O funcionamento do político no texto jurídico e nos posts de Blogs

Autores

  • Fabiana Fernanda Steigenberger Universidade Federal de São Carlos
  • Soeli Maria Schreiber da Silva Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v56i2.8641475

Palavras-chave:

Político. Lei. Posts.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo verificar o funcionamento do político em posts de blogs e no decreto nº 6583 de 29 de setembro de 2008. Por meio das análises tornou-se possível olhar a movimentação do político na língua no momento em que cada enunciador do post assume a palavra e expõe sua posição diante do acordo ortográfico. Para completar essa análise e termos uma visão mais ampla de todo processo sócio-histórico envolvido nesse contexto, também buscamos observar o movimento do político no texto jurídico que desencadeou as discussões presentes nos blogs. Dessa forma, podemos observar o político e compreender que os sentidos entram em conflito, se dividem, tornam-se outros. Nessa disputa se constituem os lugares de dizer distribuídos de maneira hierarquizada e desigual para os falantes na enunciação.  Essa disputa ocorre permanentemente, pois segundo Guimarães (2005) o político se dá na linguagem e caracteriza-se como incontornável porque o homem sempre irá falar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Fernanda Steigenberger, Universidade Federal de São Carlos

É graduada em Letras/Inglês pela Faculdade de Jandaia do Sul e em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá. Especialista em Língua Portuguesa pela Universidade Estadual de Londrina (UEL, 2002). Especialista em Gestão Escolar pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO, 2015). Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL, 2007). É doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR, 2015) com um estágio de Doutorado Sanduíche na Universidade de Lisboa, Portugal, financiado pela Capes (processo 99999.005362/2013-00). 

Soeli Maria Schreiber da Silva, Universidade Federal de São Carlos

Possui graduação em Licenciatura pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1976), mestrado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1988) e doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1998). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de São Carlos.Realizou Pós-Doutorado na UNICAMP, em 2006. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Semântica do Acontecimento, atuando principalmente nos seguintes temas: argumentação, acontecimento, textualidade, político, enunciação, política de línguas e discurso.

Referências

BRASIL. Ministério das relações exteriores. Decreto nº 6583, de 29 de setembro de 2008. Promulga o Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990. Brasília, 2008.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento. Campinas, SP: Pontes, 2005.

ILC CONTRA O ACORDO ORTOGRÁFICO: LER, ASSINAR, DIVULGAR. Disponível em: http:// ilcao.cedilha.net/?page_id=2#comment-1452, acesso em: 30. jun 2012.

MALTA, Isaías. Reforma ortográfica pega de surpresa os analfabetos! In: Viamão Lotado: um metablogue de peso. http://www.viamaolotado.com acesso em 13 jul 2013.

ORLANDI, Terra à vista!: discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez. Ed. Da Unicamp, 1990.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 1996.

VOUGA, Fernando. O Brasilês. In: Deprofundis. http://deprofundis.blogs.sapo.pt/117261.html Acesso em 17 jul 2013.

Downloads

Publicado

2015-06-29

Como Citar

STEIGENBERGER, F. F.; SILVA, S. M. S. da. O funcionamento do político no texto jurídico e nos posts de Blogs. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 219–233, 2015. DOI: 10.20396/cel.v56i2.8641475. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8641475. Acesso em: 31 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos