Bloqueado, suspenso, fora do ar: a atualidade da censura no espaço digital

Autores

  • Carla Barbosa Moreira Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i3.8651532

Palavras-chave:

Discurso. Censura. Facebook.

Resumo

Desde o período da Ditadura Civil-Militar no Brasil, quando as condições de cerceamento da liberdade de usar a palavra foram institucionalizadas, não se fala tanto em censura como nos últimos anos. Este é o objeto de análise deste texto – a censura -, que pode ser compreendida como um mecanismo político e ideológico que intervém na ordem do discurso, visando o controle de sentidos, seja pelo silenciamento, seja pelo evidenciamento (Moreira, 2007). A partir dessa noção e à luz da Análise do Discurso de vertente francesa e seus desdobramentos no Brasil (Pêcheux, 1988[1975]; Orlandi, 2004[1996]), a censura foi analisada em sua materialidade digital, admitindo-se as implicações que as relações entre sujeito, conhecimento e tecnologia trazem para a compreensão dos processos de significação e para a memória. Desse modo, as políticas que produzem (novas/outras) técnicas e saberes censórios no espaço digital foram analisadas enquanto condições de produção do discurso no Facebook. Essas condições de produção, em sentido estrito, e as condições de produção históricas e sociais – que apontam implicações para a relação linguagem e tecnologia – permitem-nos compreender um processo de constituição do sujeito -  referido pelo Facebook por “você”, “usuário” e “pessoa” -  e efeitos de sentido para censura. Assim, a análise do que vem sendo compreendido como censura no/pelo Facebook confirmou novos gestos materializados por discursividades como “remover”, “desabilitação”, nas condições de produção dispostas nos Termos e princípios do Facebook, e marcas como “bloquear”, “suspender”, “tirar do ar”, “exilar”, “impedir”, “calar”, um “conteúdo”, um “perfil”, “página”, “marca X”, “ele”. O resultado desta análise sobre a censura indica, ainda, um campo aberto de investigação acerca das práticas censórias reconfiguradas para/na materialidade digital em decorrência das mudanças nas relações sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Barbosa Moreira, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens/DELTEC (Departamento de Linguagem e Tecnologia) - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET-MG

Referências

ABRAJI – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Portal). Projeto Experimental CTRL + X Disponível em: http://www.ctrlx.org.br/#/infografico. Acesso em: 15 nov. 2016.

BRASIL. Lei 12.965/14, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: l5 fev. 2016.

DELEUZE, Gilles, Desejo e prazer. In: PELBART, Peter; ROLNIK, Suely (Orgs.). Cadernos de subjetividade. São Paulo: PUC-SP, v. 1, n. 1, 1993.

DIAS, Cristiane. Memória Metálica (Verbete). Enciclopédia discursiva da cidade. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/endici/index.php?r=verbete/view&id=119. Acesso em: 12 maio 2016.

DIAS, Cristiane. Espaço, tecnologia e informação: uma leitura da cidade. In: RODRIGUES, Eduardo. A.; SANTOS, Gabriel. L. dos; BRANCO, Luiza. K. C.(Orgs.). Análise de discurso no Brasil: pensando o impensado sempre: uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas: RG, 2011a. p. 259-272.

DIAS, Cristiane; COELHO, André. V de vinagre: a produção de imagens humorísticas sobre as manifestações brasileiras de 2013 nas redes sociais. In. PATTI, Ane Ribeiro et. al. (orgs.) Textecendo discursos na contemporaneidade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012. Acesso em: 12 maio 2016.

FACEBOOK . Página inicial. 2017. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2016.

FACEBOOK. Termos e Políticas do Facebook. Disponível em: https://pt-br.Facebook .com/policies. Acesso em: 06 abr. 2017.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, Poder-Saber. Trad. Vera Lúcia Avellar Ribeiro. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. 20 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999a.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da Sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999b.

KANASCHIRO, Marta. Vigiar e resistir: a constituição de práticas e saberes em torno da informação. Ciência e Cultura, Campinas, v. 68, n. 1, p. 20-24, 2016. Disponível em http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v68n1/v68n1a10.pdf. Acesso em: 25 maio 2017.

LAGAZZI, Suzy. O recorte significante da memória. In: INDURSKY, F; FERREIRA, M. C; MITTMAN, S. (Orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz, 2009.

MARIANI, Bethania. Subjetividade e Imaginário Linguístico. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 3, Número Especial, p. 55-72, 2003.

MARIANI, Bethania. Colonização lingüística: língua, política e religião no Brasil (séculos XVI a XVIII) e nos Estados Unidos da América (século XVIII). São Paulo: Pontes, 2004.

MOREIRA, Carla. Censura e silenciamento no discurso jornalístico. In: RIBEIRO, Ana Paula; FERREIRA, Lucia Maria (Orgs.). Mídia e memória: a produção de sentidos nos meios de comunicação. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007. p. 319-342.

MOREIRA, Carla. Produção, circulação e funcionamento da censura na ditadura militar brasileira e no fascismo italiano: a censura na ordem do discurso. Tese (Doutorado). Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, 2009. 187p.

MOREIRA, Carla. Censura, memória e arquivo discursivo. In: Veredas on line – Análise do Discurso. Juiz de Fora, n. 2, p. 107-118, 2010. Disponível em http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2010/04/artigo-08.pdf. Acesso em: 10 de abril de 2016.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 5 ed. SP: Ed. Unicamp. 2007[1992].

ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: Princípios e Procedimentos. 5.ed. São Paulo: Ed. Pontes, 2003[1999].

ORLANDI, Eni. Os recursos do Futuro: Um outro discurso. Multiciência, Campinas, n.1, p. 1-7. 2003. Disponível em: https://www.multiciencia.unicamp.br/artigos_01/A5_Orlandi_port.PDF. Acesso 10 jun. de 2016.

ORLANDI, Eni. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2004[1996]).

ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: conversa com Eni Orlandi. In: Goulart, Raque. Teias: Rio de Janeiro, ano 7, n. 13-14, jan/dez 2006 (Entrevista).

ORLANDI, Eni. Tecnologias da linguagem: um novo funcionamento. In: O que é linguística. São Paulo: Brasiliense, 2009.

ORLANDI, Eni. A contrapelo: incursão teórica na tecnologia: discurso eletrônico, escola, cidade. Rua [online], n. 16, v. 2, Campinas, Labeurb/Unicamp, 2010. Disponível em http://www.labeurb.unicamp.br/rua/pages/pdf/16-2/1-16-2.pdf. Acesso em 5 mar.2016.

ORLANDI, Eni. A materialidade do gesto de interpretação e o discurso eletrônico. In: DIAS, C. (Org.). Formas de mobilidade no espaço e-urbano: sentido e materialidade digital. Campinas: Labeurb/Nudecri, 2013.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni P. Orlandi et al. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1988[1975].

THOMPSON, JohnB. The new visibility. Theory. In: Culture & Society, nº22, 2005.

Downloads

Publicado

2018-11-22

Como Citar

MOREIRA, C. B. Bloqueado, suspenso, fora do ar: a atualidade da censura no espaço digital. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 847–868, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i3.8651532. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8651532. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos