A construção dos contextos de referência em narrativas amazônicas: Um estudo da anáfora indireta

  • Heliud Luis Maia Moura Universidade Federal do Oeste do Pará
Palavras-chave: Linguística textual. Referenciação. Anáfora indireta.

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar anáforas indiretas constitutivas de narrativas amazônicas, observando-se a forma como essas anáforas constroem processos referenciais engatilhados no contexto sociodiscursivo no qual essas histórias são produzidas. O referencial teórico tem como base as postulações de Koch (2004, 2006, 2008); Marcuschi (2005, 2006, 2007); Schwartz (2000); Tesnière (1977); Fillmore (1997) e Moura (2013). Para os autores, a construção de anáforas indiretas constitui uma atividade sociocognitiva e cultural, para a qual são mobilizados diversos processos, precisamente no que concerne a tipos de relações semânticas, a papeis temáticos de verbos, a nominalizações, esquemas cognitivos e modelos mentais, procedimentos inferenciais, em que estão em jogo não só elementos estritamente textuais, mas, sobretudo, elementos engatilhados em contextos de referência nos quais as ações de linguagem são produzidas. O corpus, em análise, consta de 17 (dezessete) narrativas, as quais fazem parte de 13 (treze) números da Revista Visagens, Assombrações e Encantamentos da Amazônia, de autoria do escritor paraense Walcyr Monteiro. Esses números foram publicados entre os anos de 1997 e 2004 e tematizam sobre os personagens: Boto, Cobra, Matintaperera e Curupira, assim como acerca de assombrações e visagens. As análises realizadas levam-me a concluir que os processos anafóricos indiretos são constitutivos das narrativas em estudo, assim como reafirmam o fato de que estes reconstroem significados simbólicos, sociocognitivos e discursivos veiculados no processo de produção das narrativas sob investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heliud Luis Maia Moura, Universidade Federal do Oeste do Pará
Possui Doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas, Mestrado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais, Especialização em Língua Portuguesa: uma Abordagem Textual, Especialização em Docência no Ensino Superior, Especialização em Letras: o ensino do Português no 1º grau e Graduação em Letras todas pela Universidade Federal do Pará. É Professor Adjunto II da Universidade Federal do Oeste do Pará.

Referências

APOTHÉLOZ, Denis; REICHLER-BÉGUELIN, Marie-José. Construction de la reference et strategies de désignation. In: BERRENDONNER, A; REICHLER-BÉGUELIN, M.-J. (eds). Du sintagme nominal aux objets-de-discours. Neuchâtel: Université de Neuchâtel, 1999, pp. 227-71.

FILLMORE, C. Lectures on Deixis. Stanford: CSLI Publications, 1997.

KOCH, I.G.V; MARCUSCHI, L.A. Processo de referenciação na produção discursiva. In: Delta, número especial, 1998, pp. 169-90.

KOCH, I.G.V. Referenciação: construção discursiva. Ensaio apresentado por ocasião do concurso para titular em Análise do Discurso do IEL/Unicamp, dez. 1999.

KOCH, I.G.V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

KOCH, I.G.V. Introdução à lingüística textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

KOCH, I.G.V. Desvendando os segredos do texto. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

KOCH, I.G.V. As tramas do texto. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

MARCUSCHI, L.A. Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. In: KOCH, I.G.V; MORATO, E. M; BENTES, A. C. (Orgs.). Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto, 2005.

MARCUSCHI, L.A. Referenciação e cognição: o caso da anáfora sem antecedente. In: PRETI, D. (Orgs.). Fala e escrita em questão. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006.

MARCUSCHI, L.A. Cognição, linguagem e práticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

MONTEIRO, W. Uma mulher muito Bonita. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 2ª ed. n. 3, Ano I. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 19-20.

MONTEIRO, W. História de beira de rio. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 2ª ed. n. 5, Ano II. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 8-10.

MONTEIRO, W. Uma namorada e dois irmãos. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 2ª ed. n. 5, Ano II. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 15-18.

MONTEIRO, W. Malinação de boto. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 2ª ed. n. 7, Ano III. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2002, p. 23-24.

MONTEIRO, W. O mergulho. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 2ª ed. n. 1, Ano I. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 12-13.

MONTEIRO, W. Uma história muito estranha. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 2ª ed. n. 3, Ano I. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 10-13.

MONTEIRO, W. A velha Belízia. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 3ª ed. n. 2, Ano I. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 17-19.

MONTEIRO, W. A tia Podó. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 2ª ed. n. 8, Ano IV. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2007, p. 15-18.

MONTEIRO, W. A ladainha de São Benedito. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. Belém. 2ª ed. n. 5, Ano II. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 12-14.

MONTEIRO, W. Encontro com o curupira. In: Visagens e Assombrações e Encantamentos da Amazônia. 3ª ed. n. 2, Ano I. Belém: Smith – Produções Gráficas. 2000, p. 20-21.

MOURA, H. L. M. Atividades de referenciação em narrativas afiliadas ao universo do lendário da Amazônia: implicações sociocognitivas e culturais. 2013. Tese (Doutorado em Linguística. Área de Concentração: Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

SCHWARZ, M. Indirekte Anaphern in Texten. Studien zur domangebundenen Referenz und Koharenz im Deutschen. Tubingen: Niemeyer, 2000.

TESNIÈRE, L. Élements de syntaxe structurale. Paris: Klincksieck, 1977.

Publicado
2017-04-26
Como Citar
Moura, H. L. M. (2017). A construção dos contextos de referência em narrativas amazônicas: Um estudo da anáfora indireta. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 59(1), 197-214. https://doi.org/10.20396/cel.v59i1.8648358
Seção
A questão da referência e do contexto na interface cognição-texto-interação