Banner Portal
Língua de especialidade da pesca é metáfora conceptual?
PDF

Palavras-chave

Metáfora conceptual. Cognição. Língua de especialidade.

Como Citar

MOREIRA, Cristiane Fernandes. Língua de especialidade da pesca é metáfora conceptual?. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 59, n. 2, p. 333–359, 2017. DOI: 10.20396/cel.v59i2.8650226. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8650226. Acesso em: 20 abr. 2024.

Resumo

O objeto de estudo refere-se aos termos técnicos da pesca artesanal cujos conceitos são formados por metáforas conceptuais. Tem como objetivo tecer considerações acerca do fenômeno da metáfora conceptual a partir da TMC (Teoria da Metáfora Conceptual), proposta por Lakoff e Johnson e da ciência que se preocupa em descrever os discursos especializados nas áreas de atividade, a Terminologia, notando que toda profissão possui vocabulário próprio, um glossário que permite comunicação mais efetiva entre os que trabalham em determinada área de conhecimento humano. É uma proposta de estudo que relaciona teoria e empiria. Uma das hipóteses é a de que o polo linguagem e pensamento interage na produção das metáforas presentes no vocabulário dos pescadores e na estrutura léxico-conceptual da linguagem, e estabelece relações entre as unidades lexicais, a partir da rede ontológica mais geral. O método utilizado para explorar a temática tem como base aplicações de inquéritos linguísticos com pessoas que trabalham na pesca daquela comuna. É constituído por textos orais. Para tanto, empregam-se a análise de corpus (corpus analysis), em que se explora o fenômeno particular de interesse; a metodologia com base no uso e o PIM (Processamento de Identificação da Metáfora). A coleta e análise dos dados seguem o exemplo da análise por protótipos. Os principais achados revelam que há existência de dois planos: o plano conceptual (que relaciona conceitos) e o plano da expressão (as palavras que são usadas para exprimir esses conceitos) para demonstrar que a metáfora não é aleatória, mas se baseia na relação entre conceitos próximos ou distantes, na rede radial de conceitos. Assim, como (in) conclusão, espera–se que uma das principais contribuições desse trabalho para o campo seja a aplicação do modelo da metáfora conceptual sobre a natureza dos mecanismos cognitivos nos termos técnicos de uma língua de especialidade.

https://doi.org/10.20396/cel.v59i2.8650226
PDF

Referências

ALVES, Iêda Maria (Org.). A constituição da normalização terminológica no Brasil. Cadernos de Terminologia, São Paulo, n.1, FFLCH/CITRAT, 1996.

ALVES, Iêda Maria. A delimitação da unidade lexical nas línguas de especialidade. In: ALVES, Iêda Maria. Neologia técnico-científica na imprensa brasileira contemporânea. In: Actas de RITERM- VII Simpósio. São Paulo, 2010.

BATORÉO, H. J. Expressão do espaço no português europeu: contributo psicolinguístico para o estudo da linguagem e cognição. Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian. 930 p . 1997.

DELBECQUE, Nicole. A base cognitiva da linguagem: língua e pensamento. In: DELBECQUE, Nicole. A linguística cognitiva : compreender como funciona a linguagem. Lisboa: Instituto Piaget, p.17-48, 2006.

DIAS NETO, José Colaço. Quanto custa ser pescador artesanal? Etnografia, relato e comparação entre dois povoados pesqueiros no Brasil e em Portugal (2012). 337 f. Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Niterói, 2012. Disponível em: www.proppi.uff.br/ppga/sites/default/.../tese_versao_final-jose_colaco.pdf‎. Acesso em: 20 nov. 2013.

FARIAS, Emília Maria Peixoto; Lima, Paula Lenz Costa Lima. Metaphor and foreign language teaching. In: D.E.L.T.A. Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada.v.26, nº especial, 2010. Metaphor and Cognition (Metáfora e Cognição). ISSN 0102-445. São Paulo: Editora EDUC, Editora da PUC São Paulo, p.453-478.

FAULSTICH, Enide. Base metodológica para pesquisa em socioterminologia. Brasília: LIV/UNB, 1995; 2002.

FERRARI, Lilian. Introdução à linguística cognitiva. São Paulo: Contexto, 2016.

FINATTO, Maria José Bocorny. Reconhecimento da metaforização em linguagens técnicas e científicas: desafios e perspectivas. In: Organon, Metáfora em perspectiva, n. 43, Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v.21 n. 43; 2007, p.119-127, ISSN 0102-6267.

GONZALEZ-MARQUEZ, Mônica et al. (Org.). Methods in cognitive linguistics. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamin Publishing Company, 2007.

GRADY, J. Foundations of meaning: primary metaphors and primary scenes. University of California, Berkeley: Ph.D. Dissertation, 1997.

GRUPO PRAGGLEJAZ.. PIM: um método para identificar palavras usadas metaforicamente no discurso. Trad. Dalby Dienstbach Hubert. In: Cadernos de Tradução: Linguística Cognitiva. Maity Siqueira (Org.). n. 25,jul/dez-2009 Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2ª reimpressão, n. 25; 2009, p.77-120, ISSN 1807-9873. (2004)

KRIEGER, Maria da Graça; Finatto, Maria J. B.. Introdução à terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metaphors we live by. Chicago: Chicago University Press, 242 p., 1980.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. Trad. Grupo de estudos da indeterminação e da metáfora (GEIM) sob coord. de Mara Sophia Zanotto e Vera Maluf. Campinas: Mercado de Letras: Educ. 254 p., 2002 (Original publicado em 1980).

MATEUS, Maria H. M; Correia, Margarita (Coord.). Terminologia: questões teóricas, métodos e projectos. Comissão Nacional para as comemorações dos descobrimentos portugueses. Ed. Francisco Lyon de Castro. Portugal: Publicações Europa-América, jul., n° 04, p. 10-12; 19-44, 1998.

MEIRELLES, Maria das Graças Correia. O peixe nosso de cada dia: etnografia do sistema pesqueiro em Baiacu. (Tese de Doutorado). Programa multidisciplinar de Pós-Graduação em cultura e sociedade- UFBA-FACOM, Salvador, ag. 2011.

MORAES SILVA, Antonio de (1813). Diccionario da língua portugueza. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813. Disponível em:http://www.ieb.usp.br/online/. Acesso em: 30 jan.2012.

MOREIRA, Cristiane Fernandes. As denominações para os pescadores e os apetrechos de pesca na comunidade de Baiacu/Vera Cruz/Ba. 384 f.:il Inclui anexos. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística. Área de Concentração: Linguística Histórica) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, São Paulo, Salvador, 2010.

PELOSI, Ana Cristina. Metáfora e empatia no discurso sobre violência urbana em Fortaleza, Ceará, Brasil. (Mesa-redonda). In: IV Congresso Internacional sobre Metáfora na linguagem e no pensamento, 2011, Programação. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Out. 2011; 2012.

RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o povo brasileiro: romance. 21 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

ROSCH, E.. Cognition and Categorization. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Hillsdale, 1975.

SCHRÖEDER, Ulrike. Os precursores filosóficos da teoria cognitiva das metáforas. Cadernos de estudos linguísticos. Universidade Estadual de Campinas, v 2, n 46, p.243-252, 2004b.

SILVA, Augusto Soares da. Protótipos, metáforas e frames: novas tendências da semântica cognitiva como modelo maximalista e contextualizante do significado (Conferência). In: 60º Seminário do GEL (Grupo de estudos linguísticos de São Paulo). Universidade de São Paulo-Campus Butantã: São Paulo,04,05, 06 de julho de 2012.

SIQUEIRA, Maity et al. Identificação de metáforas em uma obra terminográfica: definição de critérios e análise de casos. In: Organon, Metáfora em perspectiva, n. 43, Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v.21 n. 43; 2007, p.181-195, ISSN 0102-6267.

TEMMERMAN, Rita R.Towards news ways of terminology description: the sociocognitive approach. Amsterdam/Philaddelphia: John Benjamins Publishing Company, 2000.

TEMMERMAN, Rita R.Modelos metafóricos e a postura do tradutor frente a textos científicos. Trad. Danilo Nogueira Marra. In: Cadernos de Tradução: Linguística Cognitiva. Maity Siqueira (Org.). n. 25,jul/dez-2009 Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2ª reimpressão, n. 25; 2009, p.217-234, ISSN 1807-9873.

TEIXEIRA, José de Sousa. Metaphors, We Li(v)e By: Metáfora, verdade e mentira nas línguas naturais. In: Revista Galega de Filoloxía, nº 14/2013, Universidade da Corunha (Espanha), p.201-225, 2013.

TEIXEIRA, José de Sousa. A Bolsa e a vida: Sistematicidade e metaftonímia no discurso económico. In: Revista Galega de Filoloxía, nº 14/2014, Universidade da Corunha (Espanha), p. 397-412, 2014.

VELASCO, Ideval da Silva (2004). Terminologia da pesca em Soure-Marajó: uma perspectiva socioterminológica. 2004. v 1, 101 f. Dissertação (Mestrado em Letras: Linguística e Teoria Literária), Programa de Pós em Letras: Linguística e Teoria literária. Universidade Federal do Pará, 2004.

VEREZA, Solange Coelho. Articulating the conceptual and the discursive dimensions of figurative language in argumentative texts. D.E.L.T.A. Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada. n especial, 2010. Metaphor and Cognition (Metáfora e Cognição). São Paulo, v26, p.701-718, 2010.

VILELA, Mário. A metáfora na instauração da linguagem: teoria e aplicação. Revista da Faculdade de Letras, Línguas e Literaturas. Porto, XIII, p.317-356, 1996.

ZANOTTO, Mara Sophia. Modelos culturais e indeterminação metafórica. Organon, Metáfora em perspectiva, n 43, Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v21 n 43, p.97-118, 2007.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.