O emprego de vírgula como um recurso discursivo na escrita do português clássico

Autores

  • Cynthia Yano Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v58i2.8647152

Palavras-chave:

Vírgula. Discurso relatado. Oração completiva

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo compreender melhor o funcionamento do sistema de pontuação do português, dos séculos XVI ao XIX, focalizando o emprego de vírgula antes de orações completivas verbais. A escolha desse contexto de uso da vírgula não foi fortuita e se deu pela variação no uso de vírgula observada em textos literários escritos e publicados na época, e pela dificuldade dos gramáticos, até o início do século XVIII, em definir a distinção entre as orações completivas e relativas e, portanto, o uso de vírgula nesses tipos de construções também.

Para tanto, foi selecionado um corpus composto por 14 textos de autores portugueses nascidos no mesmo período, do século XVI ao XIX. E, após a análise dos dados, observou-se que a maioria das orações tinha como regente um verbo do tipo dicendi, ou de pensamento, típicos de discurso relatado. Isso levou à hipótese de que a vírgula possuía uma função a mais, de introduzir um discurso relatado - além das já descritas pelos gramáticos -, corroborada pelo fato de, nos mesmos textos, haver ocorrências com dois pontos, já descritos como tendo a função primeira de introduzir citações, precedidos pelos mesmos verbos. Além de introduzir um relato, o uso de vírgula nos textos quinhentistas, embora à primeira vista pareça aleatório, poderia ser motivado pela presença ou não de um elemento interpolado, um sujeito ou uma oração, seguindo o verbo.

Ademais, notou-se que, a partir do século XVIII, há uma queda progressiva na porcentagem de ocorrências com orações completivas precedidas por vírgula, quando tal uso não-convencional da vírgula teria caído em desuso. Ou seja, apesar do que as gramáticas da época mostram e alguns estudos, como o de Rocha (1997), afirmam, o modo de empregar a vírgula teria sofrido modificações desde a primeira metade do século XVIII.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cynthia Yano, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Estudos da Linguagem - Unicamp

Referências

ARGOTE, Jeronimo (1724). Contador de. Regras da lingua portugueza, espelho da lingua latina. Lisboa: Officina da Musica. (purl.pt/10)

BARBOSA, Jeronimo Soares. (1822). Grammatica philosophica da lingua portugueza; ou principios da grammatica geral applicados á nossa linguagem. Lisboa: Typographia da Academia das Sciencias. (purl.pt/128)

BARRETO. João Franco. (1671). Ortografia da lingua portugueza. Lisboa: Officina de Ioam da Costa. (purl.pt/18)

BARROS, João de. (1971). Gramática da língua portuguesa. Cartinha, gramática, diálogo em louvor da nossa linguagem e diálogo da viciosa vergonha. (ed. M.L.C. Buescu) Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. (www.tycho.iel.unicamp.br/ ~tycho/corpus/texts/xml/b_002)

CATACH, Nina. (1994). La Ponctuation. (Que sais-je? n°2818) Paris: Presses Universitaires de France.

DUARTE, Isabel Margarida. (1999). O relato de discurso na ficção narrativa: contributos para a análise da construção polifónica de Os Maias de Eça de Queirós. (Tese de doutorado) Porto: Faculdade de Letras - Universidade do Porto. 1999.

DUARTE, Isabel Margarida. (2003). O relato de discurso na Crónica de D. João I (I parte) de Fernão Lopes. In: “Língua portuguesa: estruturas, usos e contrastes”. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

FEIJÓ, João de Moraes Madureira. (1734). Orthographia, ou arte de escrever, e pronunciar com acerto a lingua portugueza. Lisboa: Officina de Miguel Rodrigues. (purl.pt/ 13)

FERREIRA, José de Azevedo. (2001). La ponctuation dans les textes médiévaux. In: HEAD, Brian F.; MARQUES, Maria Aldina; SAMPAIO, Aida. (orgs.) «Estudos de história da língua portuguesa: obra dispersa.» Minho: Universidade do Minho/Centro de Estudos Humanísticos.

FIGUEIREDO, Manoel de Andrade. (1722). Nova escola para aprender a ler, escrever, e contar. Lisboa: Officina de Bernardo da Costa de Carvalho. (purl.pt/107)

GALVES, Charlotte, BRITTO, Helena & PAIXÃO DE SOUSA, Maria Clara. (2005). The Change in clitic placement from Classical to Modern European Portuguese: Results from the Tycho Brahe Corpus. In: “Journal of Portuguese Linguistics, Vol. 4, n° 1, Special Issue on variation and change in the Iberian languages: the Peninsula and beyond”.

GÂNDAVO, Pero Magalhães de. (1574). Regras que ensinam a maneira de escrever e Orthographia da lingua Portuguesa, com hum Dialogo que a diante se segue em defensam da mesma lingua. Lisboa: Officina de Antonio Gonsalvez. (purl.pt/ 12144)

MACHADO FILHO, Américo V. L. (2004). A pontuação em manuscritos medievais portugueses. Salvador: EDUFBA.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. (1992). O que nos diz sobre a sintaxe a pontuação de manuscritos medievais portugueses. In: “REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 44. Boletim 14 da Associação Brasileira de Lingüística.” São Paulo: ABRALIN.

MONTE CARMELO, Luís de. (1767). Compendio de orthografia, com sufficientes catalogos, e novas regras, para que em todas as Provincias, e Dominios de Portugal, possam os curiosos comprehender facilmente a Orthologia, e Prosódia, isto he, a recta pronunciaçam, e accentos proprios, da Lingua. Lisboa: Officina de Antonio Rodrigues Galhardo. (purl.pt/9)

PARKES, Malcolm Beckwith. (1992). Pause and effect - an introduction to the history of punctuation in the West. Aldershot: Scolar Press.

VERA, Alvaro Ferreira. (1631). Orthographia, ou modo para escrever certo na lingua portuguesa. Lisboa: Mathias Rodriguez. (purl.pt/45)

YANO, Cynthia Tomoe. (2013). Um estudo sobre o emprego de vírgula antes de oração completiva no português europeu clássico: sintaxe, discurso e gramática normativa. (Dissertação de Mestrado) Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Downloads

Publicado

2016-09-05

Como Citar

YANO, C. O emprego de vírgula como um recurso discursivo na escrita do português clássico. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 221-235, 2016. DOI: 10.20396/cel.v58i2.8647152. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8647152. Acesso em: 31 out. 2020.