Restrições aspectuais à distribuição do advérbio baixo ‘muito’

Autores

  • Ana Paula Quadros Gomes Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i1.8649885

Palavras-chave:

‘muito’, advérbios baixos, modificadores de grau, aspecto verbal

Resumo

Embora a posição de ‘muito’ (PB) em SVs (sintagmas verbais) seja invariável, há restrições ao licenciamento ‘muito’, ainda pouco descritas na literatura, que levantam uma questão ainda sem resposta: por que motivo sua inserção em diversas sentenças gera agramaticalidade (*‘Finalmente encontrei muito a chave que eu tanto procurava’, *‘O bebê de Maria nasceu muito hoje’, *Ronaldo marcou muito um gol nessa partida’ etc.)? Neste artigo, argumentando que os casos em que ‘muito’ não é licenciado não são passíveis de explicação sintática. Propomos uma condição semântica para o licenciamento de ‘muito’, com base em Doetjes (2008), que trata ‘muito’ como uma expressão do tipo C, que não faz seleção categorial. Defendemos que ‘muito’ faz seleção semântica: seleciona expressões graduáveis (cf. Kennedy & McNally 2005 para very - inglês). Mais especificamente, ‘muito’ seleciona grau não-máximo em uma dimensão licenciada pelo verbo. Mostraremos que sentenças não são bem formadas com ‘muito’ modificador de SV se o predicado verbal não tem graus, e que a interpretação das bem formadas é sempre de grau não-máximo: sentenças com ‘muito’ no SV não podem descrever um episódio único completo, se a dimensão em que ocorre a marcação de grau for a progressão para a culminância. A leitura de iteratividade, típica de ‘muito’ em SV, é uma leitura de continuidade indefinida: não se pode aferir o número máximo de ocorrências daquele evento durante o intervalo temporal considerado, o que equivale a uma soma vaga, não-máxima. Defenderemos que ‘muito’ produz sempre escalas não máximas: em dimensões aspectuais, isso equivale a atelicidade ou a imperfectividade. Tratamos ‘muito’ como uma m-word, consoante a proposta de Rett (2008) para many e much (inglês).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Quadros Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora da Faculdade de Letras da UFRJ

Referências

BACH, Emmon. The algebra of events. Linguistics and philosophy, v. 9, n. 1, p. 5-16, 1986.

CINQUE, Guglielmo. Adverbs and functional heads: A cross-linguistic perspective. Oxford University Press, 1999.

DOETJES, J. (2008). Adjectives and degree modification. In Adjectives and adverbs, L. McNally & C. Kennedy (eds), 123-165. Oxford: Oxford University Press.

FLEISCHHAUER, Jens. Degree gradation of verbs. 2014. Tese de Doutorado. Doctoraldissertation, Heinrich-Heine-Universität Düsseldorf.

GOMES, Ana Quadros. Uma proposta de distinção semântica para os intensificadores muito e bem. ESTUDOS LINGUÍSTICOS, v. 40, n. 1, p. 379-394, 2011.

HACKL, M. (2000). Comparative Quantifiers. Ph. D. thesis, MIT

KENNEDY, Christopher, and Beth LEVIN. 2008. Measure of change: The adjectival core of degree achievements. In Adjectives and Adverbs: Syntax, Semantics and Discourse, ed. Louise McNally and Christopher Kennedy. Oxford University Press

KENNEDY, Christopher, and MCNALLY, Louise. (2005). Scale Structure and the Semantic Typology of Gradable Predicates. Language, 81(2), 345–381.

KRIFKA, Manfred. The origins of telicity. Events and grammar, v. 197235, 1998.

LAENZLINGER, C.; SOARE, G. 2005b. On merging positions for arguments and adverbs in the Romance Mittelfeld. Brugè, Laura et al. (Eds.). Contributions to the thirtieth ‘Incontro di Grammatica Generativa’. Venezia, Libreria Editrice Cafoscarina, pp. 105-128. http://hdl.handle.net/10278/239

RETT, Jessica. Degree modification in natural language. Rutgers The State University of New Jersey-New Brunswick, 2008.

SANCHEZ-MENDES, Luciana. A modificação de grau no domínio verbal em Karitiana: Evidência para Escalas indeterminadas. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, v. 15, n. 1, p. 125-147, 2015.

SOLT, Stephanie. (2007) A degree-based semantics for many and few. LSA Annual Meeting. 2007, Anaheim, CA (USA)

VECCHIATO, Sara. On the Relative Position of beaucoup, guère, peu, rien, and trop in French. Working Papers in Linguistics, 9.1-2, 1999, pp. 255-286, 1999.

VENDLER, Zeno. Linguistics in Philosophy. New York: Cornell University Press, 1967

WELLWOOD, Alexis. (2014) Measuring Predicates. Ph.D. dissertation, Maryland University.

Downloads

Publicado

2018-04-06

Como Citar

GOMES, A. P. Q. Restrições aspectuais à distribuição do advérbio baixo ‘muito’. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 198–221, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i1.8649885. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8649885. Acesso em: 3 dez. 2021.