Notas sobre competição e bloqueio de afixos

o caso das nominalizações

Palavras-chave: Nominalizações, Sufixos, Morfologia distribuída.

Resumo

Este artigo explora fenômenos morfológicos e semânticos que subjazem à sufixação, com ênfase na formação de nominalizações eventivas do português à luz dos pressupostos da Morfologia Distribuída (HALLE & MARANTZ, 1993). Primeiramente, este estudo discute o estatuto da sufixação como processo geral de formação de palavras que envolve mudança de classe em português e levanta questões a respeito das motivações para o grande repertório de sufixos nominalizadores do PB. Em seguida, o presente trabalho mostra que, pelo menos, um subconjunto dos sufixos nominalizadores produz algum efeito semântico sobre a raiz/estrutura com que se combina, mas que tal contribuição semântica não deve ser confundida com aspecto, como defendem alguns autores. Por fim, este artigo tece algumas considerações sobre a melhor forma de o sistema acomodar a ocorrência de diferentes sufixos, tanto com motivações semânticas quanto puramente morfológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Sartori Resende, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Linguística pela Universidade Federal do Paraná. Doutorando em Linguística da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ALEXIADOU, Artemis. Functional structure in nominals: nominalization and ergativity. Amsterdam: John Benjamins, 2001.

ALEXIADOU, Artemis. On the role of syntactic locality in morphological processes: the case of (Greek) derived nominals. In: RATHERT, Monika; GIANNAKIDOU, Anastasia (Ed.). Quantification, definiteness and nominalization. Oxford: University of Oxford, 2009. p. 253-280.

ARONOFF, Mark. Word formation in generative grammar. Cambridge: MIT, 1976.

BASÍLIO, Margarida. Estruturas lexicais da língua portuguesa: uma abordagem gerativa. Petrópolis: Vozes, 1980.

BASÍLIO, Margarida. Polissemia sistemática em substantivos deverbais. Ilha do Desterro. Florianópolis, n. 47, p. 49-71, 2004.

BRINTON, Laurel J. The Aktionsart of deverbal nouns in English. In: BERTINETTO, Pier Marco; BIANCHI, Valentina; HIGGINBOTHAM, James; SQUARTINI, Mario (Ed.). Temporal reference, aspect and acionality. Tormo: Rosenberg & Sellier, 1995. p. 27-45.

COSTA, Sônia Bastos Borba. O aspecto em português. São Paulo: Contexto, 1990.

EMBICK, David. On the resultative participles in English. Linguistic Inquiry. Cambridge, v. 35, p. 355-392, 2004.

EMBICK, David. ; MARANTZ, Alec. Architecture and blocking. Linguistic Inquiry. Cambridge, v. 39, n. 1, p. 1-53, 2008.

FREITAS, Maria Luisa. Two nominalizing suffixes in Brazilian Portuguese: locality constraints on morphological realization. Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas, v. 56, n. 1, p. 87-113, 2014.

GRIMSHAW, Jane. Argument strcture. Cambridge: MIT, 1990.

HALLE, Morris; MARANTZ, Alec. Distributed morphology and the pieces of inflection. In: HALE, Keneeth; KEYSER, Jay (Ed.). View from the word building 20. Cambridge: MIT, 1993. p. 111-176.

HARLEY, Heidi. The morphology of nominalizations and the syntax of vP. In: RATHERT, Monika; GIANNAKIDOU, Anastasia (Ed.). Quantification, definiteness and nominalization. Oxford: Oxford University, 2009. p. 320-342.

HARRIS, James. Nasal depalatalization ‘no’, morphological well-formedness ‘si’: the structure of Spanish word classes. MIT Working papers in Linguistics. Cambridge, v. 33, p. 47-82, 1999.

KHEDI, Valter. Formação das palavras em português. São Paulo: Ática, 1992.

MEDEIROS, Alessandro Boechat de. Aspecto e estrutura de evento nas nominalizações do português do Brasil: revendo o caso das nominalizações em ‘-ada’. Letras de hoje. Curitiba, n. 81, p. 99-122, 2010.

MONTEIRO, José Lemos. Morfologia portuguesa. 4. ed. Campinas: Pontes, 2002.

OLIVEIRA, Déborah Christina de Mendonça. Nominalizações de evento/processo e nominalizações de resultado: diferenças estruturais. Revista de Estudos Linguísticos. Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 491-502, 2006.

OLIVEIRA, Solange Mendes. Os sufixos nominalizadores ‘-ção’ e ‘-mento’. Estudos Linguísticos. Araraquara, v. 36, n. 1, p. 87-96, 2007.

RESENDE, Maurício Sartori. Reconciliando propostas lexicalistas para a derivação regressiva. Macabéa. Crato, v. 5, n. 2, p. 53-66, 2016.

RESENDE, Maurício Sartori. O aspecto lexical dos nomes deverbais. Via Litterae. Anápolis, v. 8, n. 1, p. 23-41, 2016.

RESENDE, Maurício Sartori. A nominalização zero do português: revisitando a derivação regressiva à luz da Morfologia Distribuída. Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Salvador, n. 61, p. 104-127, 2018.

ROCHA, Luiz Carlos Assis. Estruturas morfológicas do português. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ROCHA, Luiz Carlos Assis. A nominalização no português do Brasil. Revista de Estudos linguísticos. Belo Horizonte, v. 8, n. 1, p. 5-51, 1999.

SCHER, Ana Paula. Nominalizações em ‘-ada’ em construções com o verbo leve ‘dar’ em português brasileiro. Letras de hoje. Porto Alegre, v. 41, n. 1,0 p. 29-48, 2006.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O aspecto verbal no português: a categoria e sua expressão. EDUFU: Uberlândia, 1985.

VENDLER, Zeno. Linguistics in philosophy. Ithaca: Cornell University, 1967.

Publicado
2019-10-15
Como Citar
Resende, M. S. (2019). Notas sobre competição e bloqueio de afixos. Cadernos De Estudos Lingüísticos, 61, 1-21. https://doi.org/10.20396/cel.v61i0.8655303