Por uma análise do discurso “revolucionário” em pichações

Palavras-chave: Linguística. Análise do Discurso

Resumo

Este trabalho propõe uma análise discursiva de pichações. Nosso corpus contempla pichações que tematizam o sujeito feminino e esquematizam, para esta posição, lugares a serem ocupados. Com base nos conceitos de pré-construído, interdiscurso e memória discursiva, este artigo levanta as seguintes questões: será que a pichação é, no que concerne aos significados que mobiliza, efetivamente subversiva? Seria possível haver traços de conservadorismo nessa prática? Entendemos haver um descompasso entre a prática discursiva e o conteúdo semântico mobilizado na rede parafrástica dos enunciados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Kogawa, Universidade Federal de São Paulo
Professor Adjunto do Departamento de Letras e do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Doutor em Linguística e Língua Portuguesa pela Unesp - Araraquara (Conceito CAPES 6), com período de estágio doutoral na Université Sorbonne Nouvelle (Paris III) sob supervisão do Prof. Jean-Jacques Courtine.
Patrícia Bucioli Knetsch, Universidade Federal de São Paulo
Programa de pós-graduação em Letras da Universidade Federal de São Paulo.

 

Referências

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução de Edson Bini. São Paulo: EDIPRO, 2011.

BÍBLIA, A. T. Gênesis. In: Bíblia: nova tradução na linguagem de hoje. Tradução de João João Ferreira de Almeida. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2013. pp. 3-57

COURTINE, J-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Tradução de Cristina de Campos Velho Birck et. al. São Carlos: EDUFSCAr, 2009.

COURTINE, J-J. (1999). “O chapéu de Clémentis. Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso politico”. Traduzido por Marne Rodrigues de Rodrigues. In: INDURSKY, Freda & FERREIRA, Maria Cristina Leandro (org.). Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. São Paulo: Sagra Luzzatto. pp. 15-22.

GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo: Brasiliense, 1999.

ORLANDI, Eni. Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes, 2004.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Orlandi. 7. ed. Campinas: Pontes, 2015.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Tradução de Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2007.

SOUZA, David da Costa Aguiar de. Pichação carioca: etnografia e uma proposta de entendimento. 2007. 122 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: <http://comunidadesegura.org.br/files/pichacao carioca.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2017.

Publicado
2019-02-13
Como Citar
Kogawa, J., & Knetsch, P. B. (2019). Por uma análise do discurso “revolucionário” em pichações. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-17. https://doi.org/10.20396/cel.v61i1.8653465