Banner Portal
Função pragmática de retorno a tópico em enunciados de dupla negação: evidências a partir de dados da cidade de Curitiba
PDF

Palavras-chave

Negação sentencial. Denegação. Tópico sentencial.

Como Citar

GOLDNADEL, Marcos; PETRY, Paloma. Função pragmática de retorno a tópico em enunciados de dupla negação: evidências a partir de dados da cidade de Curitiba. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 59, n. 2, p. 397–418, 2017. DOI: 10.20396/cel.v59i2.8648171. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8648171. Acesso em: 20 abr. 2024.

Resumo

O português brasileiro conta com formas alternativas para a expressão da negação sentencial. Entre elas, está a dupla negação, uma forma inovadora cujo uso tem aumentado de modo diverso em cada região do Brasil. Este estudo investiga as possíveis funções pragmáticas de enunciados com dupla negação encontrados em 12 entrevistas sociolinguísticas realizadas com falantes nativos da cidade de Curitiba no início da década de 90. O levantamento realizado revela que os enunciados de dupla negação foram usados para instanciar duas funções pragmáticas: denegação e retorno a tópico quantitativo.
https://doi.org/10.20396/cel.v59i2.8648171
PDF

Referências

DAHL, O. 2001. Infl ationary eff ects in language and elsewhere. In: BYBEE, J.; HOPPER, P. Frequency and the emergence of linguistic structure. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2001, 471–480.

DETGES, U.; WALTEREIT, R. Grammaticalization vs reanalysis: a semantic-pragmatic account of functional change in grammar. Zeitschrift fur Sprachwinssenchaft, 21.1, 2002, p. 151-195.

DUCROT, O. Polifonia y argumentacion. Calli: Universidad Del Valle, 1988, 190p.

FURTADO DA CUNHA, M. A. O modelo das motivações competidoras no domínio funcional da negação. DELTA 17, 2001, p. 01-30.

FURTADO DA CUNHA, M. A. Grammaticalization of the strategies of negation in Brazilian Portuguese. Journal of Pragmatics, 39, 2007, p. 1638-1653.

GIVÓN, T. Functional English Grammar. Cambridge: Cambridge, 1996, 296p.

GOLDNADEL, M.; LIMA, L. S.; BREUNIG, G.; ESQUIVEL, N. A.; LUZ, J. P. Estratégias alternativas de negação sentencial na região sul do Brasil: análise da influência de fatores pragmáticos a partir de dados do projeto VARSUL. Rev. Est. Ling., v. 21, no 2, 2013, p. 35-74.

HANSEN, M. M. Reinforcers in old and middle french: a discourse–functional approach. In: HANSEN, M. M.; VISCONTI, J. Current trends in diachronic semantics and pragmatics. Bingley: Emerald Group Publishing Limited, 2009, p. 227-250.

HOEKSEMA, J. Jespersen recycled. In: VAN GELDEREN, E. Cyclical change. Amsterdam: John Benjamin, 2009, p. 15-34.

KAMP, H., REYLE, U. From discourse to logic. Dordrecht: Kluwer, 1993, 713p.

KIPARSKY, P.; CONDORAVDI, C. Tracking Jespersen's cycle. In: JANSE, M.; JOSEPH, B.D.; RALLI, A. Proceedings of the 2nd International Conference of Modern Greek Dialects and Linguistic Theory. Mytilene: Doukas, 2006, p. 01-22.

LARRIVÉE, P. The pragmatic motifs of the Jespersen cycle: Default, activation, and the history of negation in French. Lingua, 120, 2010, p 2240-2258.

LARRIVÉE, P. The role of pragmatics in grammatical change: The case of French preverbal non. Journal of Pragmatics, 43, 2011, p 1987-1996.

RONCARATI, C. A negação no português falado. In: MACEDO, A. T.; RONCARATI, C.; MOLLICA, M. C. Variação e discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996, p. 97-112.

SEIXAS, V. C.; ALKMIN, M. G. R. A negação sentencial em textos de autores brasileiros dos séculos XVIII e XIX: considerações sobre implementação, transição e origem da estrutura [NãoVNão]. Veredas, v. 17, no 2, 2013, p. 83-113.

SCHWEGLER, A. Predicate negation in contemporary Brazilian Portuguese: a change in progress. Orbis, Leuven, v. 34, p. 187-214, 1991.

SCHWENTER, S. A. The pragmatics of negation in Brazilian Portuguese. Lingua, Amsterdam, v. 115, p. 1427-56, 2005.

SCHWENTER, S. A. Fine-Tuning Jespersen’s Cycle. In: Birner, B.; Ward , G. Drawing the Boundaries of Meaning: Neo-Gricean Studies in Pragmatics and Semantics in Honor of Laurence R. Horn. Amsterdam: Benjamins, 2006, p. 327-344.

VAN DER AWERA, J. The Jespersen Cycles. In: VAN GELDEREN, E. Cyclical change. Amsterdam: John Benjamin, 2009, p. 35-71.

VAN DER AWERA, J. On the diachrony of negation. In: HORN, L. The expression of negation. New York: Walter de Gruyter, 2010, p. 73-109.

VAN KUPPEVELT, J. Discourse structure, topicality and question. Journal of Linguistics, 31, 1995a, p. 109-147.

VAN KUPPEVELT, J. Main structure and side structure in discourse. Linguistics, 33, 1995b, p. 809-833.

VAN KUPPEVELT, J. Directionality in Discourse: Prominence Differences in Subordination Relations. Journal of Semantics, 13, 1996, p. 363-395.

VOSSEN, F.; VAN DER AUWERA, J. The Jespersen cycles seen from Austronesian. In: HANSEN, M. B. M.; VISCONTI, J. The diachrony of negation. Amsterdam: John Benjamin, 2014, p. 47-82.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.