Entre lápis e teclas: selecionando e combinando letras

Autores

  • Fernanda Maria Pereira Freire Universidade Estadual de Campinas
  • Alline Kobayashi Universidade Estadual de Campinas
  • Bruna Garcia Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v55i2.8637290

Palavras-chave:

Escrita. Computador. Neurolinguística.

Resumo

O artigo analisa e discute dados do trabalho linguístico-cognitivo do sujeito RM (9a7m) com a fala, a leitura e a escrita em diferentes contextos de uso sociocultural da linguagem, incluindo aqueles mediados por computadores, com base na teorização da Neurolinguística Discursiva e, em especial, no conceito de organização bipolar da linguagem. Segundo a escola, RM apresenta dificuldades de leitura/escrita e dispersa-se facilmente das tarefas escolares. Observamos que o sujeito apresentava dúvidas recorrentes relacionadas à representação gráfica das letras, razão pela qual iniciamos um trabalho com vários tipos de letras usadas para ler e escrever, manuscritas e impressas, incluindo aquelas produzidas por meio do computador, aproveitando o seu potencial material e simbólico. Os resultados mostram que a materialidade do computador, isto é, a disposição das letras no teclado, a interface do software, a verticalização da tela e o tipo de letra, impuseram outras condições/restrições à escrita de RM, aqui interpretada como uma alternância entre seleções e combinações condicionada por fatores socioculturais, produzindo um efeito positivo na sua relação com a escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Maria Pereira Freire, Universidade Estadual de Campinas

É pesquisadora do Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED/UNICAMP) onde atua.

Alline Kobayashi, Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação – Universidade Estadual de Campinas. (UNICAMP)

Bruna Garcia, Universidade Estadual de Campinas

Letras, Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ABAURRE, M. B. M. (2001). Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos? In: HERNANDORENA, C. L. M. (org.), Aquisição de língua materna e de língua estrangeira: aspectos fonético-fonológicos. Pelotas: EDUCAT/ALAB. Pp. 63-85.

ABAURRE, M. B. M.; COUDRY, M. I. H. (2008) Em torno de sujeitos e de olhares. In: Estudos da Língua(gem). Vitória da Conquista, v. 6, n. 2 (p. 171-191).

BAKHTIN, M. (1952-53/1997) Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes (p. 277-326).

BAKHTIN, M. (1929/1999) Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

BORDIN, S. S. (2010). Fala, Leitura e Escrita: encontro entre sujeitos. Tese de Doutorado em Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp.

FREIRE, KOBAYASHI, GARCIA e COUDRY – Entre Lápis e Teclas: Selecionando e... CAGLIARI, L. C. (1999/2008) Sob o signo da ortografia. In: MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. (orgs.) Diante das letras: a escrita na alfabetização. Campinas, SP: Mercado de Letras. (p. 97-110).

COUDRY, M. I. H. (2013) Eu li a praca. Pírula ou Pílula. Encontro entre a sócio e a neurolinguística. In: BORBA, L.; LEITE, C. M. B. (orgs.). Diálogos entre língua, cultura e sociedade. Campinas: Editora Mercado de Letras.

COUDRY, M. I. H. (2009). Despatologizar é preciso: a experiência do CCazinho. In: MARÇALO, M. J.; LIMA-HERNANDES, M. C.; ESTEVES, E.; FONSECA, M. do C.; GONÇALVES, O. (orgs.). A língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas. Évora, Portugal: Universidade de Évora, v. 11. (p. 97-117).

COUDRY, M. I. H. (2006) Patologia estabelecida e vivências com o escrito: o que será que dá? 2. In: 7º Encontro Nacional sobre Aquisição da Linguagem (ENAL). Porto Alegre. (cd-rom).

COUDRY, M. I. H. (2002a) Memorial apresentado à Banca Examinadora do Concurso de Livre-docência do Departamento de Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas.

COUDRY, M. I. H. (2002b) Conceitos de Afasia: clássico é clássico e vice-versa. Aula apresentada à Banca Examinadora do Concurso de Livre-docência do Departamento de Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas.

COUDRY, M. I. H. (1996) O que é dado em neurolingüística? In: CASTRO, M. F. P. (org.) O Método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp. (p. 179-192).

COUDRY, M. I. H. (1993) Neuropsicologia: aspectos biológicos e sociais. In: RODRIGUES, N.; MANSUR, L. L. (eds.) Temas em Neuropsicologia (Série de neuropsicologia; v. 1). São Paulo: Tec Art. (p. 38-57).

COUDRY, M. I. H. (1986/1989) Diário de Narciso - discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes.

COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P. (2005) O trabalho do cérebro e da linguagem: a vida e a sala de aula. Campinas, SP: Unicamp/Cefiel e MEC.

COUDRY, M. I. H. (2010) Pressupostos teórico-clínicos da Neurolinguística Discursiva (ND). In: COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P.; ANDRADE, M. L.; SILVA, M. A. (orgs.). Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem. Campinas: Mercado de Letras. (p. 23-48).

FRANCHI, C. (1977/1992) Linguagem – Atividade Constitutiva. In: Cadernos de Estudos Lingüísticos. Campinas: (22): 9-39.

FREITAS, M. T. de A. (2010). A perspectiva vigotskyana e as tecnologias. In: História da Pedagogia. São Paulo, SP: Editora Segmento. (p. 58-67).

FREIRE, F. M. P. (2012). Escola e tecnologia: um olhar discursivo sobre essa complexa relação. In: Livro de Atas do II Congresso Internacional TIC e Educação. Lisboa/Portugal: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa,. v.1. p.513 – 533.

FREIRE, F. M. P. (2011) Práticas digitais informais e leitura/escrita formais. In: Anais do XVI Congreso Internacional de la Asociación de Lingüística y Filología de la América Latina (ALFAL). Alcalá de Henares. (p. 1-10).

FREIRE, F. M. P. (2005). Agenda Mágica: linguagem e memória. Tese de Doutorado em Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp.

FREUD, S. (1891/1973) La afasia. Tradução de Ramón Alcalde. Buenos Aires, Ediciones Nueva Visión.

GERALDI, J. W. (1991/1993) Portos de Passagem. São Paulo: Editora Martins Fontes.

JAKOBSON, R. (1969) Dois aspectos de linguagem e dois tipos de afasia. In: JAKOBSON, R. (org.) Lingüística e Comunicação. São Paulo: Cultrix. (p. 34-62).

JAKOBSON, R. (1955/1970) A afasia como problema lingüístico. In: COELHO, M.; LEMLE, M.; LEITE, Y. (orgs.) Novas Perspectivas Lingüísticas. Petrópolis: Vozes. (p. 43-54).

KLEIMAN, A. B. (2005). Preciso “ensinar” o letramento? Não basta ensinar a ler e escrever? Campinas, SP: Unicamp/Cefiel e MEC.

LURIA, A. R. (1981) Fundamentos de Neuropsicologia. São Paulo: Cultrix.

MASSINI-CAGLIARI, G (1999/2008) Aquisição da escrita: questões de categorização gráfica. In: MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. (orgs.) Diante das letras: a escrita na alfabetização. Campinas, SP: Mercado de Letras. (p. 49-59).

VYGOTSKY, L. S. (1934/1984) A Formação Social da Mente. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2013-12-19

Como Citar

FREIRE, F. M. P.; KOBAYASHI, A.; GARCIA, B. Entre lápis e teclas: selecionando e combinando letras. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 55, n. 2, p. 45–65, 2013. DOI: 10.20396/cel.v55i2.8637290. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637290. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos