Banner Portal
Efeitos linguísticos na variação de queda de sílaba em Capivari-SP e Campinas-SP
PDF

Palavras-chave

Queda de sílaba. Estruturas silábica e métrica. Prosódia.

Como Citar

LEAL, Eneida de Goes. Efeitos linguísticos na variação de queda de sílaba em Capivari-SP e Campinas-SP. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 604–629, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i3.8651045. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8651045. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

Resumo: Este artigo apresenta resultados parciais de Leal (2012) a respeito de efeitos internos sobre a queda de sílaba, comparando-se como o processo é implementado em Capivari-SP e Campinas-SP. Prosódia foi a única variável com um efeito igual nas duas cidades: houve um (leve) favorecimento do processo entre frases fonológicas. Houve dois resultados semelhantes: para Estrutura Silábica, duas sílabas CV favorecem levemente a queda de sílaba em Capivari mas têm efeito neutro em Campinas, sendo que o fator mais relevante para a aplicação do processo é a estrutura da sílaba sujeita ao apagamento (nas duas cidades); para Métrica, há uma tendência ao PAR (Selkirk 1984: 19), mas, diferentemente de Alkmim e Gomes (1982), contextos com choque de acento não são bloqueados, mas desfavorecidos. Por fim, houve diferenças: a variável Número de Sílabas foi selecionada somente em Capivari, enquanto Frequência de Uso de Palavras, apenas em Campinas. Portanto, conclui-se que o processo é implementado diferentemente nas duas cidades.
https://doi.org/10.20396/cel.v60i3.8651045
PDF

Referências

ALKMIM, T.M.; GOMES, C. A. 1982. Dois fenômenos de supressão de segmentos em limite de palavra. Ensaios de Linguística, 7: 43-51.

BATTISTI, E. 2004. Haplologia sintática e efeitos da economia. Organon (UFRGS), Porto Alegre - RS, v. 18, n. 36, pp. 31-39.

BATTISTI, E. 2005. Haplologia no português do sul do Brasil: Porto Alegre. Letras de Hoje 40(3): 73-88.

BISOL, L. 2000. O troqueu silábico no sistema fonológico (Um adendo ao artigo de Plínio Barbosa). D.E.L.T.A. Vol.16, 2: 403-13.

BOERSMA, P.; WEENINK, D. 2010. Praat: doing phonetics by computer (Versão 5.1.23). Disponível em: http://www.praat.org. Acesso em: 24 mai 2011.

BYBEE, J.L. 2010. Language, Usage and Cognition. Cambridge: Cambridge University Press.

CÂMARA, J.M. 1969. Problemas de Linguística Descritiva. Petrópolis: Vozes.

CHOMSKY, N. 1965. Aspects of the Theory of Syntax. Cambridge: The MIT Press

CLEMENTS, G.N.; HUME, E. 1995. The Internal Organization of Speech Sounds. J. Goldsmith (ed). The Handbook of Phonological Theory. Oxford: Basil Blackwell, pp. 245-306.

COLLISCHONN, G. 2007. Proeminência acentual e estrutura silábica: seus efeitos em fenômenos do português brasileiro. Gabriel Antunes de Araújo (org.) O acento em português. São Paulo: Parábola.

CRISTÓFARO-SILVA, T. 2001. Difusão Lexical: Estudo de Casos do Português Brasileiro. E.A.M. Mendes, P.M. Oliveira e V. Benn-Ibler (orgs). O Novo Milênio: interfaces lingüísticas e literárias. Faculdade de Letras. Belo Horizonte, pp. 209-218.

FRANÇOZO, E.; OLIVEIRA, L.F.; RUIZ, L.G.; LIMA, P.L.C; NAVAS, A.L.G.P. 2002. Conhecimento Lexical e Processamento da Linguagem. Reunião Anual do GEL, 2002, São Paulo. Anais da 25ª Reunião Anual do GEL. São Paulo: GEL.

GOLDSMITH, J. 1990. Autosegmental and Metrical Phonology. Oxford: Blackwell.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/

LABOV, W. 1972. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pensilvania Press.

LABOV, W. 1994. Principles of linguistic change, vol. I, Internal factors. Malden and Oxford: Blackwell Publishers.

LABOV, W. 2001. Principles of linguistic change, vol. II, Social factors. Malden and Oxford: Blackwell Publishers.

LEAL, E.G. 2006. Elisão silábica e haplologia: aspectos fonológicos do falar da cidade paulista de Capivari. 165f. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Linguística Geral) – Universidade de São Paulo, FFLCH, São Paulo.

LEAL, E.G. 2007. A queda da sílaba: análise do contexto consonantal pela geometria de traços. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. Edição especial n. 1. Disponível em: www.revel.inf.br.

LEAL, E.G. 2012. Teoria fonológica e variação: a queda de sílaba em Capivari e em Campinas. 242f. Tese (Doutorado em Semiótica e Linguística Geral) – FFLCH-USP, São Paulo, 2012.

LEAL, E.G. 2018. Variação e definição de queda de sílaba: o contexto segmental em Capivari-SP e Campinas-SP. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, pp. 187-220.

LEBEN, W. 1973. Suprasegmental Phonology. Ph.D. Dissertation. MIT: Cambridge, Massachusetts.

MENDES, R.M.G. 2009. A haplologia no português de Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado), Belo Horizonte: PUCMINAS.

McCARTHY, J. 1979. On stress and syllabification. Linguistic Inquiry 10: 443-465.

McCARTHY, J. 1986: OCP effects: Gemination and antigemination. Linguistic Inquiry 17, pp.207-63.

McCARTHY, J. 1988. Feature geometry and dependency: A review. Phonetica 45: 84-108.

NESPOR, M.; VOGEL, M. 1986: Prosodic phonology. Dordrecht: Foris Publications.

OLIVEIRA, A.J. 2012. ‘Comendo o final das palavras’: Análise variacionista da haplologia, elisão e apócope em ltaúna/MG. Tese de doutorado. Belo Horizonte, UFMG.

OLIVEIRA, A.J.; VIEGAS, M.C. 2013. Casos especiais de elisão silábica: Uma contribuição aos estudos de gramaticalização. In VIEGAS, M. do C. (Org.). Minas é singular. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG.

OLIVEIRA, M.; PAZ, F. 2013. Haplologia na região amazônica: Imagens preliminares. Estudos de Lingüística Galega 5, pp. 69-87.

PAVEZI, V.C. 2006. A haplologia na variedade paulista. Dissertação de mestrado. São José do Rio Preto: Unesp.

PAZ, F.H.S. 2013. Haplologia no falar paraense. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém.

Prefeitura Municipal de Campinas. Disponível em: http://www.campinas.sp.gov.br/

Prefeitura Municipal de Capivari. Disponível em: http://www.capivari.sp.gov.br/

SANDALO, F.; TRUNKENBRODT, H. 2002. Some notes on phonological phrasing in Brazilian Portuguese. The MIT Working Paper, Cambridge, v.42, p. 285-310.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S.; SMITH, E. 2005. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics, University of Toronto.

SELKIRK, E.O. 1984. Phonology and Syntax: the relation between sound and structure. Cambridge, Mass: MIT Press.

SIMIONI, T.; AMARAL, F.U. 2011. A haplologia e o princípio do contorno obrigatório. In.: MARTINS, Marco Antônio (Org.). Revista do GELNE, v.13, p. 53-67.

TAGLIAMONTE, S.A. 2006. Analysing Sociolinguistic Variation. Cambridge: Cambridge University Press.

TENANI, L.E. 2002. Domínios prosódicos no português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. Tese de doutorado. Campinas, Unicamp.

TENANI, L.E. 2003. Haplologia e domínios prosódicos. Letras de Hoje, Porto Alegre: Edipucrs.

TENANI, L.E. 2006. Considerações sobre a relação entre processos de sândi e ritmo. Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, v. 03, p. 105-122.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.