Banner Portal
Bloqueado, suspenso, fora do ar: a atualidade da censura no espaço digital
PDF

Palavras-chave

Discurso. Censura. Facebook.

Como Citar

MOREIRA, Carla Barbosa. Bloqueado, suspenso, fora do ar: a atualidade da censura no espaço digital. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 847–868, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i3.8651532. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8651532. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

Desde o período da Ditadura Civil-Militar no Brasil, quando as condições de cerceamento da liberdade de usar a palavra foram institucionalizadas, não se fala tanto em censura como nos últimos anos. Este é o objeto de análise deste texto – a censura -, que pode ser compreendida como um mecanismo político e ideológico que intervém na ordem do discurso, visando o controle de sentidos, seja pelo silenciamento, seja pelo evidenciamento (Moreira, 2007). A partir dessa noção e à luz da Análise do Discurso de vertente francesa e seus desdobramentos no Brasil (Pêcheux, 1988[1975]; Orlandi, 2004[1996]), a censura foi analisada em sua materialidade digital, admitindo-se as implicações que as relações entre sujeito, conhecimento e tecnologia trazem para a compreensão dos processos de significação e para a memória. Desse modo, as políticas que produzem (novas/outras) técnicas e saberes censórios no espaço digital foram analisadas enquanto condições de produção do discurso no Facebook. Essas condições de produção, em sentido estrito, e as condições de produção históricas e sociais – que apontam implicações para a relação linguagem e tecnologia – permitem-nos compreender um processo de constituição do sujeito -  referido pelo Facebook por “você”, “usuário” e “pessoa” -  e efeitos de sentido para censura. Assim, a análise do que vem sendo compreendido como censura no/pelo Facebook confirmou novos gestos materializados por discursividades como “remover”, “desabilitação”, nas condições de produção dispostas nos Termos e princípios do Facebook, e marcas como “bloquear”, “suspender”, “tirar do ar”, “exilar”, “impedir”, “calar”, um “conteúdo”, um “perfil”, “página”, “marca X”, “ele”. O resultado desta análise sobre a censura indica, ainda, um campo aberto de investigação acerca das práticas censórias reconfiguradas para/na materialidade digital em decorrência das mudanças nas relações sociais.
https://doi.org/10.20396/cel.v60i3.8651532
PDF

Referências

ABRAJI – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Portal). Projeto Experimental CTRL + X Disponível em: http://www.ctrlx.org.br/#/infografico. Acesso em: 15 nov. 2016.

BRASIL. Lei 12.965/14, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: l5 fev. 2016.

DELEUZE, Gilles, Desejo e prazer. In: PELBART, Peter; ROLNIK, Suely (Orgs.). Cadernos de subjetividade. São Paulo: PUC-SP, v. 1, n. 1, 1993.

DIAS, Cristiane. Memória Metálica (Verbete). Enciclopédia discursiva da cidade. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/endici/index.php?r=verbete/view&id=119. Acesso em: 12 maio 2016.

DIAS, Cristiane. Espaço, tecnologia e informação: uma leitura da cidade. In: RODRIGUES, Eduardo. A.; SANTOS, Gabriel. L. dos; BRANCO, Luiza. K. C.(Orgs.). Análise de discurso no Brasil: pensando o impensado sempre: uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas: RG, 2011a. p. 259-272.

DIAS, Cristiane; COELHO, André. V de vinagre: a produção de imagens humorísticas sobre as manifestações brasileiras de 2013 nas redes sociais. In. PATTI, Ane Ribeiro et. al. (orgs.) Textecendo discursos na contemporaneidade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012. Acesso em: 12 maio 2016.

FACEBOOK . Página inicial. 2017. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2016.

FACEBOOK. Termos e Políticas do Facebook. Disponível em: https://pt-br.Facebook .com/policies. Acesso em: 06 abr. 2017.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, Poder-Saber. Trad. Vera Lúcia Avellar Ribeiro. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. 20 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999a.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da Sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999b.

KANASCHIRO, Marta. Vigiar e resistir: a constituição de práticas e saberes em torno da informação. Ciência e Cultura, Campinas, v. 68, n. 1, p. 20-24, 2016. Disponível em http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v68n1/v68n1a10.pdf. Acesso em: 25 maio 2017.

LAGAZZI, Suzy. O recorte significante da memória. In: INDURSKY, F; FERREIRA, M. C; MITTMAN, S. (Orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz, 2009.

MARIANI, Bethania. Subjetividade e Imaginário Linguístico. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 3, Número Especial, p. 55-72, 2003.

MARIANI, Bethania. Colonização lingüística: língua, política e religião no Brasil (séculos XVI a XVIII) e nos Estados Unidos da América (século XVIII). São Paulo: Pontes, 2004.

MOREIRA, Carla. Censura e silenciamento no discurso jornalístico. In: RIBEIRO, Ana Paula; FERREIRA, Lucia Maria (Orgs.). Mídia e memória: a produção de sentidos nos meios de comunicação. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007. p. 319-342.

MOREIRA, Carla. Produção, circulação e funcionamento da censura na ditadura militar brasileira e no fascismo italiano: a censura na ordem do discurso. Tese (Doutorado). Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, 2009. 187p.

MOREIRA, Carla. Censura, memória e arquivo discursivo. In: Veredas on line – Análise do Discurso. Juiz de Fora, n. 2, p. 107-118, 2010. Disponível em http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2010/04/artigo-08.pdf. Acesso em: 10 de abril de 2016.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 5 ed. SP: Ed. Unicamp. 2007[1992].

ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: Princípios e Procedimentos. 5.ed. São Paulo: Ed. Pontes, 2003[1999].

ORLANDI, Eni. Os recursos do Futuro: Um outro discurso. Multiciência, Campinas, n.1, p. 1-7. 2003. Disponível em: https://www.multiciencia.unicamp.br/artigos_01/A5_Orlandi_port.PDF. Acesso 10 jun. de 2016.

ORLANDI, Eni. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2004[1996]).

ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: conversa com Eni Orlandi. In: Goulart, Raque. Teias: Rio de Janeiro, ano 7, n. 13-14, jan/dez 2006 (Entrevista).

ORLANDI, Eni. Tecnologias da linguagem: um novo funcionamento. In: O que é linguística. São Paulo: Brasiliense, 2009.

ORLANDI, Eni. A contrapelo: incursão teórica na tecnologia: discurso eletrônico, escola, cidade. Rua [online], n. 16, v. 2, Campinas, Labeurb/Unicamp, 2010. Disponível em http://www.labeurb.unicamp.br/rua/pages/pdf/16-2/1-16-2.pdf. Acesso em 5 mar.2016.

ORLANDI, Eni. A materialidade do gesto de interpretação e o discurso eletrônico. In: DIAS, C. (Org.). Formas de mobilidade no espaço e-urbano: sentido e materialidade digital. Campinas: Labeurb/Nudecri, 2013.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni P. Orlandi et al. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1988[1975].

THOMPSON, JohnB. The new visibility. Theory. In: Culture & Society, nº22, 2005.

O periódico Cadernos de Estudos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.