No caçar dos erros, a língua que escapa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i3.8652240

Palavras-chave:

Língua. Revisão de textos publicitários. Análise do discurso.

Resumo

Este artigo, ancorado na Análise do Discurso pêcheuxtiana, objetiva analisar o funcionamento dos dizeres sobre o revisor de textos da publicidade a partir de um corpus experimental, que consta de entrevistas com sujeitos envolvidos na etapa de revisão do processo de criação publicitária. Podemos dizer que o objeto analisado é bastante específico, e, até mesmo, contraditório, posto que a publicidade, em geral, trabalha com uma linguagem coloquial, enquanto a revisão de textos pode ser vista como uma tentativa de blindar a língua, torná-la perfeita e evitar os erros. No entanto, ao observar esta contradição, percebemos algumas outras possibilidades de pensar a língua e o espaço de dizeres da publicidade. A relação língua/revisão de textos permeia as sequências discursivas (SDs) analisadas. Nelas, observamos uma relação de repetibilidade na forma de pré-construídos: o revisor de textos é descrito como um sujeito que domina plenamente a língua portuguesa, um detentor dos conhecimentos gramaticais, uma vez que se toma a noção de língua pela de gramática. Assim, buscamos compreender de que forma esses pré-construídos se constituíram historicamente e que regiões do interdiscurso são mobilizadas para que intervenham como efeito de memória nos dizeres desses sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Debbie Mello Noble, Universidade do Sul de Santa Catarina

Doutoranda em Texto e Discurso pelo PPG em Ciências da Linguagem da Unisul. Mestra em Estudos da Linguagem - Análises textuais, discursivas e enunciativas pelo PPG Letras da UFRGS.

Referências

AIUB, Giovani Forgiarini. Arquivo em Análise do Discurso: uma breve discussão sobre a trajetória teórico- metodológica do analista. Leitura, Maceió, n. 50, p. 61-82, jul./dez. 2012.

AUROUX, Sylvain. A Revolução Tecnológica da Gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: Ed. UFSCar, 2009.

COSTA, Thaís de Araujo da. Significando e garantindo a língua nacional: o processo de historicização da língua portuguesa do brasil e a implementação da nomenclatura gramatical brasileira. RevLet – Revista Virtual de Letras, v. 05, n. 02, ago./dez. 2013.

DALTOÉ, Andréia da Silva. As metáforas de Lula: a deriva dos sentidos na língua política. 220 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – PPG Letras – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

DORNELES, Elizabeth Fontoura; CAZARIN, Ercília; SCHONS, Carme Regina. Discurso sobre a língua e a constituição da língua da escola. In: SCHONS, Carme Regina; CAZARIN, Ercília Ana. (Orgs.). Língua, escola e mídia en(tre)laçando teorias, conceitos e metodologias. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2011, p. 34-47.

GADET, Françoise; PÊCHEUX, Michel. A língua inatingível. O discurso na história da Linguística. 2. ed. Tradução Bethânia Mariani e Maria Elizabeth Chaves de Mello. Campinas: Editora RG, 2010.

GALLO, Solange Leda Maria. Como o texto se produz: uma perspectiva discursiva. Blumenau: Nova Letra, 2008.

HANSEN, Fábio. A noção de pré-construído e seus desdobramentos no processo criativo do discurso publicitário. Organon, UFRGS, v. 24, n. 48, 2010. Disponível em: seer.ufrgs.br/organon/article/download/28644/17323.

LEANDRO FERREIRA, Maria Cristina. O caráter singular da língua no Discurso. Organon – Revista do Instituto de Letras da UFRGS, v. 17, n. 35, p. 86-99, Porto Alegre, 2003.

LEANDRO FERREIRA, Maria Cristina. Memória discursiva em funcionamento. In: ROMÃO, Lucília Maria Souza; CORREA, Fernanda Silveira. Conceitos discursivos em rede. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012.

MARIANI, Bethânia. Os primórdios da Imprensa no Brasil (ou: de como o discurso jornalístico constrói memória). In: ORLANDI, Eni Puccinelli (Org.). Discurso Fundador - a formação do País e a construção da identidade nacional. Campinas: Pontes, 1993, v. 01, p. 32-43.

MITTMANN, Solange. Língua, gramática e normatização em discursos de arquivo. In: UFRGS/COPERSE. Reflexões linguísticas e redação de vestibular. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2010.

ORLANDI, Eni. O próprio da Análise do Discurso. Escritos, Discurso e Política, n. 3, Labeurb, Campinas, 1998.

ORLANDI, Eni. Língua e conhecimento linguístico. Para uma História das Idéias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, Eni. Análise de Discurso. In: ORLANDI, Eni; LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy (Orgs.). Introdução às Ciências da Linguagem: discurso e textualidade. 2. ed. Campinas: Pontes, 2010a.

ORLANDI, Eni. A contrapelo: incursão teórica na tecnologia - discurso eletrônico, escola, cidade. Revista Rua, Campinas, n. 16, v. 2, nov. 2010b.

ORLANDI, Eni.; GUIMARÃES, Eduardo. Formação de um espaço de produção linguística: a Gramática no Brasil. In: ORLANDI, Eni (Org.). História das Ideias Linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da Língua Nacional. Campinas: Pontes; Cáceres: Unemat, 2001.

ORLANDI, Eni; SOUZA, Tania de. A língua imaginária e a língua fluida: dois métodos de trabalho com a linguagem. In: ORLANDI, Eni (Org.). Política linguística na América Latina. Campinas: Pontes, 1988.

PÊCHEUX, Michel. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, Eni (Org.). Gestos de Leitura: da história no discurso. Campinas: Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, Michel. Semântica & Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Unicamp, 2009.

PETRI, Verli. Contribuições da análise de discurso para o ensino de língua: em busca da desconstrução da unidade imaginária. In: SCHONS, Carme Regina; CAZARIN, Ercília Ana. Língua, escola e mídia: en(tre)laçando teorias, conceitos e metodologias. Passo Fundo: Editora UPF, 2011.

SARAMAGO, José. História do Cerco de Lisboa. Editorial Caminho, 1989.

SCHERER, Amanda Eloina. A constituição do eu e do outro pela interpelação da língua pela língua na história do sujeito. In: LEANDRO FERREIRA; INDURSKY, Freda. Análise do Discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007.

SURDI, Marcia; PETRI, Verli. Língua: o “diferente” no interior do mesmo na gramática. Revista de Letras, v. 12, n. 12, 2010. Disponível em: http://www.dacex.ct.utfpr.edu.br/12_LÍNGUA.htm. Acesso em: 26 dez. 2015.

Downloads

Publicado

2018-11-22

Como Citar

NOBLE, D. M. No caçar dos erros, a língua que escapa. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 758–774, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i3.8652240. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8652240. Acesso em: 26 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos