Português de arremedo: um lado do preconceito linguístico no Brasil

Palavras-chave: Ideologia Linguística. Apropriação. Indexicalidade

Resumo

O presente artigo analisa o uso cotidiano e amplamente difundido do “português de arremedo” entre brasileiros. Adota-se o termo português de arremedo em referência à prática linguística na qual uma pessoa replica palavras e expressões de variedades não padrão, à margem do português padrão, com o intento de fazer graça. Para tanto, utiliza-se uma análise qualitativa a partir de dados que são profusamente compartilhados online através de aplicativos de mensagens, blogs, redes sociais, além da mídia tradicional. Com base em conceitos e pesquisas da sociolinguística e antropologia linguística, busca-se mostrar que (1) o português de arremedo produz uma falsa sensação de inocuidade; (2) a pessoa que produz o português de arremedo — ou seja a pessoa que arremeda o português dos falantes das variedades não padrão, i.e. marginalizadas — ocupa um lugar de fala que é resultado de desigualdade linguística e social; e (3) a pessoa que produz o português de arremedo é, em parte, responsável pela reprodução dessa desigualdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Jose Bacelar da Silva, University of Arizona
Atualmente realiza estágio de Pós-Doutorado com bolsa da CAPES no Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura da Universidade Federal da Bahia. Possui doutorado em Antropologia -- com ênfase em análise etnográfica e linguística do discurso -- pela University of Arizona (2012). Sua experiência de pesquisa e ensino integram a Teoria Racial Crítica (Critical Race Theory) e a Antropologia Linguística no estudo sobre o nexo língua, raça e identidade. Atualmente desenvolve um projeto de pesquisa sobre o uso de raça em retórica política.

Referências

AMARAL, A. O dialeto Caipira. 3. ed. São Paulo. HUMITEC/Secretaria da Cultura, Ciência, e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1976[1920].

ANDRADE, C. 0.; MELO, F. G. de; SCHERRE, M. M P. História e variação linguística: um estudo em tempo real do imperativo gramatical em revistas em quadrinhos da Turma da Mônica. Finos Leitores: Jornal de Letras, Brasilia, v.3, n.1, 2007.

ARAGÃO, M. do S. S. de. Ditongação e monotongação no falar de Fortaleza. Revista Graphos, Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade da Paraíba, João Pessoa, v. 5, n. 1 p. 109-122, 2000.

ARAGÃO, M. do S. S. de. Os estudos fonético-fonológicos nos estados da Paraíba e do Ceará. Revista da Abralin, Revista da Associação Brasileira de Linguística, Pará, v. 8, n. 1, p. 163-184, 2009.

BAGNO, M. Português do Brasil: herança colonial e diglossia. Revista da FAEEBA, v. 15, n. Jan-Jun, p. 37-48, 2001.

BAGNO, M. Cassandra, Fênix e outros mitos. In: FARACO, C. A. (Ed.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. São Paulo: Parábola, 2002. p. 49-83.

BAKHTIN, M. M. Problems of Dostoevsky’s poetics. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

BORTONI, S. Marcos Bagno fala sobre preconceito lingüístico. Disponível em: <http://www.stellabortoni.com.br/index.php/entrevistas/1414-maaios-bagoo-fala-sobai-paiiooiiito-lioguistiio-78894042>. Acesso em: 02 out. 2018.

BORTONI-RICARDO, S. M. The urbanization of rural dialect speakers: a sociolinguistic study in Brazil. New York: Cambridge University Press, 1985.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BOURDIEU, P. Language and symbolic power. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1991.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brazil. D.E.L.T.A., v. 15, n. Especial, p. 385-417, 1999.

CHAVES, L. M. do N.; MELO, F. E. S. de. A despalatização de /l/ na fala da zona ubana de Rio Branco (AC). In: Congresso Nacional de Linguística e Filologia, 13, 2009, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos do XIII CNLF. Rio de Janeiro: CiFEFiL, p. 84-98, 2009.

CHUN, E. W. Ideologies of legitimate mockery: Margaret Cho’s Revoicings of Mock Asian. Oxford University Press, 2009.

HILL, J. H. Mock Spanish: a site for the indexical reproduction of racism in American English. Language & Culture. Binghamton University. Symposium #2 1995. Disponível em: <http://language-culture.binghamton.edu/symposia/2/part1/> Acesso em: 05 jan. 2019.

HILL, J. H. The everyday language of white racism. Chichester, U.K.; Malden, MA: Wiley-Blackwell, 2008.

IRVINE, J. T.; GAL, S. Language ideology and linguistic differentiation. In: KROSKRITY, P. V. (Ed.). Regimes of language: ideologies, polities, and identities. Santa Fe, NM: School of American Research Press, 2000. p. 35-83.

MASSINI-CAGLIARI, G. Language policy in Brazil: monolingualism and linguistic prejudice. Language Policy, v. 3, n. 1, p. 3-23, 2004.

OCHS, E. Indexing gender. New York: Cambridge University Press, 1992.

OLIVEIRA, G. M. D. Brasileiro fala português: monolingüismo e preconceito lingüístico. In: SILVA, F. L. D.; MOURA, H. M. D. M. (Ed.). O direito à fala: a questão do preconceito linguístico. Revised edition. Florianópolis: Insular, 2002. p. 83-92.

OLIVEIRA, T. B. Preconceito linguístico e humor em páginas do Facebook. Revista EDUC-Faculdade de Duque de Caxias, v. 2, n. 2, p. 81-101, 2015.

OUSHIRO, L. Can we tell people’s social class just by listening to them? Roseta: Brazilian Linguistics Association (ABRALIN), v. 1, n. 1, 2018. Disponível em: <http://www.roseta.org.br/2018/05/13/can-we-tell-peoples-social-class-just-by-listening-to-them/> Acessado em: 30 dez. 2018.

SCHERRE, M. M. P. Variação da concordância nominal no português do Brasil: influência das variáveis posição, classe gramatical e marcas precedentes. In S. Groβe & K. Zimmermann (Eds.), “Substandard” e mudança no português do Brasil. Frankfurt am Main: Teo Ferrer de Mesquita, 1998, p. 153–188.

SCHERRE, M. M. P. Aspectos sincrônicos e diacrônicos do imperativo gramatical no português brasileiro. Alfa 51, n. 1, p. 189-222, 2007.

SCHERRE, M. M. P. Doa-se lindos filhos de poodle: variação linguística, mídia e preconceito. São Paulo: Parábola, 2008.

SCHERRE, M. M. P. Verdadeiro respeito pela fala do outro: realidade possível? Revista Letra, v. 8, n. 1 & 2, p. 51-62, 2013.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. Duas dimensões do paralelismo formal na concordância verbal no português popular do Brasil. DELTA Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada v. 9, n. 1, p. 1-14, 1993.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. Sociolinguistic correlates of negative evaluation: variable concord in Rio de Janeiro. Language Variation and Change, v. 26, p. 331-357. 2014.

SILVERSTEIN, M. Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life. Language & Communication, v. 23, p. 193-229, 2003.

SILVERSTEIN, M. Private rituals encounters, public ritual indexes. In: SENFT, G.; BASSO, E. (Eds.). Ritual communication. Oxford; New York: Berg Publishers, 2009. p. 271-292.

POSSENTI, S. Preconceito linguístico. 2011. Disponível em: <http://cienciahoje.org.br/coluna/preconceito-linguistico/>. Acesso em: 30 dez. 2018.

SOUZA, P. D. D. S.; SANTOS, A. K. B. Ubanização e monitoração estilística: a variação linguística e as representações da fala caipira nas histórias em quadrinhos. Fórum Lingüístico, v. 15, n. 1, p. 2843-2859, 2018.

Publicado
2019-02-22
Como Citar
Silva, A. J. B. da. (2019). Português de arremedo: um lado do preconceito linguístico no Brasil. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-19. https://doi.org/10.20396/cel.v61i1.8653608