Fala e leitura: uma (re)entrada para a escrita

Autores

  • Maria Irma Hadler Coudry Universidade Estadual de Campinas
  • Fernanda Maria Pereira Freire Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v59i3.8650998

Palavras-chave:

Afasia. Infância. Fala. Leitura. Escrita. Neurolinguística discursiva.

Resumo

O presente artigo focaliza a inter-relação entre a entrada da criança no mundo das letras e a involução que o afásico experimenta no que diz respeito à leitura e escrita, a partir da teorização proposta pela Neurolinguística Discursiva, chamando a atenção, em especial, para o ajuste que o falante (criança ou afásico) faz ao ler palavras depois de escrevê-las, para que a escrita que propôs se ajuste à fala que lê, diferente de como diz a palavra sem a escrita como apoio. Para tanto, analisamos dados de escrita de uma criança e de dois afásicos, que se encontram em momentos diferentes em relação à retomada da escrita, com base em uma metodologia heurística que busca descobrir o que está encoberto pelas dificuldades escolares e pela afasia e o que se desponta nessa descoberta. Os resultados mostram caminhos comuns que crianças e afásicos tomam e, assim, contribuem para uma maior compreensão tanto do processo normal de aquisição e uso da escrita quanto de processos patológicos que ocorrem na afasia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Irma Hadler Coudry, Universidade Estadual de Campinas

Profa. Dra. do Depto. de Linguística - IEL

Fernanda Maria Pereira Freire, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda no Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp

Referências

ABAURRE, M. B. M. Ritmi dell’oralità e ritmi della scrittura. In: ORSOLINI, M.; PONTECORVO. C. La costruzione del testo scritto nei bambini. Roma: La nuova ltalia, 1991, pp. 77-98.

ABAURRE, M. B., Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos? In: HERNANDORENA, C.L.M. Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos?. Pelotas: EDUCAT/ ALAB, 2001.

ABAURRE, M. B. Ritmo e linguagem. In: ALKMIN, T. COUDRY, M. I. H.; POSSENTI, S.; (Orgs.). Saudades da Língua, Campinas: Mercado de Letras, pp. 85-94, 2003.

ABAURRE-GNERRE, M. B. Processos fonológicos segmentais como índices de padrões prosódicos diversos nos estilos formal e casual do português do Brasil. In: Caderno de Estudos Lingüísticos, 2: 23-34, 1981.

ABAURRE, M. B. M. & COUDRY, M. I. H. Em torno de sujeitos e olhares. In: Estudos da Língua(gem), v. 6, n°2, 171-191, 2008.

ABAURRE, M. B., FIAD, R. S., MAYRINK-SABINSON, M. L. Cenas de aquisição da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1997.

AGAMBEN, G. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Trad. Bras. Vinicius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

ALKMIM, T. M. Língua portuguesa. Objeto de reflexão e de ensino. Cefiel/IEL/Unicamp, 2009.

AMARAL, A. S., FREITAS, M. C. C., CHACON, L., RODRIGUES, L. L. Omissão de grafemas e características da sílaba na escrita infantil. In: Rev. CEFAC, v. 13, nº 5, 846-855, 2011.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARBOSA, P. Syllable-timing in brazilian portuguese: uma crítica a Roy Major. In: D.E.L.T.A., vol. 16, n.º 2, 369-402, 2000.

BARBOSA, P. Ritmo da escrita e ritmo da fala: congruências e não congruências. In: Domínios de Lingu@gem (http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosde linguagem) v.7, n, 2 , pp. 47-70, 2013.

BENVENISTE, E. (1966) Problemas de Linguística Geral I. Trad. Maria da Gloria Novak e Luiza Neri, São Paulo: Editora USP, 1995.

BISOL, L. O troqueu silábico no sistema fonológico. In: D.E.L.T.A., São Paulo, v. 16, n. 2, 2000.

BORDIN, S. S.; COUDRY, M. I. H. Excluir para depois incluir In: BARROS, R. C. B. e MASINI L. (Orgs.) Sociedade e Medicalização.1 ed. Campinas: Pontes Editores, 2015, v.1, pp.129-146.

CAGLIARI, l. C. Existem línguas de ritmo silábico? In: Estudos Linguísticos. São Paulo, 42 (1): pp. 19-32, jan-abr, 2013.

CHACON, L. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

COUDRY, M. I. H. (1986) Diário de Narciso. Discurso e afasia: análise discursiva de interlocuções com afásicos. Tese de doutorado. Unicamp, Campinas, 1986. Publicada em livro, São Paulo: Martins Fontes, 1988.

COUDRY, M. I. H. O que é dado em neurolingüística?. In: CASTRO, M. F. C. (Org.) O Método e o dado no estudo da linguagem. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1996. pp. 179-192.

COUDRY, M. I. H. Afasia como tradução. Estudos da Língua(gem), v. 6, n° 2, 7-36, 2008.

COUDRY, M. I. H. Caminhos da Neurolinguística Discursiva: o velho e o novo. In: COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P.; ANDRADE, M. L. F.; SILVA, M. A. (Orgs). Caminhos da Neurolinguística Discursiva: teorização e práticas com a linguagem, 1 ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010, pp. 279-399.

COUDRY, M. I. H; BORDIN, S. S. Afasia e Infância: registro do (in)esquecível. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 54 (1), pp.135-154, 2012.

COUDRY, M. I. H., SCARPA, E. M. De como a avaliação de linguagem contribui para inaugurar ou sistematizar o déficit. In: Cadernos Distúrbios da Comunicação, Série Linguagem, v. 2. São Paulo: PUC, 1985.

CULIOLI, A Pour une linguistique de l’énonciation: formalisation et opérations de repérage, v. 2. Paris: Ophrys, 1999.

DE LEMOS, C. Interacionismo e aquisição da linguagem. In: D. E. L. T. A., v. 2, n. 2, pp. 231-48, 1986.

FARACO, C. A. Linguagem escrita e alfabetização. São Paulo: Contexto, 2012.

FOUCAULT, M. (1969). Arqueologia do Saber. Trad. de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

FREIRE, F. M. P., KOBAYASHI, A., GARCIA, B. L., COUDRY, M. I. H. Entre lápis e teclas: selecionando e combinando letras. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, pp. 45-65, 2013.

FREUD, S. (1891). Pour concevoir les aphasies. Une étude critique. Traduction de Fernand Cambon. Paris: EPEL, 2010.

HELLER-ROAZEN, D. (2005) Ecolalias: sobre o esquecimento das línguas. Trad. Fabio A. Durão. Campinas (SP): Editora UNICAMP, 2010.

JACKSON, H. On the nature of the duality of the brain. In: Brain, v. 38, ns. 80-86; 87-95; 96-103, 1874.

JAKOBSON, R. (1941) Langage enfantin et aphasie. Paris: Flammarion, 1980.

LABIGALINI, A. P. V. Reflexões sobre a práxis fonoaudiológica à luz da Neurolinguística Discursiva. Campinas-SP: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas (Dissertação), 2009. 125p.

LURIA, A. R. Neuropsychological Studies in Aphasia. Amsterdam: Swets & Zeitlinger B.V, 1977.

LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In VYGOTSKY, L. S.; LEONTIEV, A. N. e LURIA, A. R. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 3a. ed. São Paulo: Ícone, 1988.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. Diante das letras - a escrita na alfabetização. São Paulo: Ed. Fapesp, 2001.

MIGLIORINI, L.; MASSINI-CAGLIARI, G. Sobre o ritmo do português brasileiro: evidências de um padrão acentual. In: ReVEL, v.8, n15, 2010 (www.revel.inf.br).

POSSENTI, S. Aprender a escrever (re)escrevendo. São Paulo: Cefiel/IEL/Unicamp e MEC, 2005.

Downloads

Publicado

2017-12-04

Como Citar

COUDRY, M. I. H.; FREIRE, F. M. P. Fala e leitura: uma (re)entrada para a escrita. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 565–579, 2017. DOI: 10.20396/cel.v59i3.8650998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8650998. Acesso em: 25 jun. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>