Contraposição não oracional com mas: substituição e acréscimo

Palavras-chave: Coordenação. Adversativa. Concessão. Mas.

Resumo

A proposta deste estudo é investigar a relação adversativa entre sintagmas e palavras, sob a perspectiva da Gramática Discursivo-Funcional (Hengeveld; Mackenzie, 2008). Para essa teoria, em construções como The work took longer than expected, but it was easy, ocorre concessão entre dois atos discursivos não equipolentes, sendo o ato discursivo nuclear marcado com but. Este estudo tem como objetivo verificar se expressamente e implicitamente na construção a carta está, não expressamente, mas implicitamente, dividida em pequenas quadrículas. (PT89:CartografiaPortuguesa:49), constituem atos discursivos e o tipo de processo morfossintático que esse fenômeno engendra. Para isso, utiliza como universo de investigação os materiais do corpus “Português oral”, desenvolvido pelo Projeto “Português Falado: Variedades Geográficas e Sociais”. A análise das ocorrências mostra que há dois atos discursivos não equipolentes relacionados, com núcleo lexical, morfossintaticamente mapeados por sintagmas e palavras, constituindo então casos de listagem. Esse tipo de estrutura pode indicar que (1) o falante apresenta no primeiro ato discursivo uma informação que é logo refutada e substituída pela informação contida no segundo ato discursivo; ou que (2) o falante sente a necessidade de acrescentar uma informação que supõe ser importante para a correta interpretação do ouvinte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erotilde Goreti Pezatti, Universidade Estadual Paulista - São José do Rio Preto.
Licenciada em Letras pela UNESP/SJRP, mestre em Linguística pela PUC-Campinas, doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Ara. Concluiu, em 2005, pós-doutorado pela Universidade de Amsterdã e, em 2012, pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional de Lisboa, ambos em Gramática Discursivo-Funcional. Professora Assistente Doutor da UNESP/SJRP atua na Graduação e na Pós-Graduação, na linha de pesquisa Descrição e Análise Funcional de Língua Falada e Escrita, desenvolvendo temas relacionados à ordenação de constituintes na sentença, articulação de orações, estrutura argumental e tipologia linguística. É bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq, desde 1994, e líder do Grupo de Pesquisa em Gramática Funcional (GPGF), cadastrado no CNPq desde 2002. Atualmente é Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da UNESP/SJRP e Coordenadora da área de Linguística da FAPESP.
Gabriel Henrique Galvão Passetti, Universidade Estadual Paulista - São José do Rio Preto.
Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Gramática Discursivo-Funcional, atuando principalmente nos seguintes temas: coordenação adversativa de constituintes oracionais.
Danytiele Cristina Fernandes de Paula, Universidade Estadual Paulista - São José do Rio Preto
Graduada no Curso de Licenciatura em Letras (Português/Francês) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, campus de São José do Rio Preto (2011). Mestre em Estudos Linguísticos pela mesma instituição, realizou estudos na Universidad de Oviedo, Oviedo, Espanha. Defendeu, em 2014, a dissertação "O Sintagma Verbal em Português: construções perifrásticas e não-perifrásticas", na área de Descrição Funcional de Língua Oral e Escrita com foque na teoria da Gramática Discursivo Funcional. Atualmente, é doutoranda em Estudos Linguísticos pela UNESP e participa do Grupo de Pesquisa em Gramática Funcional (GPGF), realizando pesquisas na área de Tipologia em Língua Indígena com o projeto intitulado "Transparência e opacidade nas línguas indígenas da família Naduhup". Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Teoria e Análise Linguística, atuando, principalmente, nos seguintes temas: análise funcional, Gramática Discursivo-Funcional, ordenação de constituintes, construções perifrásticas, transparência e opacidade, língua portuguesa, línguas indígenas

Referências

ANSCOMBRE, Jean Claude; DUCROT, Oswald. Deux Mais en français. Língua. v. 43, p. 23-40, 1977.

DIK, Simon. The theory of Functional Grammar. Part I: The structure of the clause. Dordrecht: Foris, 1989.

DIK, Simon. The theory of Functional Grammar. Part II – Complex and derived constructions. New York: Mouton de Gruyter, 1997.

GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo de conjunções em português. Campinas: Pontes, 1987.

HENGEVELD, Kees. The architecture for Functional Grammar. In: Mackenzie, Lachlan; Gómez-González (eds.). A New architecture for Functional Grammar. Functional Grammar Series 24. Berlin: Mouton de Gruyter, 2004.

HENGEVELD, Kees; MACKENZIE, John Lachlan. Functional Discourse Grammar: A typologically-based theory of language structure. Oxford: Oxford University Press, 2008.

LONGHIN, Sanderléia Roberta; PEZATTI, Erotilde Goreti; NOVAES-MARQUES, Norma Barbosa. A Coordenação. In: CASTILHO, A. T. (org.), no prelo.

PEZATTI, Erotilde Goreti; LONGHIN, Sanderléia Roberta. As Construções coordenadas. In: NEVES, Maria Helena Moura; ILARI, Rodolfo. (Org.) A Construção das orações complexas - Gramática do português culto falado no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2016, p. 13-68.

VOGT, Carlos; DUCROT, Oswald. De Magis a Mas: uma hipótese semântica. In: ____ Linguagem, pragmática e ideologia. São Paulo: Hucitec, 1980.

Publicado
2019-02-13
Como Citar
Pezatti, E. G., Galvão Passetti, G. H., & Fernandes de Paula, D. C. (2019). Contraposição não oracional com mas: substituição e acréscimo. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-18. https://doi.org/10.20396/cel.v61i1.8653710