Desigualdade social, racismo e discurso: a circulação da fórmula consciência negra

Autores

  • Helio Oliveira Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v58i1.8646155

Palavras-chave:

Discurso. Racismo. Fórmula discursiva

Resumo

ste trabalho analisa a circulação da fórmula “consciência negra” no universo discursivo brasileiro contemporâneo, restringindo-se a um corpus constituído de textos oriundos do campo jornalístico informacional que retomam, reformulam ou combatem a fórmula em questão. O objetivo é investigar, a partir de procedimentos teórico-metodológicos da análise do discurso, especificamente aqueles relativos ao funcionamento das fórmulas discursivas, em que medida as demandas do movimento negro são re(a)presentadas pelas mídias do campo mencionado, tendo em vista as ocorrências da fórmula. Os resultados apontam para uma suposta invisibilidade da violência racial e para a atribuição de desigualdade socioeconômica como origem e causa das práticas racistas, nas poucas vezes em que estas últimas são mencionadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helio Oliveira, Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Linguística. Area funcionamento do discurso e do texto. Instituto de Estudos da Linguagem. Centro de Pesquisas FEsTA Formulas e Estereotipos Teoria e Analise

Referências

ANGERMULLER, J. (2013). Analyse du discours poststructuraliste. Limoges: Lambert-Lucas.

AZEVEDO, T. (1953). Les de couleur dans une ville brésilienne. Paris: UNESCO.

FOUCAULT, M. (1972). Retornar à história. In: Ditos e Escritos II. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000. pp.282-295.

FREYRE, G. (1933). Casa-Grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: Maia & Schimidt.

GUIMARÃES, A. S. (2009). Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 3a edição.

KAMEL, A. (2006). Não somos racistas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

KRIEG-PLANQUE, A. (2010). A noção de fórmula em Análise do Discurso: quadro teórico e metodológico. São Paulo: Parábola Editorial.

MAINGUENEAU, D. (1984). Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola Editorial, 2004..

MAINGUENEAU, D. (2008a). Problemas de ethos. In: Cenas da enunciação. São Paulo: Parábola Editorial. pp. 55-73.

MAINGUENEAU, D. (2008b). Unidades tópicas e não-tópicas em Análise do Discurso. In: Cenas da enunciação. São Paulo: Parábola Editorial. pp. 11-26.

MOTTA, A. R. & SALGADO, L. S. (orgs.) (2001). Fórmulas discursivas. São Paulo: Contexto.

OLIVEIRA, H. (2015). Indícios de atopia discursiva no funcionamento do discurso racista. Revista da ABRALIN, v.14, n.3, p. 371-387.

OLIVEIRA, H. & SALGADO, L. S. (2016). Conscience noire: une formule pour discuter le racisme au Brésil. Repères-Dorif, artigo aceito para publicação.

POSSENTI, S. (2015). Durações históricas e suas relações com o público e o privado. In: LARA & LAMBERTI (orgs.). Discurso e desigualdade social. São Paulo, Contexto. pp. 49-60.

SALGADO, L. S. (2015). Práticas discursivas e consumo: reflexões sobre a customização massiva, feita “só pra você”. In: BARONAS et. Al. (orgs.). Análise do Discurso: continuidades, calibragens, interfaces. São Paulo: Paulistana/Fapesp.

SKIDMORE, T. E. (1974). Black into White: Race and Nationality in Brazilian Thought. Nova York: Oxford University Press.

VAN DIJK, T. (1991). Racism and the press. London: Routledge.

VAN DIJK, T. (org.) (2008). Racismo e discurso na América Latina. S. Paulo: Contexto.

VAN DIJK, T. (2015). Discurso das elites e racismo institucional. In: LARA & LAMBERTI (org.) Discurso e desigualdade social. São Paulo, Contexto. pp. 31-48.

Downloads

Publicado

2016-04-18

Como Citar

OLIVEIRA, H. Desigualdade social, racismo e discurso: a circulação da fórmula consciência negra. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 58, n. 1, p. 77–92, 2016. DOI: 10.20396/cel.v58i1.8646155. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8646155. Acesso em: 3 dez. 2021.