 28 de julho de 1957. http://jangadabrasil.com.br/revista/fevereiro63/im63002c.asp (2 de fevereiro de 2005).

GOMES, F. ‘Novidades de seu pequeno mundo são objeto de conversa’: línguas e falares das nações africanas no Brasil Escravista – um repertório. Comunicação apresentada no Simpósio Dinâmicas Afro-Latinas: línguas e histórias, 27-28 de abril de 2011, UNICAMP, Campinas.

HEYWOOD, l. Portuguese into African: The Eighteenth-Century Central African Background to Atlantic Creole Cultures. In: HEYWOOD, L. (ed.). Central Africans and Cultural Transformations in the American Diaspora. Cambridge: Cambridge University Press, 2001, p. 91-114.

JOHNSON, A. Mbundo (Kimbundu) English-Portuguese dictionary with grammar and syntax. Philadelphia: The International Printing Company, 1930.

KADIMA, M. Le système de classes en bantou. Tese de Doutorado. Leuven: Universitet Leyden, 1969.

KATAMBA, F. Bantu nominal morphology. In: NURSE, d. e PHILIPPSON, G. (eds.). The Bantu Languages. London/New York: Routledge, 2003.

LADHAMS, J. Article agglutination and the African contribution to the Portuguese-based Creoles. In: BARTENS, a. e BAKER, P. (orgs.). Black through White. African words and calques which survived slavery in Creoles and transplanted European languages. London/Colombo: Battlebridge, 2012. p. 31-50.

LAMAN, K. Lärobok i Kongospråket (Kikongo). Stockholm: Svenska Missionsförbundet, 1912.

LAYTANO, D. de. Os africanismos do dialeto gaúcho. In: Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul. II Trimestre do ano XVI, 1936.

LIPSKI, J. Portuguese language in Angola: luso-creoles’ missing link?, 1995 http://www.personal. psu.edu/faculty/j/m/jml34/angola.pdf (20 de agosto de 2005).

LIPSKI, J. El español bozal. In: PeRl, M. e SCHWEGLER, A. América negra: panorámica actual de los estudios lingüísticos sobre variedades hispanas, portuguesas y criollas. Frankfurt am Main/ Madrid: Iberoamericana: Vervuert, 1998. p. 293-327.

LIPSKI, J. A history of Afro-Hispanic language: five centuries, five continents. New York: Cambridge University Press, 2005.

LUCCHESI, D. BAXTER, A. E RIBEIRO, i. (orgs.). O portugués afro-brasileiro. Salvador: Edufba, 2009.

ALVAREZ – ‘SARAVÁ ZIFIU’: A Integração do Prefixo ‘Zi’ em Afro-Variedades do Português MACEDO SOARES, A. J. de. Diccionario brazileiro da lingua portugueza: elucidario etymologico critico das palavras e phrases que, originarias do Brazil, ou aqui populares, se não encontrão nos diccionarios da lingua portugueza, ou nelles vêm com forma ou significação diferente: 1875-1888. [Separata de Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1889, tendo saído só este fascículo na altura].

MACHADO, e. Remanescentes de falares africanos na região diamantina de Minas Gerais – uma análise de léxico banto em vissungo de multa de Milho Verde (Serro/MG). Comunicação apresentada no II Congresso Internacional de dialetologia e sociolinguística, 24-29 de setembro de 2012, UFPA, Belém.

MAHO, J. A comparative study of Bantu noun classes. Tese de Doutorado. Göteborg: Acta Universitatis Gothoburgensis, 1999.

MANDARINO, E. E. (org.). O rosário do prêto-velho. Rio de Janeiro: Eco, 1967.

MARTINS, A. E. São Paulo Antigo (1554-1910). Vol. 2. São Paulo: Typographia do Diário Oficial, 1912.

MELLO, H. The genesis and development of Brazilian Venacular Portuguese. Tese de Doutorado. New York: CUNY, 1996.

MELO, G. CHAVES de. A língua do Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1975 [1946].

MENDONÇA, R. A influência africana no português do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973 [1933].

MINGAS, A. Interferência do kimbundu no português falado em Lwanda. Porto: Campo das Letras, 2000.

MUTAKA, N. e TAMANJI, P. n. Introduction to African Linguistics. Muenchen: Lincom Europa, 2000.

NERY, F. J. de SANTA-ANNA. Folclore Brasileiro. 2a ed. Recife: Editora Massangana, 1992 [1889].

NEVES, G. SANTOS. Ticumbi, 2004. http://usr.solar.com.br/~gandalf/ticumbi.html (2 de junho de 2006).

PARKVALL, M. Out of Africa. African influences in Atlantic Creoles. London: Battlebridge Publications, 2000.

PERL, M. e SCHWEGLER, A. Introducción. In: PERL, M. e SCHWEGLER, A. América negra: panorámica actual de los estudios lingüísticos sobre variedades hispanas, portuguesas y criollas. Frankfurt am Main/Madrid: Iberoamericana: Vervuert, 1998. p. 2-24.

RAIMUNDO, J. O elemento afro-negro na língua portuguesa. Rio de Janeiro: Renascença Editora, 1933.

RÉVAH, I. S. La question des substrats et superstrats dans le domaine linguistique brésilien. In: Romania, n. 84, p. 433-450, 1963.

RIBEIRO, J. O elemento negro. História - Folklore – Lingüística. Rio de Janeiro: Record, 1939.

RIBEIRO, M. de L. BORGES. Influência da cultura angolense no Vale do Paraíba. In: Revista Brasileira de Folclore, n. 20, p. 155-172, 1968.

RIBEIRO, R. M. de LIMA e MANIACKY, J. Crenças e línguas em contato: empréstimos da religião cristä nas línguas bantu. Comunicação apresentada no 13º Encontro da Associação dos Crioulos de Base Lexical Portuguesa e Espanhola, São Paulo, 1-3 de agosto, 2012.

SCHWEGLER, A. El Palenquero. In: PERL, M. e SCHWEGLER, A. América negra: panorámica actual de los estudios lingüísticos sobre variedades hispanas, portuguesas y criollas. Frankfurt am Main/Madrid: Iberoamericana: Vervuert, 1998. p. 218-291.

SILVA NETO, S. da. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: INL, 1963 [1951].

SLENES, R. Malungu, Ngoma Vem!: África Encoberta e Descoberta no Brasil. In: Cadernos do Museu da Escravatura 1, p. 1-24, 1995.

VASCONCELLOS, J. LEITE de. Tradições populares e dialecto. In: Revista de Estudos Livres, n. 1, p. 525-528, 1883.

WINFORD, D. An Introduction to Contact Linguistics. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

ZESPO, E. (org.) Pontos cantados e riscados da Umbanda. 9a ed. Rio de Janeiro: Editora Espiritualista, 1951.

ZIMMERMANN, K. Substandard’ lingüístico, língua não-padrão e mudança no português do Brasil: introdução teórica e metodológica. In: GROBE, S. e ZIMMERMANN, K. (eds.). Substandard e mudança no português do Brasil. Frankfurt am Main: TFM, 1998. p. 11-36.

ZIMMERMANN, K. O português não-padrão falado no Brasil: a tese da veriedade pós-crioula. In: ZIMMERMANN, K. (ed.), Lenguas criollas de base lexical española y portuguesa. Frankfurt am Main:Vervuert, 1999. p. 441-75.

Downloads

Publicado

2013-12-19

Como Citar

ÁLVAREZ LÓPEZ, L. ‘SARAVÁ ZIFIU!’: A integração do prefixo ‘ZI’ em Afro-variedades do português. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 55, n. 2, p. 7–23, 2013. DOI: 10.20396/cel.v55i2.8637288. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637288. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos