Deslizamento funcional de marcadores discursivos e entoação em narrativas infantis

  • Ester Mirian Scarpa Universidade Estadual de Campinas
  • Cláudia Andrea Rost Snichelotto Snichelotto Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Flaviane Romani Fernandes-Svartman Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Então. Narratividade. Aquisição e prosódia. Paratons.

Resumo

Este trabalho objetiva estudar a coesão entoacional e o deslocamento funcional do marcador discursivo “então” na fala da criança. Baseia-se em duas hipóteses conexas: (i) as primeiras manifestações de coesão textual nas protonarrativas infantis são de cunho prosódico, notadamente numa fase em que os sujeitos não produzem nem narrativas propriamente ditas, nem marcas formais consideradas na literatura como coesivas; e (ii) no processo de aquisição da linguagem, certos marcadores discursivos têm função diferente daquela usada pelo adulto e deslocam-se funcionalmente. Trata-se do estudo de caso da fala de uma criança, R., cujos dados recobrem a faixa etária de 1;64 a 2;6. Fora selecionados trechos da fala da criança em excertos interpretados como narrativa e a entoação foi analisada através do software PRAAT e com base nos pressupostos teóricos da Fonologia Entoacional (PIERREHUMBERT , 1980; BECKMAN; PIERREHUMBERT, 1986; LADD,1996). Os resultados indicam que marcas prosódicas imprimem coesão em sequências de fragmentos enunciativos, significáveis pelo adulto como marcas de narratividade. Tais marcas revelam a emergência de “paratons” (sequência de frases entoacionais coesivas, dando a impressão gestáltica de um todo coeso). Não há uma “gramática narrativa” propriamente, nem conteúdo lexical reconhecível como tal. As marcas prosódicas, que incidem sobre o marcador “então” e sobre uma sequência de fragmentos de enunciados constituídos por frouxos vínculos sintáticos em instâncias narrativas, imprimem efeito de inteireza textual aos fragmentos. Esses resultados condizem com a hipótese de que a prosódia tem um papel textual aquisicional, e que os marcadores  discursivos se deslocam funcionalmente nesse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ester Mirian Scarpa, Universidade Estadual de Campinas
Profa. Dra. do Depto. de Linguística do IEL
Cláudia Andrea Rost Snichelotto Snichelotto, Universidade Federal da Fronteira Sul
Chapecó – Santa Catarina
Flaviane Romani Fernandes-Svartman, Universidade de São Paulo
USP – Universidade de São Paulo

Referências

BECKMAN, M.; PIERREHUMBERT, J. Intonational structure in Japanese and English. Phonology Yearbook, n. 3, pp. 255-310, 1986.

BOERSMA, P; WEENINK, D. Praat: doing phonetics by computer [Computer program]. Versão 6.0.20. Disponível em: http://www.praat.org/. Acesso em: 3 set. 2016.

CAGLIARI, L. C. Prosódia: algumas funções dos supra segmentos. Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 23, p. 137-151, 1992.

CASTILHO, A. T. Para o estudo das unidades discursivas no português falado. In: CASTILHO, A. T. (Org.). Português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989. pp. 249-279.

CHIARELLI, G. A. A gramaticalização de então no português paulista: um estudo pancrônico. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/86552.

COUPER-KUHLEN, E. An Introduction to English Prosody . London and Tübingen: Edward Arnold and Niemeyer, 1986.

COUPER-KUHLEN, E. Coherent Voicing. On Prosody in Conversational Reported Speech, InLiSt No1, Interaction and Linguistic Structures, 1998, pp. 1-26.

FERNANDES, F. R. Ordem, focalização e preenchimento em português: sintaxe e prosódia. 2007. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

FRASER, B. What are discourse markers? Journal of Pragmatics, v. 31, 1999, p. 931-952.

FROTA, S.; CRUZ, M.; FERNANDES-SVARTMAN, F.; COLLISCHONN, G.; FONSECA, A.; SERRA, C.; OLIVEIRA, P.; VIGÁRIO, M. Intonational variation in Portuguese: European and Brazilian varieties. In: FROTA, S; PRIETO, P. (Eds.). Intonational variation in Romance. Oxford: Oxford University Press, 2015.

KOMAR. S. The interface between intonation and function of discourse markers in English. In: KOMAR, S.; MOZETIC, U. Studies in the English Language and Literature in Slovenia, vol. IV/ 1-2. Liubliana, 2007.

LABOV, W. Language in the Inner City: Studies in Black English Vernacular. Filadélfia, University of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, W.; FANSHEL, D. Therapeutic Discourse: Psychotherapy as Conversation. New York, Academic Press, 1977.

LADD, D. R. Intonational Phonology. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

MACEDO, A. V. T. Aquisição de marcadores em primeira e segunda língua. In: RONCARATI, C; MOLLICA, M. C. (Orgs.). Variação e aquisição. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

MARCUSCHI, L. A. Marcadores conversacionais do português brasileiro: formas, funções e definições. In: CASTILHO, A. (Org.). Português culto falado no Brasil. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1989.

MARTELOTTA, Mário Eduardo T. 1994. Os circunstanciadores temporais e sua ordenação: uma visão funcional. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: UFRJ,1994.

MARTELOTTA, M. E.; RODRIGUES, L. Gramaticalização de Então. In: MARTELOTTA, M. E; VOTRE, S. J; CESÁRIO, M. (Orgs.). Gramaticalização no Português do Brasil: Uma Abordagem Funcional. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996, pp. 221-236.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic Phonology. Dordrecht: Foris Publications, 1986.

OLIVEIRA, M. R.; ARENA, A. B. Padrões funcionais do elemento então em sequências tipológicas do português: uma abordagem pancrônica. Revista Veredas, v. 1, pp. 36-52, 2010.

OLIVEIRA JR. M. Prosodic Features in Spontaneous Narratives. Tese de Doutorado, Simon Fraser University, Vancouver, 2000.

OLIVEIRA JR., M.; CRUZ, R.; SILVA, E. A relação entre a prosódia e a estrutura de narrativas espontâneas: um estudo perceptual. Revista Diadorim, Vol. 12, 2012, 38-53.

PEZATTI, Erotide Goreti2001PEZATTI, E. G. O advérbio ‘então’ já se gramaticalizou como conjunção? DELTA. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 17, n.1, pp. 81-95, 2001.

PERRONI, M. C. O desenvolvimento do discurso narrativo. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

PIERREHUMBERT, J. The phonology and phonetics of English intonation. 1980. Tese (Doutorado) – Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, Mass., 1980.

RASO, T. Prosodic constraints for discourse markers. In: RASO, T; MELLO, H. (Orgs.). Spoken corpora and linguistic studies. Amsterdam, John Benjamins Publishing Company, pp. 411-467, 2014.

RISSO, M. S. ‘Agora... o que eu acho é o seguinte’: um aspecto da articulação do discurso no português culto falado. In: CASTILHO, A.T. de. Gramática do Português Falado, Vol III: As abordagens. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1993, pp. 31-60.

RISSO, M. S. O articulador então. In: Castilho, A. T.; Basílio, Margarida (Org.). Gramática do Português Falado, Vol IV: Estudos Descritivos. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1996, pp. 423-452.

RISSO, M. S. Aspectos textuais-interativos dos marcadores discursivos de abertura Bom, Bem, Olha, Ah, no português culto falado. In: NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática do português falado. Vol. VII Campinas: Ed. da UNICAMP/FAPESP, 1999, pp. 259-296.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M.; URBANO, H. Marcadores discursivos basicamente sequenciadores. In: JUBRAN, C. A. S; KOCH, I. V. (Org.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, V. 1 (Construção do texto falado), pp. 427-496, 2006.

ROJO, R. H. R. A emergência da “coesão” narrativa: “E daí” em narrativas infantis. Revista Delta, São Paulo, v. 12, n. 1, pp. 57-86, 1996.

ROST-SNICHELOTTO, C. A. Olha e vê: caminhos que se entrecruzam. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

ROST, C. A. Olha e veja: multifuncionalidade e variação. Dissertação (Mestrado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

ROST, C. A. A aquisição de marcadores discursivos: uma trilha. Florianópolis: UFSC, 2001. [Mimeo]

SCARPA, E. M. A emergência da coesão intonacional. Cadernos de Estudos Linguísticos, vol. 8, pp. 31-41, 1985.

SCARPA, E. M. Intonation and Dialogue Processes in Early Speech. In: Conti-Ramsden; Snow, C (Orgs.). Child Language, VOL. 7. Hillsdale, EUA: Lawrence Erlbaum, pp. 147-170, 1990.

SCARPA, E. M. Interfaces entre componentes e representação na aquisição da prosódia. In LAMPRECHT, R. R. (Org.). Aquisição da Linguagem. Questões e Análises. Porto Alegre: Editora da PUCRS, pp. 65-80, 1999

SCHIFFRIN, D. Discourse markers. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

SCHIFFRIN, D. Discourse markers: language, meaning and context. In: SCHIFFRIN, D.; TANNEN, Deborah; HAMILTON, H. E. (Eds.). The Handbook of Discourse Analysis. Malden, MA: Blackwell, pp. 54-74, 2003.

SILVA, G. M.; MACEDO, A. Análise sociolinguística de alguns marcadores conversacionais. In: MACEDO, A; RONCARATI, C; MOLLICA, M. C.(Org.). Revista Tempo Brasileiro, p. 11-49, 1989.

TAVARES, M. A. A gramaticalização de e, aí, então: estratificação/variação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsora de informações – um estudo sociofuncionalista. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis, 2003.

TAVARES, M. A. Um estudo variacionista de aí, daí, então, e como conectores sequenciadores retroativo-propulsores. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.

TAVARES, M. A. Então no túnel do tempo: um estudo das funções do então nos séculos XIV, XVI e XVIII. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1996. [Mimeo]

Tench, P. The intonation systems of English. London: Cassell, 1996.

VOTRE, S. J; MARTELOTTA, M. E.; CEZARIO, M. C. Gramaticalização. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2004.

Publicado
2017-12-04
Como Citar
Scarpa, E. M., Snichelotto, C. A. R. S., & Fernandes-Svartman, F. R. (2017). Deslizamento funcional de marcadores discursivos e entoação em narrativas infantis. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 59(3), 499-517. https://doi.org/10.20396/cel.v59i3.8650985