Discutindo Análise de Conteúdo como Método: o #DiadaConsciênciaNegra no Twitter

  • Raquel Recuero Universidade Católica de Pelotas
Palavras-chave: Análise de conteúdo. Twitter. Redes sociais.

Resumo

O trabalho busca explorar o discurso sobre o Dia da Consciência Negra no Brasil, através do Twitter. Há dois objetivos: (1) Explorar as contribuições de um design metodológico de Análise de Conteúdo com foco referencial e Análise de Redes para grandes conjuntos de dados, especialmente aqueles coletados em sites de rede social e; (2) Discutir como as redes de conceitos auxiliam a compreender, através da exclusão e da presença, o discurso sobre a data. Para tanto, foram coletados e analisados mais de 2 mil tweets. Os resultados apontam para um discurso de exclusão do negro enquanto ator, uma marginalização deste e redução de seu sentido àquele da descrição da data.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Recuero, Universidade Católica de Pelotas
Professora e pesquisadora do Programa de Pós Graduação em Letras

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2007.

BARON, N. Foreword. In: Thurlow, C. e Mroczek, C. Digital Discourse: Language in the New Media. Oxford : Oxford University Press, 2011.

BENTO, M. A. S. e BEGHIN, N. Juventude Negra e Exclusão Radical. IPEA. Políticas sociais - acompanhamento e análise | 11 | ago. 2005. Disponível em: http://www.en.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/politicas_sociais/ENSAIO4_Maria11.pdf . Acesso em 06 de Janeiro de 2014.

BERNSTEIN, M. BAKSHY, E; BURKE, M.; KARRER, B. Quantifying the Invisible Audience in Social Networks. Proceedings of CHI 2013, April 27–May 2, 2013, Paris, France.

RECUERO – Discutindo Análise de Conteúdo como Método: O #DiadaConsciênciaNegra no Twitter BOURDIEU, P. Language and Symbolic Power. Massachusetts: Harvard University Press, 1991.

BOYD, D. Social Network Sites as Networked Publics: Affordances, Dynamics, and Implications. In: Networked Self: Identity, Community, and Culture on Social Network Sites (ed. Zizi Papacharissi), pp. 39-58, 2010.

BOYD, D. M., e ELLISON, N. B. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, 13(1), 210-230, 2007.

BOYD, D. GOLDER, S., LOTAN, G. “Tweet, Tweet, Retweet: Conversational Aspects of Retweeting on Twitter.” HICSS-43. IEEE: Kauai, HI, January 6, 2010. Disponíve em: http://www.danah.org/papers/TweetTweetRetweet.pdf Acesso em 06/01/2014.

CASTELLS, M. A Galáxia da Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

DEGENNE, A. e FORSÉ, M. Introducing Social Networks. London: Sage, 1999.

FREITAS, M. Refletir sobre a história do Negro no Brasil: Uma resposta ao racismo. II Congresso de Educação – UEG/UnU Iporá - A formação de professores: uma proposta de pesquisa a partir da reflexão sobre a prática docente, 2012. Disponível em: http://www.cdn.ueg.br/arquivos/ipora/conteudoN/975/CE_2012_27.pdf. Acesso em 05/01/2014.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. Aula Inaugural no Collège de France. 02 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 5a edição, 1999. _ FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

GIACOMONI, M. P, e VARGAS, A. Z. Foucault, a Arqueologia do Saber e a Formação Discursiva. Veredas, 2/2010, p. 119-129. Disponivel em: http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2010/04/ artigo-09.pdf. Acesso em 28/12/2013.

GOLZIO, D. Exclusão informativa: representação e representatividade dos negros e afrodescendentes nas capas da revista Veja. III SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBÉRICO – Volume III. Em: Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, 2004. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/golzio-derval-exclusao-informativa-representacao-e-representatividade-dos-negros-eafrodescendentes-nas-capas-da-revista-veja.pdf Acesso em 06/01/2014.

HALL, S. Foucault: Power, Knowledge and Discourse. In: Discourse Theory and Practice: A Reader Edited by Margaret Wetherell, Stephanie Taylor, Simeon J Yates. London: Sage, 2001. (pp. 324 - 344)

HERRING, S. Computer-Mediated Discourse. In: Handbook of Discourse Analysis, edited by Deborah Tannen, Deborah Schiffrin, and Heidi, Hamilton. Oxford: Blackwell. 2001. Disponível em: http://www.let.rug.nl/redeker/herring.pdf. Acesso em 02/01/2014.

HONEYCUTT C., & HERRING, S. C. Beyond microblogging: Conversation and collaboration via Twitter. Proceedings of the Forty-Second Hawai’i International Conference on System Sciences (HICSS-42). Los Alamitos, CA: IEEE Press, 2009. Disponível em: http://ella.slis.indiana.edu/~herring/honeycutt.herring.2009.pdf. Acesso em 02/01/2014.

KRIPPENDORF, K. Content Analysis, An Introduction to Its Methodology. 3a Ed. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 2012.

OSGOOD, C. The representational model and relevant research methods. In: POOL, I. de S. Trends in Content Analysis, Urban, Univ. of Illinois Press, 1959.

PAGE, R. The linguistics of self-branding and micro-celebrity in Twitter: The role of hashtags. Discourde & Communication: May 2012 vol. 6 no. 2, pp. 181-201.

RAMBE, P. Critical discourse analysis of collaborative engagement in Facebook postings. Australasian Journal of Educational Technology, 2012, 28(2), 295-314.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RECUERO, Raquel; ZAGO, Gabriela. RT, por favor: considerações sobre a difusão de informações no Twitter. Revista Fronteiras (Unisinos), 2010. Disponível em: http://www.fronteiras.unisinos. br/index.php?e=5&s=9&a=88. Acesso em 05/01/2014.

ROSEN, D., STEFANONE, M.; LACKAFF, D. Online and Offline Social Networks: Investigating Culturally-Specific Behavior and Satisfaction. Proceedings of the 43rd Hawaii International Conference on System Sciences , 2010.

SCOTT, J. Social Network Analysis. A handbook. 2a ed. London: Sage, 2004.

SOUZA, C.; AMARAL, M.; GUIMARAES, S. A multifuncionalidade do Twitter sob a perspectiva da Análise Crítica do Discurso: uma análise de tweets sobre a profissão-perigo professor. Linguagens e Diálogos, v. 2, n. 1, p. 1-30, 2011.

STEINFELD, C., ELLISON, N. & LAMPE, C. Social capital, self-esteem, and use of online social network sites: A longitudinal analysis. Journal of Applied Developmental Psychology, 29 (6), 2008, 434-445. Disponível em: https://www.msu.edu/~steinfie/Steinfield_Ellison_Lampe(2008).pdf. Acesso em agosto de 2013.

WASSERMAN, S. & FAUST, K. Social Network Analysis. Methods and Applications. Cambridge, Cambridge University Press: 1994.

WALTON, S. e JAFFE, A. Stuff White People Like’: Stance, Class, Race and Internet Commentary. In: Language in the New Media: Sociolinguistic Perspectives, edited by Crispin Thurlow and Kristine Mroczek. Oxfored University Press, 2011.

ZAPPAVIGNA, M. Ambient affiliation: A linguistic perspective on Twitter. New Media & Society August 2011 13: 788-806, Maio de 2011 doi:10.1177/1461444810385097

ZAGO, Gabriela. Dos Blogs aos Microblogs: Aspectos Históricos, Formatos e Características. VI Congresso Nacional de História da Mídia – maio de 2008 em Niterói, RJ. Disponível em http:// bocc.ubi.pt/pag/zago-gabriela-dos-blogs-aos-microblogs.pdf. Acesso em 02/01/2014.

Publicado
2015-06-29
Como Citar
Recuero, R. (2015). Discutindo Análise de Conteúdo como Método: o #DiadaConsciênciaNegra no Twitter. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 56(2), 289-309. https://doi.org/10.20396/cel.v56i2.8641480
Seção
Artigos